O dia 30 de agos­to de 2017 ain­da é uma gran­de es­cu­ri­dão na vi­da da fa­mí­lia de Jo­sé Eu­des Fer­rei­ra da Ro­cha. Na­que­la ma­dru­ga­da, o ope­rá­rio de 51 anos foi en­con­tra­do mor­to pe­los co­le­gas, pre­so por um dos bra­ços e pe­la ca­be­ça em uma má­qui­na su­ga­do­ra uti­li­za­da no pro­ces­so de hi­gi­e­ni­za­ção e fa­bri­ca­ção de sal­si­chas, na uni­da­de da Se­a­ra, em Sa­mam­baia, ci­da­de lo­ca­li­za­da a 25 km de Bra­sí­lia. A pe­rí­cia con­cluiu que Eu­des mor­reu por as­fi­xia e “su­fo­ca­ção in­di­re­ta” de­vi­do à com­pres­são do tó­rax.

Re­pro­du­ção


José Eudes, ladeado pela esposa Sônia e pelo filho de 18 anos, na comemoração do aniversário do caçula, de três anos

Co­mo to­dos os di­as, a di­a­ris­ta Sô­nia Men­des da Sil­va, que vi­veu 18 dos seus 43 anos ao la­do de Eu­des, já es­ta­va de pé às 5 ho­ras da ma­nhã pa­ra aguar­dar o ma­ri­do. Na­que­la ma­nhã, no lu­gar de­le, che­ga­ram dois co­le­gas com a no­tí­cia que mu­da­ria to­da a his­tó­ria da fa­mí­lia. Di­a­ri­a­men­te, Sô­nia es­pe­ra­va o com­pa­nhei­ro pa­ra uma es­pé­cie de tro­ca de tur­no: de­pois de vi­rar a noi­te en­tre má­qui­nas, Eu­des as­su­mia os cui­da­dos com o fi­lho de três anos, en­quan­to ela saía pa­ra fa­zer fa­xi­na e ou­tros ser­vi­ços do­més­ti­cos com os quais com­ple­men­ta­va a ren­da fa­mi­li­ar.

Qua­se seis me­ses de­pois, a fa­mí­lia da pe­ri­fe­ria de Bra­sí­lia ain­da vi­ve à es­pe­ra de uma luz. Ba­ta­lha na Jus­ti­ça tra­ba­lhis­ta con­tra o mai­or pro­du­tor de pro­teí­na ani­mal do mun­do, o gru­po JBS, con­tro­la­dor da Se­a­ra e um dos prin­ci­pais al­vos da Ope­ra­ção La­va Ja­to. Na ação tra­ba­lhis­ta que cor­re em pri­mei­ra ins­tân­cia em Bra­sí­lia, os fa­mi­li­a­res de Eu­des co­bram uma in­de­ni­za­ção por da­nos mo­rais e ma­te­ri­ais. O va­lor rei­vin­di­ca­do é man­ti­do em si­gi­lo pe­las du­as par­tes. Em du­as au­di­ên­ci­as na Jus­ti­ça, o gru­po não fez qual­quer pro­pos­ta aos fa­mi­li­a­res da ví­ti­ma.

Sô­nia re­cla­ma que a fa­mí­lia re­ce­beu da em­pre­sa ape­nas o auxílio-​funeral, uma aju­da de cus­to no va­lor de R$ 10 mil e seis ses­sões em gru­po de psi­co­te­ra­pia. Além da viú­va e do fi­lho pe­que­no, Eu­des dei­xou pai, mãe e ou­tros três fi­lhos (de 29, 24 e 18 anos).

A JBS é con­si­de­ra­da a cam­peã na­ci­o­nal, em nú­me­ros ab­so­lu­tos, em pro­ces­sos tra­ba­lhis­tas en­tre os fri­go­rí­fi­cos. Se­gun­do da­dos do Mi­nis­té­rio da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, o gru­po res­pon­de a 34 mil ações ju­di­ci­ais na área. Des­ses, qua­se 2,7 mil por aci­den­tes de tra­ba­lho no in­ter­va­lo de três anos. Fo­ram re­gis­tra­dos pe­lo me­nos seis ca­sos de mor­te.

