Ape­sar da con­fir­ma­ção da con­de­na­ção do ex-​presidente Lu­la em se­gun­da ins­tân­cia no Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4), por 3 vo­tos a 0 nes­sa quarta-​feira (24), os elei­to­res do já anun­ci­a­do pré-​candidato à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca pe­lo Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res (PT) de­vem man­ter as su­as pre­fe­rên­ci­as. Ao me­nos no pri­mei­ro mo­men­to. Na ava­li­a­ção de re­pre­sen­tan­tes de ins­ti­tu­tos de pes­qui­sas elei­to­rais, a con­de­na­ção do pe­tis­ta não de­ve­rá sur­tir, em um pri­mei­ro mo­men­to, gran­de im­pac­to nos seus ín­di­ces de in­ten­ção de vo­tos.

Ri­car­do Stuckert/​Intituto Lu­la


Lula foi condenado em segunda instância pelo TRF-4. Sua condenação em segunda instância pode torná-lo inelegível. Mas o cenário é de muitas incertezas

Pa­ra o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Da­ta Po­pu­lar, Re­na­to Mei­rel­les, o im­pe­di­men­to da can­di­da­tu­ra de Lu­la pe­la Lei da Fi­cha Lim­pa e sua even­tu­al pri­são po­dem cri­ar um ce­ná­rio de “co­mo­ção”, e até mes­mo um sen­ti­men­to de “in­jus­ti­ça”, em par­te da opi­nião pú­bli­ca e do elei­to­ra­do. Com o ce­ná­rio pós-​condenação do pe­tis­ta, no­vas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to pa­ra as elei­ções de ou­tu­bro de­ve­rão ser di­vul­ga­das nos pró­xi­mos di­as.

“Uma si­tu­a­ção ex­tre­ma de even­tu­al pri­são do ex-​presidente Lu­la le­va a uma co­mo­ção do elei­to­ra­do sim­ples. Ima­gi­na que, pa­ra par­te con­fi­gu­rá­vel do elei­to­ra­do, aque­le apar­ta­men­to e as ou­tras coi­sas são qua­se na­da com­pa­ra­das às ou­tras de­nún­ci­as de cor­rup­ção que exis­ti­ram, den­tro do pró­prio PT, in­clu­si­ve”, ava­li­ou.

Por sua vez, o di­re­tor do Ins­ti­tu­to Pa­ra­ná Pes­qui­sas, Mu­ri­lo Hi­dal­go, lem­brou que a mai­or par­te dos elei­to­res do ex-​presidente já tem co­nhe­ci­men­to das acu­sa­ções que tra­mi­tam con­tra o pe­tis­ta na Jus­ti­ça. Ou se­ja, não exis­te fa­to no­vo. “Ele [Lu­la] po­de su­bir ou cair den­tro da mar­gem de er­ro. Em nos­sa úl­ti­ma pes­qui­sa, cer­ca de 90% dos en­tre­vis­ta­dos já sa­bi­am das de­nún­ci­as. O elei­tor já es­tá vo­tan­do ne­le com to­das as con­de­na­ções e com to­das as de­nún­ci­as. No pri­mei­ro mo­men­to, não de­ve ha­ver mu­dan­ça. Não é um fa­to que es­ta­va sob si­gi­lo de Jus­ti­ça e se tor­nou pú­bli­co pa­ra o po­vo bra­si­lei­ro”, ana­li­sou.

