Em que pe­se a emi­nen­te en­tra­da em vi­gor da Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, que al­te­ra inú­me­ras re­gras da re­la­ção de tra­ba­lho, a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho 2017/​2018, de­ve ser res­pei­ta­da e apli­ca­da em sua ín­te­gra.

Por opor­tu­no, des­ta­ca­mos os prin­ci­pais pon­tos que fo­ram mu­da­dos pe­la Re­for­ma Tra­ba­lhis­ta, mas que de­vem con­ti­nu­ar res­pei­tan­do a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho:

A. Cláu­su­la 11ª – Ho­ras ex­tras e com­pen­sa­ção: di­fe­ren­te­men­te do que pre­vê o no­vo § 5º, do ar­ti­go 59, da CLT, que o ban­co de ho­ras po­de­rá ser pac­tu­a­do por acor­do in­di­vi­du­al es­cri­to, a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho faz exi­gên­cia da for­ma­li­za­ção de acor­do co­le­ti­vo com o sin­di­ca­to;

B. Cláu­su­la 27ª – Ho­mo­lo­ga­ções: a “re­for­ma tra­ba­lhis­ta” pre­cei­tua que não há mais ne­ces­si­da­de de se ho­mo­lo­gar a res­ci­são do con­tra­to de tra­ba­lho pe­ran­te o sin­di­ca­to pro­fis­si­o­nal, to­da­via, a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho além de pre­ver a obri­ga­to­ri­e­da­de da ho­mo­lo­ga­ção, es­ti­pu­la pra­zos pa­ra a re­a­li­za­ção da ho­mo­lo­ga­ção, sob pe­na de “mul­ta”;

C. Cláu­su­la 38ª – In­ter­va­lo pa­ra des­can­so e re­fei­ção: a no­va re­gra au­to­ri­za a ne­go­ci­a­ção do in­ter­va­lo de des­can­so en­tre pa­trão e em­pre­ga­do, des­de que res­pei­te o mí­ni­mo de 00h30min, en­tre­tan­to, a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho man­tém o mí­ni­mo de 01h00min de in­ter­va­lo in­tra­jor­na­da;

D. Cláu­su­la 39ª – Tem­po par­ci­al (part ti­me): pa­ra a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho, con­tra­ri­a­men­te à “re­for­me tra­ba­lhis­ta”, considera-​se tra­ba­lho em re­gi­me de tem­po par­ci­al aque­le cu­ja du­ra­ção não ex­ce­da a 25 (vin­te e cin­co) ho­ras se­ma­nais;

E. Cláu­su­la 41ª - Es­ca­la de re­ve­za­men­to (12x36): a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho au­to­ri­za a prá­ti­ca de jor­na­da 12x36 pa­ra em­pre­sas que atu­am em Hos­pi­tais, Supermercados/​Hipermercados, Pre­sí­di­os e CDP’s, sen­do que pa­ra em­pre­sas de ou­tras ati­vi­da­des, de­ve­rá ha­ver co­mu­ni­ca­ção for­mal ao sin­di­ca­to pro­fis­si­o­nal, res­pei­tan­do a Sú­mu­la 444, do TST.

Por fim, ressalta-​se que os pon­tos su­pra des­ta­ca­dos é me­ra­men­te exem­pli­fi­ca­ti­vo, eis que a Con­ven­ção Co­le­ti­va de Tra­ba­lho de­ve ser res­pei­ta­da in­te­gral­men­te.

Li­mi­ta­dos ao ex­pos­to, apre­sen­ta­mos nos­sos sin­ce­ros pro­tes­tos de es­ti­ma e con­si­de­ra­ção.

Bau­ru, 9 de no­vem­bro de 2017.

Aten­ci­o­sa­men­te,

Wal­dir Apa­re­ci­do Avan­zo
Pre­si­den­te

,