Alerta ignorado

Sô­nia lem­bra que o ma­ri­do já ha­via ad­ver­ti­do seus su­pe­ri­o­res de que qua­se ha­via si­do su­ga­do pe­la mes­ma má­qui­na que lhe ti­ra­ria a vi­da. “Ele já ha­via so­fri­do um pe­que­no aci­den­te du­as se­ma­nas an­tes na mes­ma má­qui­na. Ele aler­tou que ela es­ta­va com su­jei­ra, dei­xan­do mui­ta pe­le. Mas não re­sol­ve­ram. Fo­ram ne­gli­gen­tes”, re­cla­ma a di­a­ris­ta. “A em­pre­sa foi su­min­do e ho­je não tem mais con­ta­to com a gen­te”, la­men­ta.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Edu­ar­do Bar­bo­sa, que re­pre­sen­ta a fa­mí­lia na Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, a em­pre­sa é “rein­ci­den­te con­tu­maz” nes­se ti­po de aci­den­te e foi omis­sa com o fun­ci­o­ná­rio. Na ava­li­a­ção de­le, o ele­va­do nú­me­ro de ações tra­ba­lhis­tas por aci­den­te de tra­ba­lho con­tra a JBS re­for­ça a ne­ces­si­da­de de pu­ni­ção do gru­po pa­ra que no­vas tra­gé­di­as não se re­pi­tam. “A em­pre­sa nun­ca deu aten­ção ao fa­to. Con­ti­nua fa­tu­ran­do; a fa­mí­lia, não. Per­deu seu pro­ve­dor”, cri­ti­ca.

Dificuldades financeiras

Na­tu­ral do Ma­ra­nhão, Jo­sé Eu­des era cha­ma­do pe­lo ape­li­do de Ce­a­rá e mo­ra­va em Bra­sí­lia há mais de 20 anos. Co­mo aju­dan­te de hi­gi­e­ni­za­ção, re­ce­bia um sa­lá­rio de R$ 1.725,88 na Se­a­ra, on­de tra­ba­lha­va des­de ju­nho de 2016. Es­sa era a se­gun­da pas­sa­gem de­le pe­la fá­bri­ca. An­tes ha­via tra­ba­lha­do lá por se­te anos até 2013. Pa­ra com­ple­tar os ren­di­men­tos da fa­mí­lia, Sô­nia dei­xa­va o fi­lho com o pai du­ran­te o dia e saía pa­ra fa­zer diá­ri­as em vá­ri­os can­tos do Dis­tri­to Fe­de­ral. Des­de a mor­te do ma­ri­do, po­rém, ela te­ve de se afas­tar do ser­vi­ço.

Ho­je, por­que não tem com quem dei­xar a cri­an­ça, ela não con­se­gue mais tra­ba­lhar co­mo an­tes. Mantém-​se com o pou­co que ga­nha e a pen­são de R$ 1.500, além da aju­da do fi­lho de 18 anos, pro­je­tis­ta de mó­veis. “Te­nho de se­gu­rar as pon­tas. A ren­da es­tá bai­xa, nem se com­pa­ra com o que era an­tes. Ho­je te­nho de to­mar con­ta do pe­que­no. Fa­ço diá­ria ape­nas du­as ve­zes por se­ma­na”, diz a viú­va.

Sô­nia con­ta que o fi­lho de três anos ain­da não sa­be da mor­te do pai e per­gun­ta por ele to­dos os di­as. “Ele diz que es­tá com sau­da­de do pai. Nun­ca che­guei a fa­lar que ele mor­reu. O Jo­sé Eu­des cui­da­va do Da­ni­el du­ran­te o dia en­quan­to eu fa­zia diá­ria. Eu di­go que o pai foi tra­ba­lhar e o pa­pai do céu cha­mou ele. ‘Ele es­tá no céu’, di­go. Na men­te de­le, o pai po­de vol­tar a qual­quer mo­men­to. Ele diz que não quer que o pai fi­que céu. Ca­da vez que ou­ço is­so é uma tor­tu­ra”, re­la­ta.

O lo­cal da tra­gé­dia es­tá o tem­po to­do na ca­ra de Sô­nia. Ela mo­ra pra­ti­ca­men­te de fren­te à fá­bri­ca. Da ja­ne­la, via o ma­ri­do atra­ves­sar a rua e en­trar na uni­da­de pa­ra tra­ba­lhar. “To­dos os di­as vi­vo o so­fri­men­to. Ca­da vez que olho pa­ra fo­ra, ve­jo a ce­na de­le sain­do de ca­sa. E sei que não vai re­tor­nar”, la­men­ta a di­a­ris­ta, que, por is­so, quer mu­dar de ca­sa. “Não aguen­to mais olhar pa­ra lá.”