Ape­sar de jul­gar pou­co pro­vá­vel, Hi­dal­go tam­bém pon­de­rou que al­guns elei­to­res po­dem aca­bar de­cla­ran­do o vo­to em Lu­la por pe­na. “Tem pou­ca pro­ba­bi­li­da­de, mas as pes­so­as po­dem fi­car com pe­na de­le, e ele po­de até cres­cer um pou­qui­nho nas pró­xi­mas pes­qui­sas”, dis­se. Ele acre­di­ta que a in­cer­te­za so­bre a pos­si­bi­li­da­de re­al do ex-​presidente con­cor­rer às elei­ções e as­su­mir o car­go po­de ge­rar in­se­gu­ran­ça em par­te do seu elei­to­ra­do, que po­de­rá co­me­çar a pen­sar em uma se­gun­da op­ção nos pró­xi­mos me­ses. “Ele po­de co­me­çar a per­der [vo­tos] da­qui a uns 30 ou 40 di­as, por­que o elei­tor de­le co­me­ça a acre­di­tar que ele não vai ser can­di­da­to. Es­se pas­sa­rá a ser o seu mai­or pro­ble­ma”, jus­ti­fi­cou.

O re­sul­ta­do ad­ver­so de 3 a 0, com a de­ci­são tam­bém unâ­ni­me de au­men­tar a pe­na de pri­são de 9 pa­ra 12 anos de pri­são, jo­gou um bal­de de água fria nas pre­ten­sões da de­fe­sa do ex-​presidente de pro­te­lar a de­ci­são fi­nal e até mes­mo pe­dir um no­vo jul­ga­men­to por meio dos cha­ma­dos em­bar­gos in­frin­gen­tes.

Co­mo não te­ve ne­nhum vo­to fa­vo­rá­vel e nin­guém que di­ver­gis­se da pe­na im­pos­ta, Lu­la só po­de­rá ques­ti­o­nar as­pec­tos for­mais da sen­ten­ça, sem pos­si­bi­li­da­de de re­vi­são do mé­ri­to. Nes­se ce­ná­rio, além de fi­car mais dis­tan­te das ur­nas, por cau­sa da Lei da Fi­cha Lim­pa, o pe­tis­ta ain­da cor­re ris­co de ser pre­so an­tes da elei­ção. Por is­so, o jul­ga­men­to de on­tem tor­nou ain­da mais im­pon­de­rá­vel o ce­ná­rio po­lí­ti­co elei­to­ral. Lu­la se­rá can­di­da­to? Quem ga­nha com uma even­tu­al saí­da de­le da dis­pu­ta?

Cenário de incertezas

O pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Da­ta Po­pu­lar co­gi­tou ain­da que um ce­ná­rio po­lí­ti­co sem o lí­der pe­tis­ta po­de le­var a uma pul­ve­ri­za­ção na dis­pu­ta elei­to­ral. “O ex-​presidente Lu­la, de al­gu­ma for­ma, or­ga­ni­za o ou­tro cam­po da po­lí­ti­ca. Sem o ex-​presidente Lu­la, nós te­mos um ce­ná­rio mui­to mais pul­ve­ri­za­do e, pro­va­vel­men­te, te­re­mos dois can­di­da­tos com cer­ca de 25% dos vo­tos in­do pa­ra o se­gun­do tur­no”, afir­mou.

“O im­pro­vá­vel ga­nha com a con­de­na­ção do Lu­la. O Lu­la de al­gu­ma for­ma or­ga­ni­za um de­ter­mi­na­do pen­sa­men­to so­ci­al. Sem o Lu­la, is­so fi­ca mais de­sor­ga­ni­za­do e, por­tan­to, tu­do po­de acon­te­cer”, res­sal­tou Re­na­to Mei­rel­les.

Pa­ra o pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Pa­ra­ná Pes­qui­sas, os pe­tis­tas irão in­sis­tir em Lu­la co­mo can­di­da­to até o fi­nal, já que o par­ti­do não pos­sui ou­tro no­me for­te igual ao do ex-​presidente. “Quan­to mais ele es­ti­car a cor­da que vai ser can­di­da­to, me­lhor vai ser, do pon­to de vis­ta elei­to­ral, pa­ra o PT”, cons­ta­tou Mu­ri­lo Hi­dal­go.

