Após ser der­ro­ta­do na terça-feira (18), a ba­se go­ver­nis­ta ven­ceu nes­ta quarta-feira (19) a opo­si­ção e con­se­guiu 287 vo­tos fa­vo­rá­veis à apro­va­ção do re­gi­me de ur­gên­cia pa­ra a vo­ta­ção do Pro­je­to de Lei 6.787/16, que tra­ta da re­for­ma tra­ba­lhis­ta. Os con­trá­ri­os à ur­gên­cia do pro­je­to so­ma­ram 144 vo­tos. Com a apro­va­ção do re­gi­me de ur­gên­cia, não se­rá pos­sí­vel pe­dir vis­ta ou apre­sen­tar emen­das à ma­té­ria na co­mis­são es­pe­ci­al que ana­li­sa o subs­ti­tu­ti­vo do de­pu­ta­do Ro­gé­rio Ma­ri­nho (PSDB-RN).

Fa­bio Ro­dri­gues Pozzebom/Agência Bra­sil


Plenário da Câmara aprova requerimento de urgência para reforma trabalhista

O re­la­tó­rio apre­sen­ta­do na co­mis­são man­tém a pre­va­lên­cia dos acor­dos co­le­ti­vos em re­la­ção à lei, con­for­me pre­vis­to no tex­to ori­gi­nal, e acres­cen­ta ou­tras mo­di­fi­ca­ções, co­mo re­gras pa­ra o te­le­tra­ba­lho e o tra­ba­lho in­ter­mi­ten­te. O tex­to po­de­rá ser vo­ta­do di­re­ta­men­te no ple­ná­rio já na pró­xi­ma se­ma­na ou no iní­cio de maio.

A ses­são des­ti­na­da à vo­ta­ção foi mar­ca­da por for­te em­ba­te en­tre opo­si­ção e go­ver­no. De­pu­ta­dos da opo­si­ção cri­ti­ca­ram a in­clu­são do re­que­ri­men­to de ur­gên­cia na or­dem do dia, classificando-a de ma­no­bra re­gi­men­tal, pois a ma­té­ria já ha­via si­do re­jei­ta­da na noi­te de terça-feira.

A con­fu­são te­ve iní­cio após o pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), ter en­cer­ra­do a ses­são que vo­ta­va os des­ta­ques ao pro­je­to de re­cu­pe­ra­ção fis­cal dos es­ta­dos su­pe­ren­di­vi­da­dos, cu­jo tex­to ba­se ha­via si­do apro­va­do na noi­te an­te­ri­or, e cha­ma­do no­va ses­são ex­clu­si­va­men­te pa­ra vo­tar o re­que­ri­men­to.

O lí­der da mi­no­ria, Jo­sé Gui­ma­rães (PT-CE), acu­sou o go­ver­no de que­rer vo­tar a ma­té­ria a “to­que de cai­xa”. “Não se me­xe tan­to com a vi­da dos tra­ba­lha­do­res e se faz as coi­sas des­se jei­to. Não é acon­se­lhá­vel vo­tar is­so ho­je, por­que es­se cli­ma de ten­são que se es­tá es­ta­be­le­cen­do aqui den­tro im­pe­de que o Par­la­men­to con­si­ga di­a­lo­gar”, dis­se.

O lí­der do go­ver­no, Agui­nal­do Ri­bei­ro (PP-PB), jus­ti­fi­cou a no­va ten­ta­ti­va de vo­ta­ção do re­que­ri­men­to com o ar­gu­men­to da ne­ces­si­da­de de de­li­be­rar lo­go a ma­té­ria. “Quem qui­ser que ga­nhe o de­ba­te no ar­gu­men­to. Nós ho­je es­ta­mos cum­prin­do de for­ma de­mo­crá­ti­ca aqui­lo que pre­vê o re­gi­men­to des­sa ca­sa, res­pei­tan­do a to­dos e vo­tan­do uma ma­té­ria que é im­por­tan­te sim pa­ra o país”, dis­se.

