O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (PMDB) de­fen­deu a per­ma­nên­cia do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), no co­man­do da Ca­sa. Pa­ra Te­mer, com a pri­o­ri­da­de so­bre a apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o te­ma “su­ces­são pre­si­den­ci­al de­ve fi­car pa­ra mar­ço”.

Agên­cia Bra­sil


"Ele não tem nada a perder, só a ganhar", diz Temer sobre reeleição de Maia à Câmara

“O Ro­dri­go es­tá se mo­vi­men­tan­do mui­to, mas ain­da acho que a pri­o­ri­da­de de­le é se re­e­le­ger pa­ra a Pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra, que é um car­go ex­cep­ci­o­nal. De qual­quer for­ma, ele não tem na­da a per­der, só a ga­nhar. E é aque­la his­tó­ria, ‘se co­lar, co­lou’”, dis­se o pre­si­den­te em en­tre­vis­ta à jor­na­lis­ta Eli­a­ne Can­ta­nhê­de, do jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo.

Maia tem po­si­ção es­tra­té­gi­ca na Ca­sa. Co­mo pre­si­den­te da Câ­ma­ra, é res­pon­sá­vel pe­lo cro­no­gra­ma de vo­ta­ção do ple­ná­rio, o que in­clui a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia – prin­ci­pal ban­dei­ra do go­ver­no com vo­ta­ção pre­vis­ta pa­ra o dia 19 de fe­ve­rei­ro des­te ano. Ca­so ele re­sol­va lan­çar sua can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, de­ve dei­xar o car­go pa­ra se con­cen­trar na dis­pu­ta elei­to­ral.

Ape­sar de ain­da não con­tar com os 308 vo­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra apro­va­ção do tex­to, o pre­si­den­te se diz con­fi­an­te que até o dia da vo­ta­ção te­rá o apoio ne­ces­sá­rio. Pa­ra ele, os can­di­da­tos que­rem se li­vrar des­se de­ba­te na cam­pa­nha.

“Estou ótimo”

De acor­do com Te­mer, ape­sar das ver­sões pes­si­mis­tas so­bre sua saú­de, ele es­tá “óti­mo”. “Pas­sei por três ci­rur­gi­as, ti­ve in­fec­ção no fim do ano e nem pu­de pas­sar qua­tro di­as na praia, co­mo gos­ta­ria, mas es­tou óti­mo. Em­bo­ra to­da ho­ra al­guém quei­ra me ma­tar. Uns por von­ta­de mes­mo, ou­tros por de­sin­for­ma­ção”, res­sal­tou à jor­na­lis­ta.

“Segurança e serenidade”

Du­ran­te a en­tre­vis­ta, pu­bli­ca­da nes­ta quinta-​feira (11), Te­mer elo­gi­ou o go­ver­na­dor Ge­ral­do Alck­min (PSDB). O pe­e­me­de­bis­ta dis­se que Alck­min pre­en­che os re­qui­si­tos de “se­gu­ran­ça e se­re­ni­da­de”. Ape­sar de não ter ti­do o apoio do tu­ca­no du­ran­te as du­as de­nún­ci­as da Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) con­tra ele, Te­mer diz ser ami­go do pe­es­se­de­bis­ta há mui­tos anos e afir­ma “não ser ran­co­ro­so”. “Não sei exa­ta­men­te por­que, mas nun­ca fui ran­co­ro­so. Ele (Alck­min) de­ve ter ti­do os mo­ti­vos de­le, e is­so pas­sou”.

Já so­bre o mi­nis­tro Hen­ri­que Mei­rel­les (PSD), pos­sí­vel can­di­da­to à dis­pu­ta pre­si­den­ci­al, Te­mer ad­mi­tiu pre­fe­rir que o mi­nis­tro con­ti­nue na Fa­zen­da a dis­pu­tar a elei­ção. “Te­mer elo­gi­ou “a in­te­li­gên­cia e a ca­pa­ci­da­de po­lí­ti­ca” do mi­nis­tro, mas ad­mi­tiu: “Ele se­ria um gran­de pre­si­den­te, mas, pa­ra mim, é cla­ro que é mui­to me­lhor que fi­que na Fa­zen­da””, diz tre­cho da re­por­ta­gem.

Até abril, pra­zo fi­nal de de­sin­com­pa­ti­bi­li­za­ção pa­ra mi­nis­tros que vão dis­pu­tar as elei­ções de ou­tu­bro, pe­lo me­nos 13 mi­nis­tros de­vem dei­xar a equi­pe do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. Em de­zem­bro, os mi­nis­tros Ro­nal­do No­guei­ra (Tra­ba­lho) e Mar­cos Pe­rei­ra (In­dús­tria, Co­mér­cio Ex­te­ri­or e Ser­vi­ços) an­te­ci­pa­ram o de­sem­bar­que da Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os e dei­xa­ram os car­gos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,