Úni­co se­na­dor da Re­de, Ran­dol­fe Ro­dri­gues (AP) pro­to­co­lou nes­ta quarta-​feira (14), na Jus­ti­ça Fe­de­ral do Dis­tri­to Fe­de­ral, ação po­pu­lar com pe­di­do de li­mi­nar pa­ra afas­tar das fun­ções o atu­al diretor-​geral da Po­lí­cia Fe­de­ral, Fer­nan­do Se­gó­via. Al­vo de des­con­fi­an­ça des­de que to­mou pos­se em no­vem­bro, por in­di­ca­ção da cú­pu­la do PMDB, Se­go­via vol­tou a cau­sar re­bu­li­ço em en­tre­vis­ta à Agên­cia Reu­ters pu­bli­ca­da na úl­ti­ma sexta-​feira (9), na qual afir­ma que as in­ves­ti­ga­ções so­bre a acu­sa­ção de pro­pi­na do pre­si­den­te Mi­chel Te­mer de­vem ser ar­qui­va­do por fal­ta de pro­vas e au­sên­cia de cri­me, antecipando-​se à con­clu­são de uma apu­ra­ção que ain­da es­tá em cur­so – há a su­ges­tão de que­bra de si­gi­los de Te­mer e ou­tros sus­pei­tos, se­gun­do re­por­ta­gem do jor­nal O Glo­bo re­pli­ca­da por es­te si­te na úl­ti­ma segunda-​feira (12).

Mar­ce­lo Camargo/​Agência Bra­sil


Segovia atua como advogado de Temer na Polícia Federal, diz Randolfe

A in­ves­ti­ga­ção é re­fe­ren­te ao De­cre­to dos Por­tos, um ins­tru­men­to pre­si­den­ci­al que fa­vo­re­ceu em­pre­sas do se­tor. Te­mer e ou­tros in­ves­ti­ga­dos, co­mo o su­plen­te de de­pu­ta­do pe­lo PMDB do Pa­ra­ná e seu ex-​assessor Ro­dri­go Ro­cha Lou­res, são acu­sa­do de fa­vo­re­cer a em­pre­sa Ro­dri­mar no Por­to de San­tos, área de in­fluên­cia do PMDB, em tro­ca do pa­ga­men­to de pro­pi­na. O inqué­ri­to es­tá sob res­pon­sa­bi­li­da­de do mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

O se­na­dor Ran­dol­fe lem­bra que Se­go­via tem se en­con­tra­do com Te­mer fo­ra das res­pec­ti­vas agen­das ofi­ci­ais, es­tra­te­gi­ca­men­te – em uma des­sas reu­niões, o pre­si­den­te es­ta­va a pou­cos di­as de res­pon­der, por es­cri­to, às per­gun­tas for­mu­la­das pe­lo de­le­ga­do Cley­ber Mal­ta Lo­pes, res­pon­sá­vel pe­la in­ves­ti­ga­ção. Na en­tre­vis­ta à Reu­ters, acres­cen­ta o par­la­men­tar, o diretor-​geral co­gi­ta a aber­tu­ra de pro­ces­so con­tra Cley­ber, com di­rei­to a pu­ni­ção, ape­nas de­vi­do ao in­ter­ro­ga­tó­rio en­ca­mi­nha­do a Te­mer. As de­cla­ra­ções de Se­go­via ti­ve­ram re­per­cus­são ime­di­a­ta do mi­nis­tro Bar­ro­so, que in­ti­mou o de­le­ga­do a se ex­pli­car e re­pri­miu no­vas de­cla­ra­ções so­bre ou­tras in­ves­ti­ga­ções.

Pa­ra Ran­dol­fe, o diretor-​geral mos­tra ex­pli­ci­ta­men­te que es­tá a ser­vi­ço de Te­mer e seus ali­a­dos e atua co­mo “ad­vo­ga­do” do pre­si­den­te. “Ao an­te­ci­par juí­zo va­lo­ra­ti­vo so­bre in­ves­ti­ga­ção que se­quer foi fi­na­li­za­da, comportando-​se co­mo ver­da­dei­ro ‘ad­vo­ga­do de de­fe­sa’ do se­nhor pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, che­gan­do ao des­pro­pó­si­to de ten­tar in­ti­mi­dar o de­le­ga­do que pre­si­de o inqué­ri­to em des­fa­vor da­que­la Al­ta Au­to­ri­da­de, ameaçando-​o de pu­ni­ção, o sr. Diretor-​Geral in­ver­te por com­ple­to o que de­le ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te se es­pe­ra: blin­da um in­ves­ti­ga­do ilus­tre de su­as res­pon­sa­bi­li­da­des e as­se­dia um mem­bro da ins­ti­tui­ção que tem por de­ver re­pre­sen­tar e ze­lar pe­las fun­ções”, de­cla­rou o se­na­dor.

