O ex-​presidente Lu­la so­freu mais uma der­ro­ta na cor­ri­da con­tra sua con­de­na­ção. Nes­ta terça-​feira (30), o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) ne­gou um pe­di­do de ha­be­as cor­pus pro­to­co­la­do pe­la de­fe­sa do pe­tis­ta, no qual vi­sa­va afas­tar a pos­si­bi­li­da­de de cum­pri­men­to da pe­na an­tes que to­dos os re­cur­sos fos­sem es­go­ta­dos nas ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res (STJ e Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral).

Val­ter Campanato/​Agência Bra­sil


O ex-presidente Lula foi condenado pelo TRF-4, Corte de segunda instância, na última quarta-feira (24)

O mi­nis­tro Hum­ber­to Mar­tins, vice-​presidente da Cor­te, no exer­cí­cio da pre­si­dên­cia du­ran­te o re­ces­so do Ju­di­ciá­rio, in­de­fe­riu a li­mi­nar e jus­ti­fi­cou que não há plau­si­bi­li­da­de do di­rei­to in­vo­ca­do pe­la de­fe­sa de Lu­la, pois a pos­si­bi­li­da­de de exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na en­con­tra am­pa­ro na ju­ris­pru­dên­cia das Cor­tes su­pe­ri­o­res.

O ma­gis­tra­do des­ta­cou que, em re­cen­tes de­ci­sões, já vem ado­tan­do o en­ten­di­men­to de que é pos­sí­vel a exe­cu­ção pro­vi­só­ria de acór­dão pe­nal con­de­na­tó­rio pro­fe­ri­do em se­gun­do grau, “mes­mo que su­jei­to a re­cur­so es­pe­ci­al ou ex­tra­or­di­ná­rio, não ha­ven­do falar-​se em vi­o­la­ção do prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da pre­sun­ção de ino­cên­cia”, co­mo ale­ga­va a de­fe­sa de Lu­la. O mé­ri­to do ha­be­as cor­pus se­rá jul­ga­do pe­la Quin­ta Tur­ma, sob a re­la­to­ria do mi­nis­tro Fe­lix Fis­cher.

O pe­di­do foi pro­to­co­la­do ain­da ho­je (terça-​feira, 30) pe­lo ad­vo­ga­do Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, que pre­ten­dia evi­tar a exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na im­pos­ta pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF4), de 12 anos e 1 mês de pri­são em re­gi­me fe­cha­do, após a aná­li­se do úl­ti­mo re­cur­so a que Lu­la tem di­rei­to na Cor­te de se­gun­da ins­tân­cia.

O vice-​presidente do STJ afir­mou que o fun­da­do re­ceio de “ile­gal cons­tran­gi­men­to” e a pos­si­bi­li­da­de de ime­di­a­ta pri­são não pa­re­cem pre­sen­tes no ca­so de Lu­la. Em sua de­ci­são, o mi­nis­tro en­ten­deu que a de­ci­são do TRF-​4 ga­ran­tiu que Lu­la não se­rá pre­so an­tes da apre­ci­a­ção do úl­ti­mo re­cur­so, e, nes­te ca­so, não há ur­gên­cia que jus­ti­fi­que a con­ces­são da me­di­da cau­te­lar.

Condenação

Lu­la foi con­de­na­do a 12 anos e um mês de pri­são, em re­gi­me fe­cha­do, pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro. No TRF4, ain­da es­tá pen­den­te a apre­ci­a­ção dos em­bar­gos de de­cla­ra­ção pro­to­co­la­dos pe­la de­fe­sa, re­cur­so que vi­sa com­ba­ter omis­são, obs­cu­ri­da­de, con­tra­di­ção ou omis­são no acór­dão. Após es­se jul­ga­men­to, po­de­rá ser de­ter­mi­na­da a exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na im­pos­ta.

Pa­ra a de­fe­sa, en­tre­tan­to, a exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na em de­cor­rên­cia do acór­dão con­de­na­tó­rio do TRF4 se­ria in­cons­ti­tu­ci­o­nal e uma afron­ta aos di­rei­tos fun­da­men­tais do ex-​presidente, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção à dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, pre­sun­ção de ino­cên­cia e am­pla de­fe­sa.

O ad­vo­ga­do ale­gou ain­da que, no ca­so do ex-​presidente, es­sa pos­si­bi­li­da­de de­ve­ria ser afas­ta­da, ga­ran­ti­do o di­re­to de Lu­la re­cor­rer em li­ber­da­de em ra­zão de ele ter res­pon­di­do à ação pe­nal em li­ber­da­de, co­la­bo­ra­do com a Jus­ti­ça sem­pre que de­man­da­do; ser pri­má­rio e de bons an­te­ce­den­tes; ter si­do con­de­na­do pe­la prá­ti­ca de cri­mes não vi­o­len­tos; ser ido­so; ter si­do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca; ser pré-​candidato à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,