Re­la­tor da Ope­ra­ção La­va Ja­to no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), o mi­nis­tro Ed­son Fa­chin re­ve­lou ter re­ce­bi­do ame­a­ças que in­clu­em a sua fa­mí­lia e, por is­so, pe­diu pro­vi­dên­ci­as à pre­si­den­te da cor­te, Cár­men Lú­cia, pa­ra se pro­te­ger. Por meio de no­ta (ín­te­gra abai­xo), a mi­nis­tra in­for­mou que mes­mo an­tes da re­ve­la­ção ações pro­te­ti­vas fo­ram pos­tas em cur­so pa­ra res­guar­dar a se­gu­ran­ça do co­le­ga e seus pa­ren­tes.

Car­los Moura/​STF


Como Teori, morto em acidente em 2017, Fachin recebeu ameaças: “Ando preocupado”

Em en­tre­vis­ta ao jor­na­lis­ta Ro­ber­to D’Avila (Glo­bo­News), Fa­chin não deu de­ta­lhes so­bre a ori­gem ou a for­ma dos ata­ques, nem os re­la­ci­o­nou a fa­tos de­ter­mi­na­dos. “Nos di­as atu­ais uma das pre­o­cu­pa­ções que te­nho não é só com jul­ga­men­tos, mas tam­bém com se­gu­ran­ça de mem­bros de mi­nha fa­mí­lia. Te­nho tra­ta­do des­se te­ma e de ame­a­ças que têm si­do di­ri­gi­das a mem­bros da mi­nha fa­mí­lia”, de­cla­rou o mi­nis­tro.

“Al­gu­mas pro­vi­dên­ci­as que so­li­ci­tei à pre­si­den­te e tam­bém à Po­lí­cia Fe­de­ral, por in­ter­mé­dio da de­le­ga­da que tra­ba­lha aqui no tri­bu­nal, já es­tão sen­do ado­ta­das. Nem to­dos os ins­tru­men­tos fo­ram agi­li­za­dos, mas eu, efe­ti­va­men­te, an­do pre­o­cu­pa­do com is­so. E es­pe­ran­do que não tro­que­mos fe­cha­du­ra de uma por­ta já ar­rom­ba­da tam­bém nes­se te­ma”, acres­cen­tou o ma­gis­tra­do.

Tão lo­go a fa­la de Fa­chin foi pú­bli­co, au­to­ri­da­des e en­ti­da­des ma­ni­fes­ta­ram so­li­da­ri­e­da­de ao mi­nis­tro e exi­gi­ram pro­vi­dên­ci­as pa­ra protegê-​lo. Mi­nis­tro da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca, Raul Jung­mann clas­si­fi­cou co­mo “ina­cei­tá­veis” as ame­a­ças ao ma­gis­tra­do e lem­brou que a PF tem equi­pes à dis­po­si­ção do STF pa­ra investigá-​las. Pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ) de­fi­niu co­mo “gra­ve” a re­ve­la­ção de Fa­chin e dis­se es­pe­rar que “pro­vi­dên­ci­as de for­ma enér­gi­ca” se­jam to­ma­das.

Por sua vez, a Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB) emi­tiu no­ta pa­ra de­fi­nir o ata­que co­mo “ex­tre­ma­men­te gra­ve” e di­zer que ele não se pres­ta a atin­gir so­men­te um mi­nis­tro do Su­pre­mo, mas co­lo­car em xe­que o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to. “A apu­ra­ção do ca­so de­ve ser pri­o­ri­tá­ria e os res­pon­sá­veis de­vem ser pu­ni­dos de for­ma exem­plar, de acor­do com o ri­gor da lei. A Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil acom­pa­nha­rá o ca­so com aten­ção”, diz tex­to as­si­na­do pe­lo pre­si­den­te na­ci­o­nal da OAB, Clau­dio La­ma­chia, que faz re­fe­rên­cia à exe­cu­ção da ve­re­a­do­ra Ma­ri­el­le Fran­co, do Psol flu­mi­nen­se, mor­ta a ti­ros em 14 de mar­ço.