Maia con­ti­nu­ou com o pro­ces­so de vo­ta­ção do re­que­ri­men­to que abre a pos­si­bi­li­da­de de que o pro­je­to se­ja vo­ta­do na pró­xi­ma se­ma­na. Hou­ve ba­te bo­ca e de­pu­ta­dos da opo­si­ção che­ga­ram a su­bir na me­sa di­re­to­ra pa­ra pro­tes­tar.

“O que es­tá acon­te­cen­do aqui é mui­to sé­rio. Es­sa ma­té­ria já foi vo­ta­da no dia de on­tem e não foi apro­va­da. O re­gi­men­to é cla­ro, es­sa ma­té­ria não po­de­ria vol­tar a es­tar na pau­ta no dia de ho­je. Não po­de­mos vol­tar ao tem­po do Edu­ar­do Cu­nha”, dis­se o lí­der do PSOL, Glau­ber Bra­ga (RJ), referindo-se ao ex-presidente da Ca­sa, que fi­cou mar­ca­do por re­pe­tir vo­ta­ções de cu­jo re­sul­ta­do dis­cor­da­va.

Proposta de acordo

A opo­si­ção de­fen­dia a re­ti­ra­da do re­que­ri­men­to da pau­ta e pro­pu­nha um acor­do pa­ra se vo­tar o pro­je­to que al­te­ra vá­ri­os ar­ti­gos da le­gis­la­ção tra­ba­lhis­ta no dia 8 de maio, após de­ba­te e vo­ta­ção na co­mis­são es­pe­ci­al que ana­li­sa a ma­té­ria.

Maia dis­se que não iria in­ter­rom­per a vo­ta­ção e que, após reu­nião, a opo­si­ção não quis fe­char um acor­do pa­ra que o pro­je­to fos­se vo­ta­do em uma da­ta in­ter­me­diá­ria, até o dia 3 de maio. “O PT não quis vo­tar es­sa ma­té­ria no dia 3 de maio, en­tão não te­ve acor­do por es­se mo­ti­vo. Se a ba­se ti­ver vo­to, a ba­se ga­nha. Se não ti­ver, per­de”, dis­se Maia.

O lí­der do PT, Car­los Za­ra­ti­ni (SP), con­fir­mou o en­con­tro, mas ques­ti­o­nou a da­ta com o ar­gu­men­to de que era ne­ces­sá­rio dis­cu­tir me­lhor a ma­té­ria na co­mis­são. “Era uma so­lu­ção de acor­do adi­ar­mos es­sa vo­ta­ção pa­ra a se­ma­na do dia 8 de maio, já que na se­ma­na que vem po­de­ria ser dis­cu­ti­do na co­mis­são es­pe­ci­al, afu­ni­lan­do o de­ba­te pa­ra fa­zer­mos a vo­ta­ção no dia 8. Es­sa foi a nos­sa pro­pos­ta”, re­ba­teu.

Recuperação fiscal dos estados

An­tes da vo­ta­ção do re­que­ri­men­to, após mais de cin­co ho­ras de de­ba­tes, os de­pu­ta­dos ha­vi­am de­li­be­ra­do dois dos 16 des­ta­ques ao pro­je­to de re­cu­pe­ra­ção fis­cal dos es­ta­dos su­pe­ren­di­vi­da­dos. Fo­ram re­jei­ta­dos dois des­ta­ques, um do PC­doB e ou­tro do PSOL, que pre­ten­di­am re­ti­rar as con­tra­par­ti­das dos es­ta­dos pa­ra ade­rir ao pla­no de re­cu­pe­ra­ção.

Com a de­ci­são de vo­tar o re­que­ri­men­to, Maia adi­ou pa­ra a pró­xi­ma se­ma­na a con­clu­são da vo­ta­ção dos des­ta­ques ao pro­je­to.

Fon­te: Agên­cia Brasil/EBC

,