Após uma tar­de in­ten­sa de dis­cus­são so­bre o ha­be­as cor­pus pro­to­co­la­do no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pe­la de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la, com in­tui­to de im­pe­dir sua pri­são an­tes de es­go­ta­dos to­dos os re­cur­sos em ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, os mi­nis­tros da Cor­te re­sol­ve­ram adi­ar a de­ci­são à me­di­da que as dis­cus­sões aden­tra­ram a noi­te. O jul­ga­men­to fi­cou pa­ra a pró­xi­ma ses­são do ple­ná­rio, que ocor­re­rá após a pás­coa, no dia 4 de abril. Ape­sar de ter sus­pen­di­do o jul­ga­men­to, os mi­nis­tros aten­de­ram pe­di­do da de­fe­sa do pe­tis­ta e de­ter­mi­na­ram que Lu­la não se­ja pre­so até que o tri­bu­nal re­to­me o ca­so.

Ri­car­do Stuckert/​Instituto Lu­la


Na próxima segunda, TRF-4 julgará embargo de declaração apresentado pela defesa de Lula contra sua condenação

Na pró­xi­ma segunda-​feira (26), o Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4) jul­ga­rá o úl­ti­mo re­cur­so con­tra a con­de­na­ção do pe­tis­ta na se­gun­da ins­tân­cia. Na te­o­ria, a par­tir de en­tão Lu­la po­de­ria ser pre­so. Com a de­ci­são de sus­pen­der o jul­ga­men­to, a de­fe­sa de Lu­la ex­pli­cou que ele sai­ria pre­ju­di­ca­do com a si­tu­a­ção. Foi en­tão que os mi­nis­tros vo­ta­ram, por mai­o­ria, pe­la de­ter­mi­na­ção de que o pe­tis­ta não se­ja pre­so an­tes da re­to­ma­da do jul­ga­men­to.

Vo­ta­ram a fa­vor da li­mi­nar Ro­sa We­ber, Di­as Tof­fo­li, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Gil­mar Men­des, Mar­co Au­ré­lio e Cel­so de Mel­lo. Os mi­nis­tros Ed­son Fa­chin (re­la­tor), Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Luiz Fux e a pre­si­den­te, Cár­men Lú­cia, se ma­ni­fes­ta­ram con­tra.

A con­clu­são do jul­ga­men­to foi adi­a­da por­que os mi­nis­tros jul­ga­ram uma pre­li­mi­nar da ação, fa­to que to­mou to­do o tem­po da ses­são. Já no iní­cio do jul­ga­men­to, o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, re­la­tor do ca­so na Cor­te, de­ci­diu a pre­li­mi­nar so­bre o co­nhe­ci­men­to da ação e de­cla­rou não re­co­nhe­cer o ha­be­as cor­pus an­tes que os re­cur­sos fos­sem de­ci­di­dos em ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res à Cor­te. No Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), o ha­be­as cor­pus de Lu­la foi de­ci­di­do ape­nas em de­ci­são mo­no­crá­ti­ca, ou se­ja, não pas­sou pe­lo ple­ná­rio da­que­le tri­bu­nal.

No en­tan­to, a de­ci­são de Fa­chin não foi acom­pa­nha­da pe­la mai­o­ria, que de­ba­teu am­pla­men­te o ca­so. Nes­ta quinta-​feira (22), nem mes­mo o Fa­chin pro­fe­riu seu vo­to so­bre o mé­ri­to da ques­tão, se acei­ta ou não o pe­di­do de ha­be­as cor­pus pre­ven­ti­vo do ex-​presidente.

Os mi­nis­tros Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Ro­sa We­ber, Di­as Tof­fo­li, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Gil­mar Men­des, Mar­co Au­ré­lio de Mel­lo e Cel­so de Mel­lo vo­ta­ram pe­lo re­co­nhe­ci­men­to do ha­be­as cor­pus. Ape­nas Fa­chin, Bar­ro­so, Luiz Fux e Cár­men Lú­cia fo­ram con­tra a per­ti­nên­cia da dis­cus­são nes­te mo­men­to.

Na pró­xi­ma se­gun­da (26), o TRF-​4 jul­ga o em­bar­go de de­cla­ra­ção apre­sen­ta­do por Lu­la, seu úl­ti­mo re­cur­so na se­gun­da ins­tân­cia – o que, em te­se, per­mi­ti­ria sua pri­são. A de­ci­são so­bre a pri­são ca­be­rá ao juiz Sér­gio Mo­ro, juiz ori­gi­nal do ca­so. Mas is­so só po­de­rá ser re­a­li­za­do após a de­ci­são do Su­pre­mo.

