O Pa­lá­cio do Pla­nal­to de­ci­diu es­go­tar to­das as pos­si­bi­li­da­des de re­cur­so na pri­mei­ra ins­tân­cia con­tra a de­ci­são do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal da 2ª Re­gião (TRF2) de sus­pen­der a no­me­a­ção e pos­se da de­pu­ta­da Cris­ti­a­ne Bra­sil (PTB-​RJ) co­mo mi­nis­tra do Tra­ba­lho. Na tar­de des­ta quinta-​feira (11), o de­pu­ta­do Be­to Man­sur (PRB-​SP), um dos prin­ci­pais ar­ti­cu­la­do­res po­lí­ti­cos da ba­se go­ver­nis­ta na Câ­ma­ra, afir­mou que o go­ver­no de­ve apre­sen­tar no­vo re­cur­so pa­ra que o ple­ná­rio do Tri­bu­nal de­ci­da so­bre a li­mi­nar en­quan­to aguar­da o fim do re­ces­so do ju­di­ciá­rio pa­ra re­cor­rer ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

Agên­cia Câ­ma­ra


Planalto quer garantir posse da ministra nomeada, mas só pretende acionar o STF após esgotar recursos na segunda instância

A es­tra­té­gia vi­sa ga­ran­tir que o re­cur­so se­ja ana­li­sa­do pe­lo ple­ná­rio do Su­pre­mo, o que é con­si­de­ra­do pre­fe­rí­vel pe­lo go­ver­no. Du­ran­te o re­ces­so do STF, o re­cur­so se­ria re­me­ti­do ape­nas à pre­si­den­te da Cor­te, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia. O ob­je­ti­vo é ten­tar re­sol­ver a ques­tão ain­da no âm­bi­to es­ta­du­al e evi­tar que o des­gas­te se es­ten­da pa­ra as ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res do Ju­di­ciá­rio. Em en­tre­vis­ta à Glo­bo­News, a mi­nis­tra Gra­ce Men­don­ça, da Advocacia-​Geral da União (AGU) afir­mou que o re­cur­so ao Su­pre­mo é “uma das al­ter­na­ti­vas” em dis­cus­são e que a me­di­da a ser ado­ta­da só se­rá de­ci­di­da na pró­xi­ma se­ma­na.

Man­sur afir­mou achar “um ab­sur­do” que um juiz de pri­mei­ra ins­tân­cia im­pe­ça a pos­se da mi­nis­tra. ” Um juiz de pri­mei­ra ins­tân­cia dis­se: ’não po­de as­su­mir, por­que a mi­nis­tra tem ações na jus­ti­ça do Tra­ba­lho’, coi­sa quem, na mi­nha vi­são, é um ab­sur­do. Aí, vo­cê não vai po­der in­di­car um mi­nis­tro da Saú­de por­que ele fu­ma, vo­cê não vai po­der in­di­car um mi­nis­tro dos Trans­por­tes por­que tem al­gum ti­po de mul­ta de trân­si­to. É cla­ro que o Exe­cu­ti­vo vai re­cor­rer até a úl­ti­ma ins­tân­cia pa­ra que não ha­ja ne­nhum ti­po de dú­vi­da des­sa se­pa­ra­ção en­tre os po­de­res”, acres­cen­tou o de­pu­ta­do.

Man­sur tam­bém afir­mou ter con­ver­sa­do on­tem (quar­ta, 10) com o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) e que es­te es­tá tran­qui­lo e vai man­ter a in­di­ca­ção da mi­nis­tra. “Ele es­tá tran­qui­lís­si­mo, ele é um ju­ris­ta co­nhe­ce­dor do di­rei­to, ele fez a in­di­ca­ção, ele não con­cor­da com a de­ci­são e vai re­cor­rer, por­que hou­ve ver­da­dei­ra­men­te uma in­fluên­cia, uma en­tra­da in­de­vi­da, na mi­nha vi­são, do Ju­di­ciá­rio na de­ci­são do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca.”

O imbróglio

Cris­ti­a­ne Bra­sil foi in­di­ca­da co­mo mi­nis­tra do Tra­ba­lho, na úl­ti­ma se­ma­na, pe­la di­re­ção do PTB, no âm­bi­to das ne­go­ci­a­ções em tor­no da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Ela foi con­vi­da­da a as­su­mir a pas­ta após o no­me do de­pu­ta­do Pe­dro Fer­nan­des (PTB-​MA) ser ve­ta­do pe­lo ex-​presidente Jo­sé Sar­ney. O car­go es­tá va­ga des­de que Ro­nal­do No­guei­ra pe­diu de­mis­são, em 27 de de­zem­bro. Após Te­mer de­sis­tir do ma­ra­nhen­se, con­vi­dou a fi­lha de Ro­ber­to Jef­fer­son, que pre­si­de o PTB, pa­ra as­su­mir o mi­nis­té­rio.

