Com ba­se em en­ten­di­men­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) so­bre exe­cu­ção da pe­na já na se­gun­da ins­tân­cia, a Quin­ta Tur­ma do Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) ne­gou, por una­ni­mi­da­de, nes­ta terça-​feira (6), o pe­di­do de ha­be­as cor­pus pre­ven­ti­vo apre­sen­ta­do por ad­vo­ga­dos do ex-​presidente Lu­la (PT), con­de­na­do em ja­nei­ro pe­lo Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4) a 12 anos e um mês de pri­são, na ação pe­nal en­vol­ven­do as ne­go­ci­a­ções de um trí­plex no Gua­ru­já (SP). Pe­la de­ci­são do TRF-​4, a pri­são do pe­tis­ta de­ve ocor­rer lo­go após a apre­ci­a­ção do re­cur­so apre­sen­ta­do por Lu­la no tri­bu­nal de se­gun­da ins­tân­cia (No ví­deo abai­xo, ve­ja o jul­ga­men­to na ín­te­gra).

Ri­car­do Stuckert/​Instituto Lu­la


Pela decisão da Corte, Lula deve cumprir pena após decisão do TRF-4 sobre recurso apresentado pela defesa do petista

Se­gun­do a le­gis­la­ção vi­gen­te, Lu­la tem di­rei­to a es­pe­rar em li­ber­da­de a de­ci­são so­bre o re­cur­so cha­ma­do em­bar­gos de de­cla­ra­ção pro­to­co­la­do por seus ad­vo­ga­dos no pró­prio TRF-​4. O re­cur­so con­tes­ta a con­de­na­ção da Cor­te e é o úl­ti­mo re­cur­so pos­sí­vel nes­te tri­bu­nal. Em ca­so de no­va der­ro­ta no tri­bu­nal de se­gun­da ins­tân­cia, o ex-​presidente po­de­rá ajui­zar no­vo pe­di­do de ha­be­as cor­pus no STJ, bem co­mo ou­tro re­cur­so ju­di­ci­al no STF, que po­de­rá re­to­mar a aná­li­se e, no que fa­vo­re­ce­ria Lu­la, re­ver­ter o pró­prio en­ten­di­men­to quan­to a con­de­na­ção após de­ci­são em se­gun­da ins­tân­cia. No en­tan­to, ape­sar do di­rei­to de re­cor­rer às ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, o pe­tis­ta cor­re o ris­co de ser pre­so após aná­li­se do re­cur­so pe­lo TRF-​4.

Pri­mei­ro a vo­tar, o re­la­tor da La­va Ja­to no STJ, mi­nis­tro Fe­lix Fis­cher, apre­sen­tou po­si­ção fa­vo­rá­vel à ime­di­a­ta exe­cu­ção da pe­na após es­go­ta­das ape­la­ções no TRF-​4. O mi­nis­tro ci­tou en­ten­di­men­to do STF so­bre o as­sun­to, que já con­so­li­dou a te­se de que ain­da que ha­ja re­cur­sos es­pe­ci­al ex­tra­or­di­ná­rio, a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia não fe­re o prin­cí­pio da pre­sun­ção de ino­cên­cia.

Pa­ra Fe­lix Fis­cher, não há im­pe­di­men­to da exe­cu­ção an­te­ci­pa­da uma vez en­cer­ra­da a fa­se da aná­li­se de fa­tos e pro­vas que as­sen­tam a cul­pa do con­de­na­do. Em seu vo­to, Fis­cher afir­mou ain­da que não é o mo­men­to de dis­cu­tir pe­di­do de Lu­la pa­ra sus­pen­der a ine­le­gi­bi­li­da­de, um dos efei­tos da con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, já que is­so não foi abor­da­do pe­lo TRF-​4.

O mi­nis­tro Jor­ge Mus­si foi o se­gun­do a vo­tar e acom­pa­nhou o re­la­tor, tam­bém de­fen­den­do o en­ten­di­men­to do Su­pre­mo. De acor­do com ele, não há ris­co de pri­são imi­nen­te de Lu­la. “Não se po­de usar o HC pa­ra obs­ta­cu­li­zar even­tu­ais ile­ga­li­da­des ou cons­tran­gi­men­tos que ain­da não exis­tem”, res­sal­tou.

Pá de cal

O vo­to de­ter­mi­nan­te no ca­so foi do pre­si­den­te da Quin­ta Tur­ma, Rey­nal­do So­a­res da Fon­se­ca, ter­cei­ro a vo­tar. Ape­sar de ci­tar que as con­di­ções pes­so­ais de Lu­la são fa­vo­rá­veis, “pri­má­rio, sem an­te­ce­den­tes e com re­si­dên­cia fi­xa”, o mi­nis­tro tam­bém vo­tou pa­ra ne­gar o pe­di­do da de­fe­sa e res­sal­tou que as te­ses ju­rí­di­cas apre­sen­ta­das pe­los ad­vo­ga­dos de Lu­la pa­ra o ha­be­as cor­pus ain­da po­dem ser al­te­ra­das ou mo­di­fi­ca­das nos em­bar­gos de de­cla­ra­ção. “Lo­go, o STJ não de­ve an­te­ci­par even­tu­al tu­te­la re­cur­sal”, pon­de­rou.

O mi­nis­tro Mar­ce­lo Na­var­ro Ri­bei­ro Dan­tas foi o quar­to a vo­tar e acom­pa­nhou par­ci­al­men­te o re­la­tor. Ele tam­bém des­ta­cou que o jul­ga­men­to no TRF-​4 ain­da não se con­cluiu, vis­to que os de­sem­bar­ga­do­res ain­da não apre­ci­a­ram os em­bar­gos de de­cla­ra­ção da de­fe­sa. Até o fe­cha­men­to des­ta ma­té­ria, o mi­nis­tro ain­da pro­fe­ria seu vo­to. Em se­gui­da, o mi­nis­tro Jo­el Ilan Pa­ci­or­nick sa­cra­men­tou o jul­ga­men­to com seu po­si­ci­o­na­men­to so­bre o ca­so.

O ad­vo­ga­do do ex-​presidente, o ex-​ministro Se­púl­ve­da Per­ten­ce, afir­mou que a de­ci­são do TRF-​4 so­bre pri­são vi­o­la pre­sun­ção de ino­cên­cia. Pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) fa­lou o Sub­pro­cu­ra­dor Fran­cis­co de As­sis Vi­ei­ra San­se­ve­ri­no, co­or­de­na­dor da for­ça ta­re­fa na La­va Ja­to re­la­ci­o­na­da a pro­ces­sos re­cur­sais. San­se­ve­ri­no tam­bém de­fen­deu a ju­ris­pru­dên­cia cri­a­da pe­lo Su­pre­mo, que au­to­ri­za pri­são na se­gun­da ins­tân­cia.

Por unanimidade, STJ nega pedido da defesa para evitar prisão de Lula. Veja o julgamento na íntegra

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,