Com o ob­je­ti­vo de des­ti­tuir o mi­nis­tro Gil­mar Men­des de seu car­go do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), pe­lo me­nos cin­co pe­ti­ções fo­ram pro­to­co­la­das no Se­na­do ape­nas em 2017. No en­tan­to, du­as de­las fo­ram ar­qui­va­das pe­lo pre­si­den­te da Ca­sa, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (PMDB-​CE), an­tes mes­mo que ti­ves­sem qual­quer tra­mi­ta­ção. Uma sex­ta foi apre­sen­ta­da no dia 22 de de­zem­bro, mas de­vi­do ao re­ces­so par­la­men­tar, ain­da não foi re­gis­tra­da no sis­te­ma. Es­sa úl­ti­ma foi pre­ce­di­da da en­tre­ga de um abaixo-​assinado vir­tu­al com 1,7 mi­lhão de apoi­os.

Agên­cia Bra­sil


Gilmar foi alvo de seis pedidos de impeachment no Senado em 2017. Questionamentos vão da "atuação político partidária" à participação em julgamentos em que, segundo os autores da petição, deveria se declarar impedido

En­tre­gue pe­la jor­na­lis­ta Eli­sa Rob­son e pe­lo em­pre­sá­rio Pau­lo Ge­ne­ro­so, do Mo­vi­men­to Re­pú­bli­ca de Cu­ri­ti­ba, o do­cu­men­to apon­ta o que os au­to­res da ação con­si­de­ram con­du­ta in­com­pa­tí­vel de Gil­mar com a hon­ra, a dig­ni­da­de e o de­co­ro de su­as fun­ções; o exer­cí­cio de ati­vi­da­de político-​partidária; a prá­ti­ca de ati­tu­de pa­ten­te­men­te de­si­di­o­sa no cum­pri­men­to dos de­ve­res do car­go; o pro­fe­ri­men­to de jul­ga­men­to quan­do de­ve­ria se de­cla­rar le­gal­men­te sus­pei­to na cau­sa, e o es­ta­be­le­ci­men­to de re­la­ções com in­ves­ti­ga­dos.

“A mo­ti­va­ção ini­ci­al aca­bou se so­man­do a ou­tras de­ci­sões de Gil­mar em ações que fo­ram na con­tra­mão da opi­nião pú­bli­ca. Do meio do ano pas­sa­do pa­ra cá, vá­ri­os ou­tros mo­ti­vos se agre­ga­ram à pro­pos­ta ini­ci­al”, dis­se Eli­sa ao Con­gres­so em Fo­co. De acor­do com ela, o mo­vi­men­to vai fa­zer cam­pa­nha pa­ra pres­si­o­nar Eu­ní­cio a dar an­da­men­to à pe­ti­ção, no iní­cio de fe­ve­rei­ro. A ideia é co­me­çar pe­lo re­du­to elei­to­ral do se­na­dor, no Ce­a­rá.

“São eles [os elei­to­res] as pessoas-​chave que po­dem fa­zer a de­vi­da pres­são pa­ra que o se­na­dor acei­te es­se pe­di­do”, res­sal­ta a jor­na­lis­ta. Ela dis­se ain­da que o pra­zo nor­mal pa­ra que o pre­si­den­te do Se­na­do ana­li­se o pe­di­do é de 45 di­as a con­tar da vol­ta dos par­la­men­ta­res do re­ces­so par­la­men­tar. Ou se­ja, o pra­zo de­ve ex­pi­rar em mar­ço. Além de Gil­mar, tam­bém são al­vos de pe­di­do de im­pe­a­ch­ment os mi­nis­tros Di­as Tóf­fo­li e Ri­car­do Lewan­dows­ki.

O Con­gres­so em Fo­co pro­cu­rou o mi­nis­tro pa­ra co­men­tar os pe­di­dos, mas, por meio de sua as­ses­so­ria, Gil­mar in­for­mou que não co­men­ta­ria o as­sun­to.

O ad­vo­ga­do Mau­rí­cio Pe­rei­ra, res­pon­sá­veis pe­la par­te ju­rí­di­ca da pe­ti­ção, adi­an­ta que o gru­po vai tra­ba­lhar pa­ra que a pro­pos­ta não se­ja en­ga­ve­ta­da. “A in­ten­ção ago­ra é pres­si­o­nar pa­ra que não se­ja fei­to co­mo em ou­tros pe­di­dos que Eu­ní­cio ar­qui­vou”, afir­mou.