Empresa lamenta

O Con­gres­so em Fo­co en­vi­ou uma lis­ta com 14 per­gun­tas pa­ra a JBS. O gru­po, po­rém, pre­fe­riu res­pon­der por meio de uma no­ta (leia a ín­te­gra no fi­nal da re­por­ta­gem) em que la­men­ta o aci­den­te ocor­ri­do com Jo­sé Eu­des e não es­cla­re­ce que ti­po de as­sis­tên­cia deu à fa­mí­lia do fun­ci­o­ná­rio até o mo­men­to. “A JBS in­for­ma que em ca­so de even­tu­ais in­ci­den­tes, tem co­mo po­lí­ti­ca pres­tar to­da as­sis­tên­cia ne­ces­sá­ria aos seus co­la­bo­ra­do­res e fa­mi­li­a­res. A JBS in­for­ma ain­da que, em re­la­ção ao ca­so ci­ta­do, la­men­ta pro­fun­da­men­te o ocor­ri­do e con­ti­nua acom­pa­nhan­do de per­to o pro­ces­so que se en­con­tra em an­da­men­to jun­to as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes”, diz a em­pre­sa por meio de sua as­ses­so­ria de im­pren­sa.

De acor­do com o Mi­nis­té­rio da Pre­vi­dên­cia So­ci­al, 7.822 fun­ci­o­ná­ri­os da JBS fi­ca­ram do­en­tes ou in­ca­pa­ci­ta­dos pa­ra o tra­ba­lho en­tre 2011 e 2014. Is­so equi­va­le a cin­co aci­den­tes por dia du­ran­te to­do o pe­río­do. Os da­dos fo­ram ob­ti­dos pe­la agên­cia Pú­bli­ca, com ba­se na Lei de Aces­so à In­for­ma­ção.

O le­van­ta­men­to fei­to pe­la Pú­bli­ca mos­trou ain­da que a JBS é a cam­peã na­ci­o­nal em aci­den­tes de tra­ba­lho no se­tor de fri­go­rí­fi­cos, somando-​se aba­te de ga­do e fa­bri­ca­ção de pro­du­tos de car­ne. É tam­bém a mai­or em­pre­ga­do­ra do se­tor. Em 2013, o gru­po com­prou a Se­a­ra, da Mar­frig, em uma tran­sa­ção es­ti­ma­da, se­gun­do o jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo, em R$ 5,5 bi­lhões.

Ain­da em no­ta ao Con­gres­so em Fo­co, a JBS afir­ma que es­tá tra­ba­lhan­do pa­ra re­du­zir o nú­me­ro de aci­den­tes de tra­ba­lho e que man­tém cer­ca de mil fun­ci­o­ná­ri­os nas áre­as de saú­de e se­gu­ran­ça do tra­ba­lho.

“A JBS in­for­ma que, co­mo uma das mai­o­res em­pre­sas em­pre­ga­do­ras no Bra­sil, a se­gu­ran­ça de seus co­la­bo­ra­do­res é pri­o­ri­da­de em to­das as su­as ope­ra­ções e man­tém um pro­gra­ma per­ma­nen­te de me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho dos seus mais de 120 mil co­la­bo­ra­do­res no país. So­men­te no ano pas­sa­do a em­pre­sa in­ves­tiu mais de R$ 225 mi­lhões em me­lho­ri­as de se­gu­ran­ça”, diz. “A em­pre­sa in­ves­te tam­bém no trei­na­men­to das su­as equi­pes e pos­sui mais de 1000 pro­fis­si­o­nais de­di­ca­dos às áre­as de Saú­de e Se­gu­ran­ça do Tra­ba­lho”, acres­cen­ta.

Protagonismo político

A J&F, que con­tro­la a JBS, vi­rou pro­ta­go­nis­ta da úl­ti­ma gran­de cri­se po­lí­ti­ca da his­tó­ria do país, en­vol­ven­do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, ex-​presidentes, po­lí­ti­cos do go­ver­no e da opo­si­ção. O fa­tu­ra­men­to do gru­po cres­ceu 40 ve­zes em ape­nas dez anos. Sal­tou de R$ 4 bi­lhões em 2006 pa­ra R$ 170 bi­lhões em 2016. A ex­plo­são se de­ve, prin­ci­pal­men­te, a apor­tes com di­nhei­ro pú­bli­co do Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES).

