Uma pos­ta­gem com­par­ti­lha­da pe­lo Par­ti­do da Cau­sa Ope­rá­ria (PCO) em su­as re­des so­ci­ais, na úl­ti­ma sexta-​feira (19), tem da­do o que fa­lar. Na mon­ta­gem, ilus­tra­da pe­lo ex-​presidente Lu­la (PT), o par­ti­do de­fen­de a re­vo­ga­ção da Lei da Fi­cha Lim­pa co­mo uma for­ma de ga­ran­tir o “di­rei­to da po­pu­la­ção a es­co­lher seus pró­pri­os can­di­da­tos”. O fim da le­gis­la­ção fa­vo­re­ce­ria a can­di­da­tu­ra do pe­tis­ta à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca nes­te ano, ame­a­ça­da por uma pos­sí­vel con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4). É a pri­mei­ra vez que um par­ti­do faz pu­bli­ca­men­te es­se ti­po de de­fe­sa. Nem o PT, de Lu­la, fez tal crí­ti­ca à lei.

Reprodução/​PCO


PCO divulgou em sua página no Facebook montagem em foto de Lula na qual pede a revogação da lei que barra candidatos condenados na Justiça

Na pá­gi­na do PCO no Fa­ce­bo­ok, a fo­to já te­ve mais de 18 mil com­par­ti­lha­men­tos e 14 mil re­a­ções. A mai­o­ria dos co­men­tá­ri­os, no en­tan­to, é de re­pro­va­ção, per­ple­xi­da­de e até mes­mo es­cár­nio. Ain­da as­sim, as crí­ti­cas não aba­tem a di­re­ção na­ci­o­nal da le­gen­da. Pa­ra o pre­si­den­te na­ci­o­nal do PCO, Rui Cos­ta Pi­men­ta, a mai­or par­te das ma­ni­fes­ta­ções con­tra o fim da Fi­cha Lim­pa vem de se­to­res da so­ci­e­da­de que apoi­am os ide­ais da di­rei­ta bra­si­lei­ra.

“Eu que­ria cha­mar a aten­ção pa­ra o se­guin­te: a mai­or par­te dos co­men­tá­ri­os ne­ga­ti­vos são de ele­men­tos de di­rei­ta. Is­so aju­da a ca­rac­te­ri­zar tam­bém o sen­ti­do po­lí­ti­co da lei. Quer di­zer, quem é que de­fen­de? Quem é que tem in­te­res­se ne­la?”, ques­ti­o­nou.

Rui Cos­ta rei­te­rou ao Con­gres­so em Fo­co que “des­de o pri­mei­ro mo­men­to”, o PCO foi con­tra a san­ção da Lei da Fi­cha Lim­pa por dois mo­ti­vos. O pri­mei­ro, que, se­gun­do ele, se­ria uma ques­tão de prin­cí­pio ge­ral, é que em uma de­mo­cra­cia elei­to­ral ca­be ao po­vo de­ci­dir quem são os bons can­di­da­tos, e não aos juí­zes. “Os juí­zes, ao im­pug­na­rem can­di­da­tos an­tes de­les se­rem sub­me­ti­dos ao es­cru­tí­nio po­pu­lar, agem co­mo uma es­pé­cie de co­lé­gio elei­to­ral, su­pri­mem a can­di­da­tu­ra de de­ter­mi­na­das pes­so­as. Is­so é ab­sur­do, por­que se o fun­da­men­to de um re­gi­me ba­se­a­do na elei­ção é o vo­to po­pu­lar, en­tão quem tem que de­ci­dir é o vo­to po­pu­lar. O vo­to po­pu­lar não po­de ter um tu­tor”, ar­gu­men­tou.

O se­gun­do mo­ti­vo, em sua ava­li­a­ção, se­ria o uso da Lei da Fi­cha Lim­pa co­mo “um ins­tru­men­to de ma­ni­pu­la­ção das elei­ções pe­las for­ças di­rei­tis­tas con­tra a es­quer­da”.

“Cu­ri­o­sa­men­te, a nos­sa te­se se com­pro­vou de uma ma­nei­ra bas­tan­te im­pac­tan­te, que é a ques­tão do pró­prio Lu­la. Ago­ra, nós te­mos uma si­tu­a­ção que é as­sim: o can­di­da­to mais po­pu­lar do país po­de vir a não con­cor­rer às elei­ções por­que al­guns juí­zes de­cre­ta­ram que ele não é um can­di­da­to ade­qua­do pa­ra ser vo­ta­do, em­bo­ra qua­se me­ta­de da po­pu­la­ção quei­ra vo­tar ne­le. É por is­so que não de­ve­ria ha­ver Lei da Fi­cha Lim­pa. Se o pes­so­al quer vo­tar no Lu­la, vo­ta no Lu­la. Eles têm que vo­tar em quem qui­se­rem”, afir­mou Rui Cos­ta, que dis­pu­tou as elei­ções pre­si­den­ci­ais pe­lo par­ti­do, cri­a­do por dis­si­den­tes mais à es­quer­da do PT.

