O juiz Sér­gio Mo­ro, da Ope­ra­ção La­va Ja­to, re­ce­be auxílio-​moradia de R$ 4.378 mes­mo mo­ran­do em imó­vel pró­prio, lo­ca­li­za­do a 3 km de seu tra­ba­lho, em Cu­ri­ti­ba. O re­ce­bi­men­to do be­ne­fí­cio não é ile­gal. Es­tá am­pa­ra­do em li­mi­nar de se­tem­bro de 2014 do mi­nis­tro Luiz Fux, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que ga­ran­tiu a to­dos os ma­gis­tra­dos, in­clu­si­ve os que têm ca­sa ou apar­ta­men­to na ci­da­de on­de tra­ba­lham. As in­for­ma­ções são da Fo­lha de S.Paulo.

EBC


Juiz da Lava Jato faz uso de benefício garantido por liminar do STF

Mas nem to­dos os juí­zes fa­zem uso do be­ne­fí­cio co­mo com­ple­men­to sa­la­ri­al, a exem­plo de Mo­ro. Pe­lo me­nos 15% dos ma­gis­tra­dos da 4ª Re­gião, que com­pre­en­de Rio Gran­de do Sul, San­ta Ca­ta­ri­na e Pa­ra­ná, abri­ram mão do auxílio-​moradia. Des­de a li­mi­nar de Fux, os in­te­gran­tes da 4ª Re­gião já re­ce­be­ram R$ 71,3 mi­lhões des­sa ver­ba. A de­ci­são pro­vi­só­ria do mi­nis­tro se­rá jul­ga­da pe­lo ple­ná­rio do Su­pre­mo pro­va­vel­men­te em mar­ço, se­gun­do a pre­si­den­te do Su­pre­mo, Cár­men Lú­cia.

O be­ne­fí­cio não con­ta pa­ra o te­to cons­ti­tu­ci­o­nal dos ven­ci­men­tos do se­tor pú­bli­co, ho­je em R$ 33.763. Atu­al­men­te 26 mi­nis­tros de tri­bu­nais su­pe­ri­o­res em Bra­sí­lia re­ce­bem o auxílio-​moradia mes­mo ten­do imó­vel pró­prio na ca­pi­tal, se­gun­do a Fo­lha.

Com salário-​base de R$ 28.948, a re­mu­ne­ra­ção bru­ta de Mo­ro che­ga a R$ 34.210, se so­ma­dos os be­ne­fí­ci­os —aci­ma do te­to cons­ti­tu­ci­o­nal. Em de­zem­bro de 2017, Mo­ro ga­nhou gra­ti­fi­ca­ções no to­tal de R$ 6.838, ele­van­do o sa­lá­rio pa­ra R$ 41.047.

Res­pon­sá­vel pe­la La­va Ja­to no Rio, o juiz Mar­ce­lo Bre­tas e sua es­po­sa, tam­bém juí­za, re­cor­re­ram à Jus­ti­ça pa­ra que o ca­sal acu­mu­las­se os dois be­ne­fí­ci­os, prá­ti­ca ve­ta­da pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ).

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,