Des­de en­tão, vi­e­ram à to­na os dois pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas con­tra a mi­nis­tra no­me­a­da. Cris­ti­a­ne foi con­de­na­da, em 2016, a pa­gar R$ 60,4 mil em dí­vi­da tra­ba­lhis­ta a um mo­to­ris­ta que pres­ta­va ser­vi­ços à de­pu­ta­da e sua fa­mí­lia en­tre 2012 e 2014. A de­ci­são do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho da 1ª Re­gião (TRT-​1) já foi con­fir­ma­da em se­gun­da ins­tân­cia no ano pas­sa­do, res­tan­do à de­pu­ta­da re­cur­so ape­nas quan­to ao va­lor da in­de­ni­za­ção.

De acor­do com a ação, o mo­to­ris­ta Fer­nan­do Fer­nan­des tra­ba­lha­va cer­ca de 15 ho­ras por dia e não ti­nha car­tei­ra as­si­na­da. Na ver­são da no­va mi­nis­tra, o mo­to­ris­ta exer­cia tra­ba­lho even­tu­al e nun­ca foi seu em­pre­ga­do. Par­te dos R$ 60 mil foi aba­ti­da com pe­nho­ras, res­tan­do li­qui­dar R$ 52 mil.

Em de­poi­men­to du­ran­te o pro­ces­so, Fer­nan­do dis­se que ga­nha­va R$ 1 mil em di­nhei­ro e mais R$ 3 mil de­po­si­ta­dos em con­ta pa­ra pres­tar ser­vi­ços en­tre as 6h30 e 22h, le­van­do Cris­ti­a­ne, os fi­lhos e em­pre­ga­das da de­pu­ta­da em com­pro­mis­sos e às com­pras.

Ou­tro pro­ces­so con­tra a no­va mi­nis­tra foi aber­to em 2017, por ou­tro mo­to­ris­ta, mas não pros­se­guiu após as par­tes acei­ta­rem uma con­ci­li­a­ção. Nes­se ca­so, o jor­nal O Glo­bo re­ve­lou nes­te sá­ba­do (6) que o di­nhei­ro pa­go ao ex-​funcionário pa­ra qui­tar os R$ 14 mil fi­xa­dos em acor­do sai da con­ta ban­cá­ria de uma de su­as fun­ci­o­ná­ri­as na Câ­ma­ra. Cris­ti­a­ne fez acor­do pa­ra qui­tar, em dez par­ce­las, R$ 14 mil em dí­vi­das tra­ba­lhis­tas com mo­to­ris­ta que tra­ba­lhou pa­ra ela e pa­ra sua fa­mí­lia en­tre 2014 e 2015. Se­gun­do o jor­nal, o va­lor pa­go men­sal­men­te ao ex-​motorista de Cris­ti­a­ne sai da con­ta de Ve­ra Lú­cia Gor­gu­lho Cha­ves de Aze­ve­do, lo­ta­da no ga­bi­ne­te de­la.

Na terça-​feira (9), o jor­nal Fo­lha de S. Pau­lo re­ve­lou que a de­pu­ta­da des­ti­na par­te de sua co­ta par­la­men­tar a uma lo­ca­do­ra que de au­to­mó­veis que per­ten­ce à tia de sua che­fe de ga­bi­ne­te. A re­por­ta­gem mos­tra que a em­pre­sa de­cla­ra o en­de­re­ço e o te­le­fo­ne de um es­cri­tó­rio de con­ta­bi­li­da­de em Bra­sí­lia. A ver­ba da Câ­ma­ra pa­ga, men­sal­men­te, R$ 4 mil à Bar­ros & Ser­ra Ser­vi­ços Exe­cu­ti­vos Rent a Car, lo­ca­do­ra re­gis­tra­da em no­me de Nai­da Ma­ria Co­e­lho Ser­ra, ir­mã da mãe de Ales­san­dra Ser­ra Ga­ma, prin­ci­pal as­ses­so­ra da no­va mi­nis­tra.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,