Prin­ci­pal fi­nan­ci­a­dor de cam­pa­nhas elei­to­rais do país, exe­cu­ti­vos do gru­po vi­ra­ram al­vo de pe­lo me­nos seis ope­ra­ções da Po­lí­cia Fe­de­ral (Bul­lish, Gre­en­fi­eld, Sep­sis, Cui Bu­o­no, Car­ne Fra­ca e Ten­dão de Aqui­les) de­ri­va­das da La­va Ja­to. As acu­sa­ções vão des­de ir­re­gu­la­ri­da­des em con­tra­tos bi­li­o­ná­ri­os de uma sub­si­diá­ria do BNDES com a JBS a frau­des na li­be­ra­ção de cré­di­tos jun­to à Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral, pas­san­do pe­la de­nún­cia de ma­ni­pu­la­ção do mer­ca­do fi­nan­cei­ro, re­fe­ren­te ao lu­cro ob­ti­do com a ven­da de dó­la­res às vés­pe­ras da di­vul­ga­ção da de­la­ção pre­mi­a­da dos exe­cu­ti­vos da J&F.

Pa­ra se li­vrar das pri­mei­ras cin­co ações, o gru­po fe­chou acor­do com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral pa­ra pa­gar mul­ta de R$ 10 bi­lhões, ao lon­go de 25 anos, em acor­do de le­ni­ên­cia. É o mai­or va­lor pa­go nes­se ti­po de acor­do em to­do o mun­do.

Na de­la­ção pre­mi­a­da, exe­cu­ti­vos do gru­po re­la­ta­ram co­mo pa­ga­vam pro­pi­na a po­lí­ti­cos em tro­ca de van­ta­gens no go­ver­no e no Con­gres­so. Em con­ver­sa gra­va­da com o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, Jo­es­ley con­fes­sou cri­mes co­mo a ten­ta­ti­va de com­prar o si­lên­cio de tes­te­mu­nhas e um juiz, mas não foi re­pre­en­di­do pe­lo eme­de­bis­ta – que, em al­guns ca­sos, deu a en­ten­der que ava­li­za­va a con­du­ta do em­pre­sá­rio.

Em ra­zão dis­so, a Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca apre­sen­tou du­as de­nún­ci­as cri­mi­nais con­tra Te­mer por cor­rup­ção, la­va­gem de di­nhei­ro e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. Elas fo­ram en­ga­ve­ta­das pe­la Câ­ma­ra e só vol­ta­rão a tra­mi­tar após ele dei­xar o Pa­lá­cio do Pla­nal­to. O acor­do de le­ni­ên­cia con­ti­nua vá­li­do, mas a de­la­ção foi sus­pen­sa após a re­ve­la­ção de que os de­la­to­res omi­ti­ram in­for­ma­ções da Jus­ti­ça du­ran­te a con­fis­são de seus cri­mes. Jo­es­ley, Wes­ley e Ri­car­do Saud, ex-​diretor de Re­la­ções Ins­ti­tu­ci­o­nais do gru­po, es­tão pre­sos des­de se­tem­bro do ano pas­sa­do.

Veja a íntegra da nota da JBS:

“A JBS in­for­ma que, co­mo uma das mai­o­res em­pre­sas em­pre­ga­do­ras no Bra­sil, a se­gu­ran­ça de seus co­la­bo­ra­do­res é pri­o­ri­da­de em to­das as su­as ope­ra­ções e man­tém um pro­gra­ma per­ma­nen­te de me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho dos seus mais de 120 mil co­la­bo­ra­do­res no país. So­men­te no ano pas­sa­do a em­pre­sa in­ves­tiu mais de R$ 225 mi­lhões em me­lho­ri­as de se­gu­ran­ça. A em­pre­sa in­ves­te tam­bém no trei­na­men­to das su­as equi­pes e pos­sui mais de 1000 pro­fis­si­o­nais de­di­ca­dos às áre­as de Saú­de e Se­gu­ran­ça do Tra­ba­lho. A JBS in­for­ma que em ca­so de even­tu­ais in­ci­den­tes, tem co­mo po­lí­ti­ca pres­tar to­da as­sis­tên­cia ne­ces­sá­ria aos seus co­la­bo­ra­do­res e fa­mi­li­a­res. A JBS in­for­ma ain­da que, em re­la­ção ao ca­so ci­ta­do, la­men­ta pro­fun­da­men­te o ocor­ri­do e con­ti­nua acom­pa­nhan­do de per­to o pro­ces­so que se en­con­tra em an­da­men­to jun­to as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,