Fator Sarney

Apa­dri­nha­do por ca­ci­ques do PMDB, par­ti­cu­lar­men­te pe­lo ex-​presidente Jo­sé Sar­ney (foi su­pe­rin­ten­den­te da PF no Ma­ra­nhão, re­du­to elei­to­ral de Sar­ney), o diretor-​geral é vis­to co­mo al­guém a ser­vi­ço do gru­po de Te­mer pa­ra bar­rar in­ves­ti­ga­ções que o en­vol­vam. Se­go­via tem ne­ga­do a acu­sa­ção e di­to que seu tra­ba­lho de­mons­tra­rá o que fa­la.

No en­tan­to, a exem­plo da en­tre­vis­ta à Reu­ters, o diretor-​geral dá de­cla­ra­ções que vão ao en­con­tro da te­se le­van­ta­da pe­la opo­si­ção – a de que ele é uma das pe­ças da es­tra­té­gia pe­e­me­de­bis­ta pa­ra “es­tan­car a san­gria” de in­ves­ti­ga­ções co­mo a La­va Ja­to. Lo­go em sua pri­mei­ra en­tre­vis­ta co­le­ti­va, ins­tan­tes de­pois de to­mar pos­se, o diretor-​geral dis­se que uma ma­la com R$ 500 mil em di­nhei­ro – en­tre­gue se­cre­ta­men­te a Ro­cha Lou­res de­pois de uma es­pé­cie de ro­tei­ro de­pre­en­di­do de uma con­ver­sa com Te­mer e Jo­es­ley Ba­tis­ta, um dos do­nos da JBS – não é su­fi­ci­en­te co­mo pro­va de cor­rup­ção.

Portos e esquemas

Te­mer é acu­sa­do de ter atu­a­do pa­ra de­fen­der in­te­res­ses de em­pre­sas por­tuá­ri­as por meio da tra­mi­ta­ção da MP dos Por­tos, me­di­da pro­vi­só­ria edi­ta­da em 2013, quan­do o pe­e­me­de­bis­ta ain­da era vice-​presidente da Re­pú­bli­ca. Com no­vas re­gras pa­ra o se­tor por­tuá­rio, a Me­di­da Pro­vi­só­ria 595/​2013, edi­ta­da no go­ver­no da ex-​presidente Dil­ma Rous­seff, foi apro­va­da em 16 de maio de 2013 a cin­co ho­ras de per­der a va­li­da­de, em meio a um ver­da­dei­ro tur­bi­lhão de pro­tes­tos da opo­si­ção da épo­ca, for­ma­da prin­ci­pal­men­te por PSDB e DEM, e dis­pu­ta de bas­ti­do­res. Re­vo­gan­do a Lei dos Por­tos, que es­ta­va em vi­gên­cia des­de 1993, a ma­té­ria li­be­rou os por­tos pri­va­dos pa­ra ope­ra­rem qual­quer ti­po de car­ga, en­tre ou­tras dis­po­si­ções.

As no­vas re­gras con­ce­de­ram à União a prer­ro­ga­ti­va da ges­tão e pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co do se­tor e, pa­ra os es­ta­dos, a prer­ro­ga­ti­va de ad­mi­nis­trar os por­tos. A me­di­da tam­bém per­mi­tiu a mo­vi­men­ta­ção de car­gas de ter­cei­ros nos Ter­mi­nais de Uso Pri­va­do (TUPs) e mu­da os cri­té­ri­os de de­sem­pa­te das fu­tu­ras li­ci­ta­ções. Pa­ra o go­ver­no, a pro­pos­ta da­ria com­pe­ti­ti­vi­da­de ao se­tor.

Já na con­di­ção de pre­si­den­te, com o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma con­cre­ti­za­do em 31 de agos­to de 2016, Te­mer as­si­nou o De­cre­to 9.048/2017, o tal “De­cre­to dos Por­tos”, que pror­ro­gou os con­tra­tos de con­ces­são do se­tor por­tuá­rio. Uma das prin­ci­pais sus­pei­tas é que par­te do ins­tru­men­to le­gal ser­viu pa­ra be­ne­fi­ci­ar a em­pre­sa Ro­dri­mar S/​A, con­ces­si­o­ná­ria do Por­to de San­tos, por meio de ne­go­ci­a­tas ar­ti­cu­la­das por Ro­cha Lou­res, me­di­an­te pa­ga­men­to de pro­pi­na.

O ex-​assessor de Te­mer che­gou a ser pre­so de­pois de fla­gra­do ao cor­rer por uma rua de São Pau­lo car­re­gan­do uma ma­la de di­nhei­ro com R$ 500 em es­pé­cie. Se­gun­do de­la­to­res do gru­po JBS, em­pre­sa cor­rup­to­ra de fi­gu­ras de di­ver­sos par­ti­dos, trata-​se de uma par­ce­la das vá­ri­as ou­tras que se­ri­am re­pas­sa­das a Te­mer e Ro­cha Lou­res co­mo acer­to de ou­tro es­que­ma de cor­rup­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,