A pe­ça ela­bo­ra­da pe­lo ad­vo­ga­do re­la­ci­o­na ain­da os re­cen­tes atos po­lê­mi­cos do mi­nis­tro em de­ci­sões pro­fe­ri­das às vés­pe­ras da en­tre­ga do do­cu­men­to, an­tes do re­ces­so do Ju­di­ciá­rio, co­mo as de­ci­sões que li­be­ra­ram Adri­a­na An­cel­mo, mu­lher do ex-​governador do Rio de ja­nei­ro Sér­gio Ca­bral, e a sus­pen­são do inqué­ri­to que tra­mi­ta­va no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) con­tra o go­ver­na­dor do Pa­ra­ná, Be­to Ri­cha (PSDB). A proi­bi­ção das con­du­ções co­er­ci­ti­vas pa­ra in­ter­ro­gar in­ves­ti­ga­dos no país, de­ter­mi­na­da por Gil­mar Men­des, tam­bém foi in­cluí­do en­tre as de­ci­sões apon­ta­das no pe­di­do.

Abaixo-assinado

Em ou­tra ação, tam­bém li­de­ra­da pe­lo Mo­vi­men­to Re­pú­bli­ca de Cu­ri­ti­ba, foi en­tre­gue ao Se­na­do, em dia 21 de de­zem­bro, um abaixo-​assinado vir­tu­al con­ten­do, na oca­sião, mais de 1,7 mi­lhão de apoi­os. O abaixo-​assinado hos­pe­da­do no si­te Chan​ge​.org foi pro­to­co­la­do pe­la pró­pria pla­ta­for­ma. Atu­al­men­te a ini­ci­a­ti­va con­ta com qua­se 2 mi­lhões de as­si­na­tu­ras. A me­ta do cri­a­dor da pe­ti­ção no si­te, o con­sul­tor em ges­tão Jo­sé Luiz Maf­fei, é atin­gir 3 mi­lhões de as­si­na­tu­ras. Maf­fei tam­bém faz par­te do mo­vi­men­to, cri­a­do pa­ra apoi­ar a força-​tarefa da Ope­ra­ção La­va Ja­to e o juiz Sér­gio Mo­ro.

O ad­vo­ga­do Mau­rí­cio Pe­rei­ra ex­pli­ca que o nú­me­ro ele­va­do re­fle­ti­rá o ta­ma­nho da ade­são po­pu­lar à aber­tu­ra do pro­ces­so. “Uma úni­ca pes­soa po­de­ria fa­zer o pe­ti­ci­o­na­men­to em no­me sin­gu­lar, mas a for­ça de mi­lhões sig­ni­fi­ca mai­or vi­si­bi­li­da­de ao re­sul­ta­do”, ex­pli­cou.

Rito

Se o pe­di­do do mo­vi­men­to for acei­to, se­rão con­ta­bi­li­za­das as as­si­na­tu­ras reu­ni­das pe­lo Chan​ge​.org na­que­la da­ta, se­gun­do Mau­rí­cio Pe­rei­ra. No ca­so de pros­se­gui­men­to, o trâ­mi­te do pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment de um mi­nis­tro do Su­pre­mo é pa­re­ci­do com o do im­pe­di­men­to de um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. A prin­ci­pal di­fe­ren­ça é que, nes­se ca­so, de­pen­de ape­nas do jul­ga­men­to dos se­na­do­res. No ca­so do che­fe do Exe­cu­ti­vo, a aber­tu­ra do pro­ces­so se dá por de­ci­são da Câ­ma­ra, co­mo ocor­reu nos ca­sos de Dil­ma Rous­seff e Fer­nan­do Col­lor de Mel­lo.

No ca­so de um mi­nis­tro do Su­pre­mo, uma co­mis­são de­ve ser cri­a­da ex­clu­si­va­men­te pa­ra ana­li­sar o ca­so. Se pas­sar pe­lo co­le­gi­a­do, o pro­ces­so se­gue pa­ra o ple­ná­rio, on­de se­rá jul­ga­do pe­los pró­pri­os se­na­do­res, vá­ri­os de­les com ações pe­nais e inqué­ri­tos em an­da­men­to no STF.

Con­for­me a Lei 1079/​50, são cri­mes de res­pon­sa­bi­li­da­de dos mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral: al­te­rar, por qual­quer for­ma, ex­ce­to por via de re­cur­so, a de­ci­são ou vo­to já pro­fe­ri­do em ses­são do Tri­bu­nal; pro­fe­rir jul­ga­men­to, quan­do, por lei, se­ja sus­pei­to na cau­sa; exer­cer ati­vi­da­de político-​partidária; ser pa­ten­te­men­te de­si­di­o­so no cum­pri­men­to dos de­ve­res do car­go; ou pro­ce­der de mo­do in­com­pa­tí­vel com a hon­ra dig­ni­da­de e de­co­ro de su­as fun­ções.

Pa­ra que o im­pe­di­men­to se­ja apro­va­do, é ne­ces­sá­rio o apoio de, ao me­nos, dois ter­ços dos se­na­do­res (54, dos 81). É pos­sí­vel tam­bém que ele se­ja im­pe­di­do de as­su­mir qual­quer fun­ção ou car­go pú­bli­co por até cin­co anos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,