Sem pre­vi­são de que o go­ver­no con­se­gui­rá os vo­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra apro­var a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), pre­ten­de en­ga­ve­tar o pro­je­to e trans­fe­rir o ônus da der­ro­ta pa­ra o Pa­lá­cio do Pla­nal­to, in­for­ma a Fo­lha de S.Paulo.

Fá­bio Ro­dri­gues Pozzebom/​Agência Bra­sil


Maia se irritou, segundo jornal, com declaração do presidente Michel Temer de que já fez sua parte para votar a reforma

Se­gun­do o jor­nal pau­lis­ta, Maia não de­ve agen­dar no­va da­ta pa­ra a apre­ci­a­ção da pro­pos­ta ca­so não ha­ja apoio de 308 dos 513 de­pu­ta­dos pa­ra aprová-​la em 20 de fe­ve­rei­ro, pa­ra quan­do es­tá pre­vis­ta a vo­ta­ção em ple­ná­rio.

De acor­do com a re­por­ta­gem, o pre­si­den­te da Câ­ma­ra se ir­ri­tou com as de­cla­ra­ções do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer so­bre “ter fei­to sua par­te” pa­ra que a re­for­ma avan­ças­se no Con­gres­so e pre­pa­ra um dis­cur­so du­ro con­tra o Pla­nal­to ca­so não ha­ja vo­tos su­fi­ci­en­tes pa­ra apro­var a re­for­ma. A ideia de­le é dei­xar a vo­ta­ção pa­ra o pró­xi­mo pre­si­den­te, em 2019.

O lí­der do MDB no Se­na­do, Rai­mun­do Li­ra (PB), tam­bém de­fen­deu, em en­tre­vis­ta ao Con­gres­so em Fo­co, que a vo­ta­ção se­ja con­du­zi­da por um pre­si­den­te elei­to.

Nas con­ver­sas com ali­a­dos, res­sal­ta a Fo­lha, Maia tem isen­ta­do os de­pu­ta­dos de res­pon­sa­bi­li­da­de e cul­pa­do o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer por ter gas­ta­do seu ca­pi­tal po­lí­ti­co pa­ra en­ga­ve­tar as du­as de­nún­ci­as cri­mi­nais no ple­ná­rio ano pas­sa­do.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,