Com­pra­das e pa­gas pe­la Câ­ma­ra, mas cus­te­a­das com di­nhei­ro pú­bli­co, as pas­sa­gens pa­ra de­pu­ta­dos em mis­sões ofi­ci­ais nes­te man­da­to já cus­ta­ram R$ 7,6 mi­lhões, em va­lo­res atu­a­li­za­dos, aos co­fres pú­bli­cos. No pe­río­do de ja­nei­ro de 2015 até o mo­men­to, a vi­a­gem mais ca­ra cus­tou R$ 45,5 mil, te­ve du­ra­ção de qua­tro di­as e foi pa­ga pa­ra que o de­pu­ta­do bai­a­no Clau­dio Ca­ja­do (DEM) fos­se ao Ca­sa­quis­tão e à Ge­or­gia.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Desde 2015, foram 1,4 mil viagens oficiais bancadas pela Casa

Jun­to com Ca­ja­do, o tam­bém bai­a­no An­to­nio Im­bas­sahy (PSDB) vi­a­jou ao cus­to de R$ 45,3 mil pa­ra o mes­mo des­ti­no. A vi­a­gem foi re­a­li­za­da em de­zem­bro de 2015. O le­van­ta­men­to foi fei­to e pu­bli­ca­do pe­lo jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, nes­ta segunda-​feira (15), que, com ba­se na Lei de Aces­so à In­for­ma­ção, ob­te­ve os da­dos so­bre vi­a­gens ofi­ci­ais com­pra­das e pa­gas pe­la Ca­sa. Atu­al­men­te, os de­pu­ta­dos tam­bém têm di­rei­to a pas­sa­gens pa­ra vol­tar a seus Es­ta­dos. No en­tan­to, es­sas são com­pra­das pe­los pró­pri­os con­gres­sis­tas com di­nhei­ro da co­ta par­la­men­tar.

Na épo­ca da vi­a­gem, Ca­ja­do era pro­cu­ra­dor le­gis­la­ti­vo e Im­bas­sahy lí­der do par­ti­do. De­vi­do aos car­gos ocu­pa­dos, os dois ti­ve­ram di­rei­to a clas­se exe­cu­ti­va. O re­gi­men­to in­ter­no da Câ­ma­ra tam­bém con­ce­de o di­rei­to a ocu­pan­tes de ou­tros car­gos, co­mo mem­bros ti­tu­la­res da Me­sa Di­re­to­ra e pre­si­den­tes de Co­mis­sões Per­ma­nen­tes.

“Ne­nhum de nós tem in­te­res­se de com­prar pas­sa­gem mais ca­ra”, dis­se Ca­ja­do ao jor­nal. Im­bas­sahy jus­ti­fi­cou que “fo­ram cum­pri­dos to­dos os re­qui­si­tos es­ta­be­le­ci­dos pe­la Câ­ma­ra pa­ra par­ti­ci­pa­ção em mis­sões ofi­ci­ais”.

Con­for­me o le­van­ta­men­to fei­to pe­los re­pór­te­res Ma­ri­an­na Ho­lan­da, Adri­a­na Fer­raz e Ce­cí­lia do La­go, des­de 2015, fo­ram 1,4 mil vi­a­gens ofi­ci­ais ban­ca­das pe­la Ca­sa. De acor­do com os da­dos, o de­pu­ta­do Jo­sé Ro­cha (PR-​BA) te­ve o ter­cei­ro mai­or bi­lhe­te aé­reo pa­go pe­la Câ­ma­ra. O par­la­men­tar foi um dos on­ze con­gres­sis­tas da de­le­ga­ção es­pe­ci­al a Ha­nói, no Vi­et­nã, pa­ra a 132.ª As­sem­bleia da União In­ter­par­la­men­tar. Ques­ti­o­na­do pe­lo jor­nal, ele ale­ga não ter con­tro­le do pre­ço. “Eu vou sa­ber de pre­ço? Vi­a­jei, mas não fui eu quem com­prou”, pro­tes­tou.

No ran­king das pas­sa­gens mais ca­ras, o de­pu­ta­do Fe­li­pe Bor­ni­er (PROS-​RJ) fi­cou com a quar­ta co­lo­ca­ção. Sua pas­sa­gem cus­tou R$ 42,8 mil. Tam­bém em sua de­fe­sa, o de­pu­ta­do ale­ga ter fei­to uma vi­a­gem com re­sul­ta­dos. “Es­sa vi­a­gem que a gen­te fez, in­clu­si­ve, con­se­guiu re­tor­nar a im­por­ta­ção de car­ne do Bra­sil (pe­la Rús­sia)”, defende-​se.

O de­pu­ta­do pa­ra­na­en­se Alex Can­zi­a­ni (PTB-​PR) fi­cou em quin­to lu­gar. Em 2015 ele foi aos Es­ta­dos Uni­dos pa­ra um even­to da Fun­da­ção Le­mann, com ou­tros bra­si­lei­ros pa­ra dis­cu­tir o País. Co­mo à épo­ca era se­cre­tá­rio da Me­sa, te­ve di­rei­to a uma pas­sa­gem na clas­se exe­cu­ti­va, de R$ 37,9 mil. Can­zi­a­ni dis­se ao jor­nal que “vi­a­gens po­dem abrir ho­ri­zon­tes”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,