Sa­lá­ri­os, ver­bas ex­tras pa­ra mo­ra­dia, fun­ci­o­ná­ri­os, alu­guel de es­cri­tó­rio, te­le­fo­ne, veí­cu­los, com­bus­tí­vel, di­vul­ga­ção do man­da­to, pas­sa­gens aé­re­as, en­tre ou­tras coi­sas. Pla­no de saú­de em con­di­ções van­ta­jo­sas e até vi­ta­lí­cio. Aju­da de cus­to equi­va­len­te a dois sa­lá­ri­os adi­ci­o­nais no iní­cio e no fim do man­da­to. Es­ses são al­guns dos be­ne­fí­ci­os (ve­ja a lis­ta abai­xo) que fa­zem do Con­gres­so Na­ci­o­nal um dos par­la­men­tos mais ca­ros do pla­ne­ta.

Ana Lui­za Sousa/​Fotos Pú­bli­cas


Apesar de gastos, Congresso tem sido lembrado mais pelas confusões em que se metem os parlamentares do que pela eficiência e qualidade de sua produção legislativa

O Bra­sil ocu­pa a sex­ta co­lo­ca­ção em sa­lá­rio de de­pu­ta­dos em ra­zão do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) per ca­pi­ta. À fren­te, gas­tam mais com seus re­pre­sen­tan­tes al­gu­mas das na­ções mais po­bres do pla­ne­ta, co­mo Ni­gé­ria, Ga­na e Quê­nia, que li­de­ram o ran­king da dis­pa­ri­da­de en­tre as des­pe­sas com par­la­men­ta­res e a mé­dia da ri­que­za de sua po­pu­la­ção.

O país tam­bém se des­ta­ca in­ter­na­ci­o­nal­men­te o nú­me­ro de as­ses­so­res pes­so­ais por con­gres­sis­ta. Nos Es­ta­dos Uni­dos, ca­da de­pu­ta­do po­de con­tar com até 18 au­xi­li­a­res. No Chi­le, com 12, e na Fran­ça, com 8. Já no Bra­sil es­se nú­me­ro che­ga a 25 as­ses­so­res. O Se­na­do bra­si­lei­ro per­mi­te a con­tra­ta­ção de 55 fun­ci­o­ná­ri­os, mas há se­na­do­res que che­gam a mui­to mais. É o ca­so de Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo (PTC-​AL), com 80, e de João Al­ber­to Sou­za (MDB-​MA), com 84 ser­vi­do­res às su­as or­dens.

Le­van­ta­men­to do jor­nal El País, fo­ca­do na Amé­ri­ca La­ti­na, tam­bém apon­ta a dis­pa­ri­da­de en­tre os ga­nhos dos par­la­men­ta­res e o sa­lá­rio mé­dio dos ci­da­dãos que eles re­pre­sen­tam. O Bra­sil tem a mai­or re­mu­ne­ra­ção pa­ra de­pu­ta­dos e se­na­do­res da re­gião, se­gui­do de Chi­le, Colôm­bia e Mé­xi­co. Um con­gres­sis­ta bra­si­lei­ro re­ce­be so­men­te de sa­lá­rio o equi­va­len­te a 35 sa­lá­ri­os mí­ni­mos de R$ 954,00.

Mas por que o Bra­sil che­gou a es­se pon­to? “O prin­ci­pal fa­tor é a fal­ta de vi­gi­lân­cia da so­ci­e­da­de. Gas­tos são al­te­ra­dos por de­cre­tos ou atos na sur­di­na sem que a so­ci­e­da­de te­nha ci­ên­cia dis­so. O Bra­sil ain­da é in­ci­pi­en­te em con­tro­le so­ci­al. Es­se fa­tor é re­le­van­te pa­ra en­ten­der por­que os gas­tos com o Par­la­men­to são tão ex­pres­si­vos no país”, res­pon­de Gui­lher­me Bran­dão, di­re­tor do Ob­ser­va­tó­rio So­ci­al de Bra­sí­lia e coordenador-​geral da ini­ci­a­ti­va “Câ­ma­ra mais ba­ra­ta”, vol­ta­da pa­ra o Le­gis­la­ti­vo do Dis­tri­to Fe­de­ral.

Pa­ra Gui­lher­me, a re­a­li­da­de só se­rá mu­da­da quan­do o bra­si­lei­ro per­ce­ber que sua par­ti­ci­pa­ção no pro­ces­so de­mo­crá­ti­co não se li­mi­ta ao vo­to. “Fal­ta ma­tu­ri­da­de da ci­da­da­nia pa­ra fis­ca­li­zar. Não bas­ta cri­ti­car, é pre­ci­so tam­bém ava­li­ar e fis­ca­li­zar as po­lí­ti­cas pú­bli­cas. Avan­çar além da in­dig­na­ção e apon­tar ca­mi­nhos pa­ra a so­ci­e­da­de ci­vil. Pre­ci­sa­mos ser vi­gi­lan­tes”, de­fen­de o ati­vis­ta.

A relação dos principais benefícios de um congressista brasileiro:

* Va­lor va­ria con­for­me o es­ta­do. O me­nor é pa­go aos re­pre­sen­tan­tes do DF, e o mai­or, aos de Ro­rai­ma.
** Be­ne­fí­cio pa­go ao par­la­men­tar que não ocu­pa imó­vel fun­ci­o­nal ou pró­prio.
*** Va­lor pa­go no iní­cio e no fim do man­da­to de ca­da par­la­men­tar, in­clu­si­ve su­plen­tes
**** Os de­pu­ta­dos só são res­sar­ci­dos em ser­vi­ços mé­di­cos que não pu­de­rem ser pres­ta­dos no De­par­ta­men­to Mé­di­co (De­med) da Câ­ma­ra, em Bra­sí­lia.
***** Va­ria con­for­me o es­ta­do de ori­gem do par­la­men­tar. Os me­no­res mon­tan­tes são pa­gos aos se­na­do­res de Goiás e do DF. Os mai­o­res, aos se­na­do­res do Ama­zo­nas.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co, com ba­se em da­dos da Câ­ma­ra e do Se­na­do

,