Direita x esquerda

Ape­sar das de­cla­ra­ções do pre­si­den­te do PCO, o ran­king de par­ti­dos com o mai­or nú­me­ro de po­lí­ti­cos bar­ra­dos pe­la Lei da Fi­cha Lim­pa em dis­pu­tas elei­to­rais é bas­tan­te va­ri­a­do. Nas elei­ções mu­ni­ci­pais de 2016, fo­ram as le­gen­das tra­di­ci­o­nal­men­te de centro-​direita que to­ma­ram os ho­lo­fo­tes. A par­tir de re­gis­tros do Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE), o Con­gres­so em Fo­co mos­trou que, do to­tal de 2.329 can­di­da­tu­ras in­de­fe­ri­das pe­la Jus­ti­ça Elei­to­ral na­que­le ano com ba­se na Fi­cha Lim­pa, 306 eram do MDB, o equi­va­len­te a 11,1% do to­tal. Em se­gun­do lu­gar apa­re­cia o PSDB – 209 tu­ca­nos fo­ram con­si­de­ra­dos ine­le­gí­veis.

Já em 2014 fi­ca­ram na di­an­tei­ra o PT e o PSB, com 20 can­di­da­tos con­si­de­ra­dos “fi­cha su­ja” ca­da. Em se­gui­da, o PP, com 18 con­cor­ren­tes que ti­ve­ram su­as can­di­da­tu­ras ne­ga­das em ra­zão de con­de­na­ções por ór­gão co­le­gi­a­do ou por re­jei­ção de con­tas re­fe­ren­tes a ou­tros car­gos pú­bli­cos. Os da­dos são de um le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Con­gres­so em Fo­co com ba­se em in­for­ma­ções dos tri­bu­nais re­gi­o­nais elei­to­rais (TREs).

O caso Lula

O pre­si­den­te na­ci­o­nal do PCO des­ta­cou ain­da que a Fi­cha Lim­pa, além de ser “an­ti­de­mo­crá­ti­ca”, não li­vra o Con­gres­so Na­ci­o­nal da cor­rup­ção, o que é evi­den­ci­a­do pe­los inú­me­ros es­cân­da­los de cor­rup­ção que fo­ram des­co­ber­tos já sob a vi­gên­cia da lei. “Se es­se Con­gres­so Na­ci­o­nal é o re­sul­ta­do de uma de­pu­ra­ção, eu te­nho até me­do de pen­sar co­mo é que se­ria um Con­gres­so Na­ci­o­nal que não ti­ves­se de­pu­ra­ção. A Fi­cha Lim­pa não cria de­pu­ra­ção, ela sim­ples­men­te im­pe­de que a po­pu­la­ção vo­te em quem ela quer, e o ca­so do Lu­la é mui­to mar­can­te”, con­si­de­rou.

Va­le lem­brar que foi o pró­prio Lu­la, en­quan­to pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, que san­ci­o­nou a Lei da Fi­cha Lim­pa em ju­nho de 2010, no úl­ti­mo ano de seu se­gun­do man­da­to. “O pró­prio PT e o Lu­la es­tão apren­den­do mui­ta coi­sa com o pro­ces­so que vem já há qua­se dois anos de gol­pe de Es­ta­do”, dis­se Rui Cos­ta Pi­men­ta. “O pes­so­al in­ge­nu­a­men­te apoi­ou es­sas leis, em no­me do com­ba­te con­tra à cor­rup­ção. Ago­ra, o com­ba­te con­tra a cor­rup­ção vi­rou um com­ba­te con­tra a es­quer­da na­ci­o­nal”, acres­cen­tou ele.

En­tre os po­lí­ti­cos que já ti­ve­ram pro­ble­mas com a lei, es­tão fi­gu­ras co­nhe­ci­das da centro-​direita bra­si­lei­ra. É o ca­so, por exem­plo, dos ex-​governadores do Dis­tri­to Fe­de­ral Jo­a­quim Ro­riz e Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da – que ti­ve­ram de re­nun­ci­ar à can­di­da­tu­ra após se­rem bar­ra­dos com ba­se na lei. O ho­je de­pu­ta­do pre­si­diá­rio Pau­lo Ma­luf (PP-​SP) tam­bém che­gou a ter sua elei­ção ne­ga­da, em 2014, por ter con­de­na­ção em ór­gão co­le­gi­a­do. Seus vo­tos fi­ca­ram sub ju­di­ce. Mas ele con­se­guiu a li­be­ra­ção na Jus­ti­ça me­ses de­pois. O se­na­dor Ja­der Bar­ba­lho (MDB-​PA) só to­mou pos­se um ano após a elei­ção em que saiu co­mo o mais vo­ta­do do Pa­rá. Ele só as­su­miu no Se­na­do de­pois que o Su­pre­mo con­cluiu que a nor­ma não va­leu pa­ra a dis­pu­ta de 2010, ape­nas em 2012.

