A procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, en­vi­ou nes­ta quarta-​feira (14) pa­re­cer ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) con­tra o pe­di­do de ha­be­as cor­pus pro­to­co­la­do pe­la de­fe­sa do ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va pa­ra evi­tar a even­tu­al pri­são pre­ven­ti­va de­le após o fim dos re­cur­sos na se­gun­da ins­tân­cia da Jus­ti­ça Fe­de­ral.

Nel­son Jr/​STF


Procuradora argumenta que o habeas corpus não pode ser concedido pelo STF porque o mérito do mesmo pedido ainda não foi julgado pela instância inferior, o Superior Tribunal de Justiça

No pa­re­cer, Ra­quel Dod­ge ar­gu­men­ta que o ha­be­as cor­pus não po­de ser con­ce­di­do pe­lo STF por­que o mé­ri­to do mes­mo pe­di­do ain­da não foi jul­ga­do pe­la ins­tân­cia in­fe­ri­or, o Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ). Além dis­so, a pro­cu­ra­do­ra re­a­fir­ma en­ten­di­men­to fa­vo­rá­vel do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­lo iní­cio da exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na após jul­ga­dos os re­cur­sos em se­gun­da ins­tân­cia.

“Es­tes fun­da­men­tos mos­tram que, ao con­trá­rio do afir­ma­do pe­los im­pe­tran­tes, a exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na de pri­são não é des­pro­por­ci­o­nal nem le­va­rá in­jus­ta­men­te à pri­são réu cu­ja cul­pa ain­da não es­te­ja sa­tis­fa­to­ri­a­men­te de­mons­tra­da. Mui­to ao con­trá­rio. É me­di­da que ob­ser­va a pre­sun­ção de ino­cên­cia, o du­plo grau de ju­ris­di­ção e cor­ri­ge a gra­ve dis­fun­ção que aco­me­tia o sis­te­ma pe­nal do país”, ar­gu­men­tou a procuradora-​geral no pa­re­cer.

Condenação

No dia 24 de ja­nei­ro, o Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4) con­fir­mou a con­de­na­ção de Lu­la na ação pe­nal en­vol­ven­do o trí­plex no Gua­ru­já (SP) e au­men­tou a pe­na do ex-​presidente pa­ra 12 anos e um mês de pri­são. Na de­ci­são, se­guin­do en­ten­di­men­to do STF, os de­sem­bar­ga­do­res en­ten­de­ram que a exe­cu­ção da pe­na do ex-​presidente de­ve ocor­rer após o es­go­ta­men­to dos re­cur­sos pe­la se­gun­da ins­tân­cia da Jus­ti­ça Fe­de­ral. Com o pla­car unâ­ni­me de três vo­tos, ca­bem so­men­te os cha­ma­dos em­bar­gos de de­cla­ra­ção, ti­po de re­cur­so que não tem o po­der de re­for­mar a de­ci­são, e, des­sa for­ma, se os em­bar­gos fo­rem re­jei­ta­dos, Lu­la po­de­ria ser pre­so.

No ha­be­as cor­pus, a de­fe­sa do ex-​presidente dis­cor­da do en­ten­di­men­to do STF que au­to­ri­za a pri­são após os re­cur­sos de se­gun­da ins­tân­cia, por en­ten­der que a ques­tão é in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

“Re­ver es­se po­si­ci­o­na­men­to não ape­que­na nos­sa Su­pre­ma Cor­te – ao con­trá­rio – a en­gran­de­ce, pois, nos mo­men­tos de cri­se, é que de­vem ser for­ta­le­ci­dos os pa­râ­me­tros, os prin­cí­pi­os e os va­lo­res. A dis­cus­são pres­cin­de de no­mes, in­di­ví­du­os, vez que im­por­ta à so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra co­mo um to­do. Espera-​se que es­te Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral, a úl­ti­ma trin­chei­ra dos ci­da­dãos, re­a­fir­me seu pa­pel con­tra ma­jo­ri­tá­rio, o res­pei­to in­con­di­ci­o­nal às ga­ran­ti­as fun­da­men­tais e o com­pro­mis­so com a ques­tão da li­ber­da­de”, ar­gu­men­tam os ad­vo­ga­dos na oca­sião.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,