“Injustiça”

Lí­der da opo­si­ção na Câ­ma­ra, o de­pu­ta­do fe­de­ral Jo­sé Gui­ma­rães (PT-​CE) afir­mou que a de­ci­são unâ­ni­me dos de­sem­bar­ga­do­res do TRF-​4, que au­men­ta­ram a pe­na de Lu­la pa­ra 12 anos e 1 mês de pri­são, pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro no ca­so do tri­plex no Gua­ru­já (SP), não ti­ra os vo­tos do pré-​candidato pe­tis­ta.

“Não te­rá im­pac­to. Lu­la não per­de vo­tos. As­sim co­mo no gol­pe, es­ta­mos ven­cen­do a nar­ra­ti­va. Es­sa de­ci­são é uma in­jus­ti­ça con­tra o Lu­la. Do jei­to que es­tão as coi­sas, eles cri­a­ram uma si­tu­a­ção mui­to gra­ve, do pon­to de vis­ta da de­mo­cra­cia”, dis­se ao Con­gres­so em Fo­co.

Pa­ra o par­la­men­tar, nin­guém ga­nha com a saí­da de Lu­la da dis­pu­ta pe­la Pre­si­dên­cia. Pe­lo con­trá­rio – quem per­de são os ali­a­dos do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer. “Es­sa per­se­gui­ção ao Lu­la vai ge­rar pro­tes­tos, o que é mais um des­gas­te pa­ra o go­ver­no Te­mer. Mes­mo os que não vo­tam no Lu­la acham que ele de­ve ser can­di­da­to”, acres­cen­tou.

‘Candidatura é ficção’

Já o se­na­dor Ro­nal­do Cai­a­do (DEM-​GO) de­cla­rou que a ba­se de sus­ten­ta­ção do ex-​presidente Lu­la fi­ca de­si­dra­ta­da com a sua con­de­na­ção.

“Ele se tor­nou um ci­da­dão ine­le­gí­vel. Nin­guém vai se co­lo­car con­tra uma de­ci­são le­gal. A can­di­da­tu­ra de­le é uma fic­ção. Não tem ne­nhu­ma ba­se le­gal e não so­bre­vi­ve a qual­quer ques­ti­o­na­men­to da Jus­ti­ça. O jul­ga­men­to já foi fei­to. A Lei da Fi­cha Lim­pa foi san­ci­o­na­da, apro­va­da, en­tão es­sa re­gra vai pre­va­le­cer”, opi­nou. “Não exis­te mais es­sa te­se de Lu­la can­di­da­to. Is­so já não pro­ce­de, já não tem fun­da­men­to”.

O lí­der do DEM no Se­na­do re­ba­teu ain­da as de­cla­ra­ções de Jo­sé Gui­ma­rães. Pa­ra Cai­a­do, quem ga­nha com a con­de­na­ção de Lu­la são a de­mo­cra­cia e a de­cên­cia na vi­da pú­bli­ca.

“A re­a­li­da­de é que os bra­si­lei­ros já en­ten­dem mui­to bem que a lei exis­te pa­ra to­dos. Ele [Lu­la] es­tá sen­do jul­ga­do pe­los cri­mes pra­ti­ca­dos, que es­tão nos au­tos do pro­ces­so. Não ca­be a nós ago­ra, a to­da de­ci­são da Jus­ti­ça, cri­ar um cli­ma co­mo se aqui­lo fos­se um jul­ga­men­to po­lí­ti­co. Não, é um jul­ga­men­to cri­mi­nal. Nes­te mo­men­to, a de­mo­cra­cia ga­nha, a de­cên­cia na vi­da pú­bli­ca ga­nha. E a cor­rup­ção, a mal­ver­sa­ção do di­nhei­ro pú­bli­co e o en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to pas­sam a per­der, por­que a Jus­ti­ça res­ga­ta a sua cre­di­bi­li­da­de con­de­nan­do o ex-​presidente da Re­pú­bli­ca, coi­sa que nin­guém ima­gi­na­va que pu­des­se acon­te­cer na his­tó­ria do país”, com­ple­tou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,