A Po­lí­cia Fe­de­ral de­sau­to­ri­zou, em no­ta, o de­le­ga­do Mil­ton For­na­za­ri Ju­ni­or, da De­le­ga­cia de Com­ba­te à Cor­rup­ção e Cri­mes Fi­nan­cei­ros (De­le­cor) em São Pau­lo, que de­fen­deu pri­são de “ou­tros lí­de­res de viés ide­o­ló­gi­co di­ver­so” do ex-​presidente Lu­la, co­mo “Te­mer, Alck­min, Aé­cio etc”. O pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB) e o ex-​governador Ge­ral­do Alck­min (PSDB) são al­vos de inqué­ri­tos da Ope­ra­ção La­va Ja­to, a mes­ma que le­vou Lu­la à pri­são.

Reprodução/​Wikimapia


Além de destacar que as declarações de Fornazari são de “cunho exclusivamente pessoal”, a PF anunciou a adoção de medidas administrativo-disciplinares em “relação ao caso concreto”

“As de­cla­ra­ções pro­fe­ri­das são de cu­nho ex­clu­si­va­men­te pes­so­al e con­tra­ri­am o nor­ma­ti­vo in­ter­no re­fe­ren­te a ma­ni­fes­ta­ções em no­me da ins­ti­tui­ção”, des­ta­ca o co­mu­ni­ca­do.

Em tex­to pu­bli­ca­do no Fa­ce­bo­ok no úl­ti­mo sá­ba­do (7), en­quan­to o ex-​presidente Lu­la era pre­so, o de­le­ga­do de­fen­deu a pri­são de ou­tras li­de­ran­ças po­lí­ti­cas pa­ra que não pros­pe­re a te­se de que o pe­tis­ta é al­vo de per­se­gui­ção po­lí­ti­ca”.

“Ago­ra é ho­ra de se­rem in­ves­ti­ga­dos, pro­ces­sa­dos e pre­sos os ou­tros lí­de­res de viés ide­o­ló­gi­co di­ver­so, que se be­ne­fi­ci­a­ram dos mes­mos es­que­mas ilí­ci­tos que sem­pre exis­ti­ram no Bra­sil (Te­mer, Alck­min, Aé­cio etc)’”, es­cre­veu. Em se­gui­da, ele apa­gou a men­sa­gem. “Pa­ra vo­cê que gos­ta de me mo­ni­to­rar aqui, não adi­an­ta se ar­ti­cu­lar, va­mos con­ti­nu­ar pren­den­do os cor­rup­tos de to­dos os gê­ne­ros”, avi­sou.

For­na­za­ri che­fi­ou a De­le­cor en­tre ou­tu­bro de 2015 e no­vem­bro de 2016. Ele con­ti­nua na de­le­ga­cia no co­man­do de inqué­ri­tos so­bre cor­rup­ção e cri­mes fi­nan­cei­ros.

A de­ci­são da PF di­fe­re da ado­ta­da pe­la For­ça Aé­rea Bra­si­lei­ra (FAB) que não iden­ti­fi­cou nem anun­ci­ou me­di­das con­tra o ho­mem que hos­ti­li­zou Lu­la na par­ti­da do voo pa­ra Cu­ri­ti­ba no úl­ti­mo sá­ba­do. “Le­va e não traz nun­ca mais”, diz uma voz mas­cu­li­na ao pi­lo­to, que, por sua vez, re­pre­en­de o in­ter­lo­cu­tor: “Va­mos tra­tar só do ne­ces­sá­rio. Va­mos res­pei­tar o nos­so tra­ba­lho aqui”.

O in­ter­lo­cu­tor in­sis­te: “Eu res­pei­to mas man­da es­te li­xo ja­ne­la abai­xo aí…”. A con­ver­sa é in­ter­rom­pi­da por uma voz fe­mi­ni­na. “Pes­so­al, a frequên­cia é gra­va­da e po­de ser usa­da con­tra a gen­te. En­tão, man­te­nham a fra­se­o­lo­gia pa­drão, por gen­ti­le­za”, ad­ver­te.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,