O juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, da 13ª Va­ra Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba, man­dou can­ce­lar a pe­nho­ra do tri­plex lo­ca­li­za­do em Gua­ru­já (SP), pivô do pro­ces­so no qual o ex-​presidente Lu­la (PT) foi con­de­na­do em se­gun­da ins­tân­cia, e de­ter­mi­nou a ven­da, em lei­lão pú­bli­co, do imó­vel lo­ca­li­za­do no li­to­ral pau­lis­ta. A de­ci­são foi to­ma­da após o imó­vel ter si­do pe­nho­ra­do em de­zem­bro, pe­lo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça do Dis­tri­to Fe­de­ral e Ter­ri­tó­ri­os (TJDFT), pa­ra o pa­ga­men­to de uma dí­vi­da da cons­tru­to­ra OAS.

Agên­cia Bra­sil


O juiz Sérgio Moro excluiu do processo as provas obtidas em quebra de sigilo do blogueiro

Na de­ci­são anun­ci­a­da por Mo­ro na noi­te de on­tem (segunda-​feira, 29), o juiz ar­gu­men­ta que “o imó­vel foi inad­ver­ti­da­men­te pe­nho­ra­do, pois o que é pro­du­to de cri­me es­tá su­jei­to a se­ques­tro e con­fis­co e não à pe­nho­ra por cre­dor cí­vel ou a con­cur­so de cre­do­res”. O ma­gis­tra­do de­ter­mi­na que os va­lo­res a se­rem ob­ti­dos com o lei­lão do tri­plex se­jam re­ver­ti­dos à Pe­tro­bras.

“Atu­al­men­te [o tri­plex] não per­ten­ce à OAS Em­pre­en­di­men­tos nem ao ex-​Presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va. O imó­vel es­tá sub­me­ti­do à cons­tri­ção da Jus­ti­ça e se­rá ali­e­na­do pa­ra que o pro­du­to re­ver­ta em be­ne­fí­cio da ví­ti­ma, a Pe­tro­brás”, dis­se o juiz.

O imó­vel se­rá ven­di­do em lei­lão pú­bli­co e o pro­du­to da ven­da se­rá de­po­si­ta­do em con­ta ju­di­ci­al, com os va­lo­res sen­do des­ti­na­dos, após o trân­si­to em jul­ga­do, à vi­ti­ma no ca­so de con­fir­ma­ção do con­fis­co ou de­vol­vi­dos à OAS Em­pre­en­di­men­tos ou ao ex-​presidente no ca­so de não ser con­fir­ma­do o con­fis­co.

De acor­do com Mo­ro, a ven­da do apar­ta­men­to de­ve ser an­te­ci­pa­da em ra­zão da au­sên­cia do pa­ga­men­to de IPTU do imó­vel, que não é re­co­lhi­do des­de 2014. “A omis­são do re­co­lhi­men­to do IPTU pe­la OAS Em­pre­en­di­men­tos, pro­pri­e­tá­ria for­mal, ou pe­lo ex-​Presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, pro­pri­e­tá­rio de fa­to, co­lo­ca o imó­vel em ris­co, com a pos­si­bi­li­da­de de es­va­zi­a­men­to dos di­rei­tos de con­fis­co da ví­ti­ma, no ca­so uma em­pre­sa es­ta­tal e por con­se­guin­te com pre­juí­zo aos pró­pri­os co­fres pú­bli­cos”, dis­se Mo­ro na de­ci­são.

Com in­for­ma­ções da Agên­cia Bra­sil.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,