Recorrência

Não é a pri­mei­ra vez que um ministro-​relator da La­va Ja­to no STF so­fre ame­a­ças de­vi­do à fun­ção que exer­ce no tri­bu­nal. Co­mo es­te si­te mos­trou em mar­ço de 2016, o an­te­ces­sor de Fa­chin na re­la­to­ria do pe­tro­lão, Te­o­ri Za­vasc­ki, te­ve se­gu­ran­ça re­for­ça­da por de­ter­mi­na­ção do en­tão mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Eu­gê­nio Ara­gão. A me­di­da foi uma res­pos­ta às in­ti­mi­da­ções fei­tas con­tra Te­o­ri, por ma­ni­fes­tan­tes an­ti­go­ver­no Dil­ma Rous­seff, de­pois de des­pa­cho do ma­gis­tra­do di­vul­ga­do na­que­le mês.

Na­que­la oca­sião, co­mo o Con­gres­so em Fo­co tam­bém ha­via mos­tra­do pou­co de­pois da de­ci­são, Te­o­ri or­de­nou ao juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­la La­va Ja­to na pri­mei­ra ins­tân­cia, a re­mes­sa de to­dos os pro­ce­di­men­tos in­ves­ti­ga­tó­ri­os so­bre o ex-​presidente Lu­la ao Su­pre­mo, in­clu­si­ve as in­ter­cep­ta­ções te­lefô­ni­cas que ha­vi­am sa­cu­di­do o país uma se­ma­na an­tes. Te­o­ri foi mor­to em um aci­den­te de avião em ja­nei­ro de 2017, uma se­ma­na an­tes de ho­mo­lo­gar de­la­ções pre­mi­a­das da Ode­bre­cht que en­vol­ve­ram mais de cem po­lí­ti­cos no es­que­ma de cor­rup­ção des­co­ber­to pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral na Pe­tro­bras. In­ves­ti­ga­ções da Ae­ro­náu­ti­ca des­car­ta­ram a hi­pó­te­se de aten­ta­do.

Leia a nota de Cármen Lúcia:

Em re­la­ção às de­man­das do mi­nis­tro Fa­chin re­la­ti­vas ao au­men­to de sua se­gu­ran­ça pes­so­al e de sua fa­mí­lia, an­tes de vir a pú­bli­co a no­tí­cia di­vul­ga­da ho­je, a Pre­si­dên­cia do STF já ti­nha ado­ta­do as se­guin­tes pro­vi­dên­ci­as:

1) des­lo­cou pa­ra Cu­ri­ti­ba du­as de­le­ga­das da Po­lí­cia Fe­de­ral, es­pe­ci­a­li­za­das em se­gu­ran­ça pa­ra to­dos os ca­sos de ma­gis­tra­dos ame­a­ça­dos no País, pa­ra ve­ri­fi­ca­ção de quais as me­lho­res e mais efi­ca­zes pro­vi­dên­ci­as de­ve­ri­am ser to­ma­das, o que foi re­a­li­za­do;

2) au­to­ri­zou o au­men­to do nú­me­ro de agen­tes pa­ra es­col­ta per­ma­nen­te do mi­nis­tro Fa­chin por ser­vi­dor do se­tor de se­gu­ran­ça do Su­pre­mo, além dos que já o acom­pa­nha­vam em seus des­lo­ca­men­tos;

3) au­to­ri­zou que o uso de se­gu­ran­ça do mi­nis­tro, em Cu­ri­ti­ba, pos­sa deslocar-​se tam­bém pa­ra acom­pa­nha­men­to de fa­mi­li­a­res por ele in­di­ca­dos;

4) de­ter­mi­nou à Diretoria-​Geral do STF exa­mi­nar e do­tar pro­vi­dên­ci­as pa­ra au­men­to de nú­me­ro de se­gu­ran­ças pa­ra a fa­mí­lia do mi­nis­tro Fa­chin em Cu­ri­ti­ba, con­for­me por ele so­li­ci­ta­do;

5) en­ca­mi­nhou ofí­cio in­da­gan­do a to­dos os mi­nis­tros do STF so­bre a ne­ces­si­da­de de al­te­ra­ção e au­men­to do nú­me­ro de agen­tes de se­gu­ran­ça pa­ra, se for o ca­so, a to­ma­da das pro­vi­dên­ci­as ca­bí­veis.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,