Em no­ta di­vul­ga­da nes­ta segunda-​feira (5), a de­pu­ta­da Cris­ti­a­ne Bra­sil (PTB-​RJ) diz ser “fi­cha lim­pa” e ví­ti­ma de uma “cam­pa­nha di­fa­ma­tó­ria” que tem co­mo ob­je­ti­vo, se­gun­do ela, impedi-​la de to­mar pos­se no Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho. No tex­to (ve­ja a ín­te­gra no fim do tex­to), Cris­ti­a­ne pe­de à pre­si­den­te do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), Cár­men Lú­cia, que jul­gue o mais rá­pi­do pos­sí­vel a ação que con­tes­ta sua no­me­a­ção pa­ra a pas­ta.

Agên­cia Câ­ma­ra


A parlamentar foi impedida pela Justiça de assumir o Ministério do Trabalho

“Es­tou sen­do jul­ga­da po­lí­ti­ca e não ju­ri­di­ca­men­te. Te­nho a fi­cha lim­pa. Mas, in­fe­liz­men­te, o meu jul­ga­men­to su­pe­rou es­sa es­fe­ra. Pre­ci­so que o STF de­ci­da es­sa ques­tão, pa­ra que eu pos­sa se­guir mi­nha vi­da po­lí­ti­ca.”

No co­mu­ni­ca­do, a pe­te­bis­ta vol­tou a ale­gar ino­cên­cia na con­de­na­ção tra­ba­lhis­ta que so­freu por cau­sa da con­tra­ta­ção ir­re­gu­lar de um mo­to­ris­ta. Mas não fez qual­quer re­fe­rên­cia às no­vas de­nún­ci­as de que pa­gou a tra­fi­can­tes pa­ra que fa­zer cam­pa­nha em co­mu­ni­da­de do­mi­na­da pe­lo trá­fi­co e de que co­a­giu fun­ci­o­ná­ri­os quan­do era se­cre­tá­ria mu­ni­ci­pal a an­ga­ri­a­rem vo­tos pa­ra ela em 2014.

O mi­nis­tro da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Car­los Ma­run, des­car­tou nes­ta se­gun­da a pos­si­bi­li­da­de de o Pa­lá­cio do Pla­nal­to pe­dir no­va in­di­ca­ção ao PTB. “Não exis­te na­da pro­va­do, a de­pu­ta­da não tem ne­nhu­ma con­de­na­ção. Não exis­te na­da que efe­ti­va­men­te de­ni­gra o no­me da de­pu­ta­da nes­se sen­ti­do”, dis­se Ma­run.

O se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) anun­ci­ou que vai en­trar com no­va ação po­pu­lar na Jus­ti­ça Fe­de­ral do Dis­tri­to Fe­de­ral pa­ra ten­tar bar­rar a pos­se de Cris­ti­a­ne. “É um no­vo pe­di­do de sus­pen­são por no­vos mo­ti­vos. Na prá­ti­ca, is­so ser­vi­rá em ca­so de o STF der­ru­bar o atu­al im­pe­di­men­to, va­mos ten­tar mais um se­guin­do o mes­mo ca­mi­nho: pri­mei­ra ins­tân­cia, se­gun­da ins­tân­cia, STJ e Su­pre­mo”, afir­mou, por meio de sua as­ses­so­ria.

Pa­ra o se­na­dor, é inad­mis­sí­vel que uma sus­pei­ta de as­so­ci­a­ção com o trá­fi­co de dro­gas, re­pre­sen­tan­do um es­ta­do de­vas­ta­do pe­la vi­o­lên­cia, en­ca­be­ce um dos mais al­tos car­gos do Exe­cu­ti­vo do país. Na ação, que se­rá ajui­za­da ain­da ho­je, Ran­dol­fe tam­bém des­ta­ca­rá a de­nún­cia de que a de­pu­ta­da co­me­teu abu­so do po­der po­lí­ti­co e econô­mi­co en­quan­to es­ta­va à fren­te da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al do En­ve­lhe­ci­men­to Sau­dá­vel e da Qua­li­da­de de Vi­da, da pre­fei­tu­ra do Rio, ex­tor­quin­do vo­tos dos ser­vi­do­res, co­mo mos­trou a re­por­ta­gem do Fan­tás­ti­co, da Re­de Glo­bo.

Áu­dio di­vul­ga­do pe­lo Fan­tás­ti­co, nes­se do­min­go (4), mos­tra a co­bran­ça fei­ta pe­la de­pu­ta­da, no­me­a­da mi­nis­tra do Tra­ba­lho, em uma reu­nião com cer­ca de 50 pes­so­as fei­ta na pró­pria se­de da se­cre­ta­ria. “Se eu per­der a elei­ção de de­pu­ta­da fe­de­ral… Eu pre­ci­so de se­ten­ta mil vo­tos. Eu fiz qua­se trin­ta (mil vo­tos, em 2012, quan­do foi elei­ta ve­re­a­do­ra no Rio). Ago­ra são se­ten­ta mil. No dia se­guin­te, eu per­co a se­cre­ta­ria (se não for elei­ta de­pu­ta­da). No ou­tro dia, vo­cês per­dem o em­pre­go”, dis­se Cris­ti­a­ne.

Veja a íntegra da nota de Cristiane Brasil:

“Ve­nho so­fren­do uma cam­pa­nha di­fa­ma­tó­ria que bus­ca im­pe­dir mi­nha pos­se no Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho. Pe­ço, res­pei­to­sa­men­te, à mi­nis­tra Cár­men Lú­cia que jul­gue o mais rá­pi­do pos­sí­vel es­sa ques­tão, ba­se­a­da na exis­tên­cia de du­as ações tra­ba­lhis­tas que ti­ve no pas­sa­do. Não de­vo mais na­da à Jus­ti­ça Tra­ba­lhis­ta. Es­tou sen­do jul­ga­da po­lí­ti­ca e não ju­ri­di­ca­men­te. Te­nho a fi­cha lim­pa. Mas, in­fe­liz­men­te, o meu jul­ga­men­to su­pe­rou es­sa es­fe­ra. Pre­ci­so que o STF de­ci­da es­sa ques­tão, pa­ra que eu pos­sa se­guir mi­nha vi­da po­lí­ti­ca. Se­gui­rei não pou­pan­do es­for­ços pa­ra pro­var que não co­me­ti ne­nhu­ma ili­ci­tu­de.

De­pu­ta­da Cris­ti­a­ne Bra­sil (PTB-​RJ)”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,