Prisão iminente

Lu­la in­gres­sou no Su­pre­mo com um ha­be­as cor­pus pre­ven­ti­vo com ob­je­ti­vo de res­pon­der em li­ber­da­de até o es­go­ta­men­to de re­cur­sos nas ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res. O pe­di­do da de­fe­sa do ex-​presidente ques­ti­o­na de­ci­são do STJ que ne­gou o di­rei­to pa­ra que ele res­pon­da em li­ber­da­de até o trân­si­to em jul­ga­do da ação pe­nal na qual foi con­de­na­do por cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro. O pe­tis­ta te­ve sua con­de­na­ção con­fir­ma­da em 24 de ja­nei­ro pe­lo TRF-​4, que tam­bém au­men­tou sua sen­ten­ça pa­ra 12 anos e 1 mês de pri­são no ca­so do trí­plex do Gua­ru­já (SP), no âm­bi­to da Ope­ra­ção La­va Ja­to.

O pe­di­do em aná­li­se foi ne­ga­do pe­lo mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, re­la­tor da La­va Ja­to no STF, no iní­cio des­te mês, em de­ci­são mo­no­crá­ti­ca. Com a re­per­cus­são do ca­so e o pe­di­do da de­fe­sa pa­ra que le­vas­se a ques­tão pa­ra a Se­gun­da Tur­ma, o mi­nis­tro de­ci­diu dei­xar a pa­la­vra fi­nal pa­ra o ple­ná­rio da Cor­te e não ape­nas aos cin­co mi­nis­tros da tur­ma.

Du­ran­te o jul­ga­men­to des­ta quinta-​feira (22), a procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, pe­diu que o ha­be­as cor­pus se­ja ne­ga­do e de­fen­deu que a de­ci­são a Cor­te, so­bre pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, te­nha efei­to pa­ra “to­dos”. Ela tam­bém res­sal­tou que o TRF-​4, quan­do de­ci­diu so­bre o ca­so do ex-​presidente, de­ci­diu já au­to­ri­za­do pe­lo ple­ná­rio do STF e pe­lo no­vo Có­di­go de Pro­ces­so Ci­vil. De acor­do com a procuradora-​geral, a de­ci­são do STF so­bre o mo­men­to do cum­pri­men­to da pe­na “é re­cen­te, tem da­do se­gu­ran­ça e to­das as ga­ran­ti­as com am­pla de­fe­sa e o con­tra­di­tó­rio”.

Em fe­ve­rei­ro des­te ano, lo­go após a de­fe­sa de Lu­la en­trar com o pe­di­do na Cor­te, Ra­quel Dod­ge se ma­ni­fes­tou con­tra o pe­di­do do ex-​presidente pa­ra evi­tar a even­tu­al pri­são pre­ven­ti­va e re­a­fir­mou o en­ten­di­men­to fa­vo­rá­vel do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pe­lo iní­cio da exe­cu­ção pro­vi­só­ria da pe­na após jul­ga­dos os re­cur­sos em se­gun­da ins­tân­cia.

Defesa de Lula

An­tes do vo­to do mi­nis­tro, o ad­vo­ga­do Jo­sé Ro­ber­to Ba­to­chio de­fen­deu o pe­tis­ta e afir­mou que o bra­si­lei­ro não acei­ta vi­ver “sob o ta­cão do au­to­ri­ta­ris­mo”. Pa­ra ele, não po­de ha­ver cum­pri­men­to de “pe­na de uma sen­ten­ça que não se tor­nou imu­tá­vel”.

“Há uma cer­ta vo­lú­pia em en­car­ce­rar um pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Não que um ex-​presidente se­ja di­fe­ren­te dos ou­tros ou es­te­ja aci­ma da lei. Mas nin­guém po­de ser re­ti­ra­do da pro­te­ção do or­de­na­men­to ju­rí­di­co”, res­sal­tou. Além dis­so, ele dis­se que a Sú­mu­la 122 do TRF-​4, que co­lo­ca co­mo obri­ga­tó­ria o cum­pri­men­to da pe­na após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal.

De acor­do com o ad­vo­ga­do, o de­se­jo das ru­as não de­ve ser le­va­do em con­si­de­ra­ção no jul­ga­men­to em ques­tão. “A voz das ru­as per­ten­ce às ru­as. O Ju­di­ciá­rio não de­ve to­mar o pul­so da po­pu­la­ção nas ru­as. Is­so é ta­re­fa dos po­lí­ti­cos”, ar­gu­men­to. Ba­to­chio ques­ti­o­nou ain­da o “aço­da­men­to em pren­der e a vo­lú­pia em en­car­ce­rar” o ex-​presidente. “Por que es­sa vo­lú­pia em en­car­ce­rar? Se­não a ma­ré mon­tan­te da vi­o­lên­cia da au­to­ri­da­de, a ma­ré mon­tan­te da vo­lú­pia do en­car­ce­ra­men­to”, con­tes­tou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,