Em ma­ni­fes­ta­ção en­ca­mi­nha­da ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) nes­ta quarta-​feira (31), a de­pu­ta­da Cris­ti­a­ne Bra­sil (PTB-​RJ) pe­de que a Cor­te va­li­de sua pos­se co­mo mi­nis­tra do Tra­ba­lho, au­to­ri­za­da pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal de Jus­ti­ça e sus­pen­sa em de­ci­são li­mi­nar do STF. Os ad­vo­ga­dos da de­pu­ta­da, in­di­ca­da à pas­ta e no­me­a­da no iní­cio de ja­nei­ro, afir­mam que não há na­da que, le­gal­men­te, im­pe­ça a pos­se da de­pu­ta­da.


Deputada foi nomeada há quase um mês, mas ainda não conseguiu assumir. Ações populares apontam violação do princípio da moralidade na nomeação de deputada condenada na justiça trabalhista

Os ad­vo­ga­dos da de­pu­ta­da ale­gam que a de­ci­são do mi­nis­tro Hum­ber­to Mar­tins, do STJ, é “ir­re­pre­en­sí­vel e in­cen­su­rá­vel”. Cris­ti­a­ne te­ve a pos­se sus­pen­sa em 22 de ja­nei­ro, em de­ci­são li­mi­nar da pre­si­den­te do STF, mi­nis­tra Cár­men Lú­cia. Na pe­ti­ção, a de­fe­sa da par­la­men­tar diz que a no­me­a­ção não afron­tou o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da mo­ra­li­da­de e por is­so a de­ci­são do STJ que li­be­ra­va a pos­se de­ve ser cum­pri­da.

Uma ação po­pu­lar ajui­za­da por três ad­vo­ga­dos do Mo­vi­men­to dos Ad­vo­ga­dos Tra­ba­lhis­tas In­de­pen­den­tes (Ma­ti) pe­dia que Cris­ti­a­ne fos­se im­pe­di­da de as­su­mir a pas­ta, uma vez que sua no­me­a­ção aten­ta ao prin­cí­pio da mo­ra­li­da­de. Cris­ti­a­ne foi pro­ces­sa­da na Jus­ti­ça do tra­ba­lho du­as ve­zes, por dois ex-​motoristas. Ela foi con­de­na­da em uma das ações e fir­mou acor­do pa­ra pa­gar R$ 14mil e di­rei­tos tra­ba­lhis­tas a ou­tro. Os ad­vo­ga­dos en­ten­dem que Cris­ti­a­ne, “ao ter ajui­za­da con­tra si uma re­cla­ma­ção tra­ba­lhis­ta e re­sis­tir à pre­ten­são do au­tor, es­tá exer­cen­do o seu le­gí­ti­mo di­rei­to de ação e do de­vi­do pro­ces­so le­gal”.

Novela

A no­me­a­ção da de­pu­ta­da foi anun­ci­a­da em 3 de ja­nei­ro, pe­lo pre­si­den­te do PTB, Ro­ber­to Jef­fer­son (RJ), pai da de­pu­ta­da e in­flu­en­te lí­der do par­ti­do no Con­gres­so, con­si­de­ra­do im­por­tan­te pa­ra apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. No dia 8, após a re­ve­la­ção da con­de­na­ção tra­ba­lhis­ta da de­pu­ta­da, que mo­ti­vou uma ação po­pu­lar pa­ra impedi-​la de as­su­mir, a pos­se da mi­nis­tra no­me­a­da foi bar­ra­da pe­la pri­mei­ra vez.

A Advocacia-​Geral da União (AGU) en­trou com re­cur­so pa­ra li­be­rar a pos­se, mar­ca­da pa­ra o dia se­guin­te, mas pou­co an­tes do iní­cio da ce­rimô­nia, o re­cur­so foi ne­ga­do e a so­le­ni­da­de foi sus­pen­sa às pres­sas. Des­de en­tão, o go­ver­no e a de­fe­sa da de­pu­ta­da ten­tam li­be­rar a pos­se.

O STJ foi o res­pon­sá­vel pe­la de­ci­são que li­be­rou a pos­se da mi­nis­tra, no dia 19 de ja­nei­ro, uma sexta-​feira. A pos­se foi mar­ca­da pa­ra a segunda-​feira se­guin­te, mas a mi­nis­tra Cár­men Lú­cia de­ci­diu, nas pri­mei­ras ho­ras do dia 22, sus­pen­der a pos­se no­va­men­te.

Cris­ti­a­ne Bra­sil foi con­de­na­da, em 2016, a pa­gar R$ 60,4 mil em dí­vi­das tra­ba­lhis­tas a um mo­to­ris­ta que pres­tou ser­vi­ços ela e sua fa­mí­lia en­tre 2012 e 2014. A de­ci­são do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal do Tra­ba­lho da 1ª Re­gião (TRT-​1) já foi con­fir­ma­da em se­gun­da ins­tân­cia no ano pas­sa­do, res­tan­do à de­pu­ta­da re­cur­so ape­nas quan­to ao va­lor da in­de­ni­za­ção.

De acor­do com a ação, o mo­to­ris­ta Fer­nan­do Fer­nan­des tra­ba­lha­va cer­ca de 15 ho­ras por dia e não ti­nha car­tei­ra as­si­na­da. Na ver­são da no­va mi­nis­tra, o mo­to­ris­ta exer­cia tra­ba­lho even­tu­al e nun­ca foi seu em­pre­ga­do. Par­te dos R$ 60 mil já te­ria si­do aba­ti­da com pe­nho­ras, res­tan­do li­qui­dar R$ 52 mil.

Em de­poi­men­to du­ran­te o pro­ces­so, Fer­nan­do dis­se que ga­nha­va R$ 1 mil em di­nhei­ro e mais R$ 3 mil de­po­si­ta­dos em con­ta pa­ra pres­tar ser­vi­ços das 6h30 às 22h, le­van­do Cris­ti­a­ne, os fi­lhos e em­pre­ga­das da de­pu­ta­da a com­pro­mis­sos e às com­pras.

Ou­tro pro­ces­so con­tra a no­va mi­nis­tra foi aber­to em 2017, por ou­tro mo­to­ris­ta, mas não pros­se­guiu após as par­tes acei­ta­rem uma con­ci­li­a­ção. Ela se com­pro­me­teu a pa­gar ao re­cla­man­te R$ 14 mil em dez par­ce­las a as­si­nar a car­tei­ra de tra­ba­lho.

De acor­do com re­por­ta­gem de O Glo­bo, os R$ 1,4 mil pa­gos men­sal­men­te ao ex-​motorista da mi­nis­tra no­me­a­da sa­em da con­ta de Ve­ra Lú­cia Gor­gu­lho Cha­ves de Aze­ve­do, lo­ta­da no ga­bi­ne­te de Cris­ti­a­ne na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. O ex-​funcionário tra­ba­lhou pa­ra ela e sua fa­mí­lia en­tre 2014 e 2015.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,