Questão de intolerância

Em en­tre­vis­ta ao Con­gres­so em Fo­co, o ex-​juiz Már­lon Reis, um dos ide­a­li­za­do­res da Fi­cha Lim­pa, clas­si­fi­cou a po­si­ção do PCO co­mo “uma ma­ni­fes­ta­ção de in­to­le­rân­cia e au­to­ri­ta­ris­mo”.

“Re­ve­la um ple­no des­res­pei­to até pe­la for­ma co­mo a lei foi con­quis­ta­da, e pe­las pes­so­as que se mo­bi­li­za­ram no Bra­sil in­tei­ro por es­sa con­quis­ta, por um pro­je­to de Bra­sil. Não faz sen­ti­do re­pen­sar uma ideia re­ves­ti­da de ta­ma­nha le­gi­ti­mi­da­de ape­nas em be­ne­fí­cio do pro­vei­to po­lí­ti­co es­pe­cí­fi­co bus­ca­do por um de­ter­mi­na­do par­ti­do. Se há al­gu­ma cren­ça de in­jus­ti­ça, ela de­ve ser di­ri­gi­da à Jus­ti­ça Cri­mi­nal, não à Lei da Fi­cha Lim­pa, que não tem na­da a ver com is­so”, dis­se.

Pa­ra ele, a lei cha­ma aten­ção pa­ra a ne­ces­si­da­de de mu­dan­ça de com­por­ta­men­to na po­lí­ti­ca, não po­den­do se do­brar a con­ve­ni­ên­ci­as in­di­vi­du­ais ou par­ti­dá­ri­as.

“Mes­mo com a Lei da Fi­cha Lim­pa, não há ga­ran­tia de que pes­so­as de­so­nes­tas não con­si­gam se can­di­da­tar. Não há ga­ran­tia, a Lei da Fi­cha Lim­pa não con­se­gue fa­zer is­so. O que ela faz é ape­nas re­ti­rar aque­les ca­sos mais gra­ves. Eu uso uma me­tá­fo­ra nas mi­nhas pa­les­tras: ‘a Lei da Fi­cha Lim­pa é uma pe­nei­ra que re­ti­ra o cas­ca­lho gros­so’. Não quer di­zer que re­sol­va to­dos os ma­les, mas pe­lo me­nos aque­les mais gros­sei­ros, mais evi­den­tes, ela atin­ge”, jus­ti­fi­cou o ad­vo­ga­do.

Iniciativa popular

A Fi­cha Lim­pa foi cri­a­da a par­tir de um pro­je­to de lei de ini­ci­a­ti­va po­pu­lar ide­a­li­za­do pe­lo Mo­vi­men­to de Com­ba­te à Cor­rup­ção Elei­to­ral (MCCE), que reu­niu 1,6 mi­lhão de as­si­na­tu­ras. A pro­pos­ta en­fren­tou re­sis­tên­cia do Con­gres­so, ini­ci­al­men­te, mas aca­bou apro­va­da sob for­te pres­são po­pu­lar em maio de 2010, em vo­ta­ção unâ­ni­me. Du­as se­ma­nas de­pois pas­sou pe­lo Se­na­do da mes­ma for­ma.

A lei, san­ci­o­na­da pe­lo en­tão pre­si­den­te Lu­la em ju­nho da­que­le ano, tor­nou ine­le­gí­vel por oi­to anos o can­di­da­to que ti­ver o man­da­to cas­sa­do, re­nun­ci­ar pa­ra evi­tar a cas­sa­ção ou for con­de­na­do por de­ci­são de ór­gão co­le­gi­a­do, mes­mo que ain­da exis­ta a pos­si­bi­li­da­de de re­cur­sos. É nes­se úl­ti­mo que­si­to que o ex-​presidente po­de ser en­qua­dra­do. A le­gis­la­ção, po­rém, per­mi­te que os can­di­da­tos re­cor­ram à Jus­ti­ça pa­ra ten­tar der­ru­bar a con­de­na­ção ou ques­ti­o­nar, na Jus­ti­ça elei­to­ral, al­gum as­pec­to do in­de­fe­ri­men­to da can­di­da­tu­ra pa­ra re­ver­ter a de­ci­são.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,