Em 2017, ape­nas 10% da po­pu­la­ção com os mai­o­res ren­di­men­tos no país de­ti­nham 43,3% da mas­sa de ren­di­men­tos, en­quan­to a par­ce­la dos 10% com os me­no­res ren­di­men­tos de­ti­nha 0,7% des­ta mas­sa. Os da­dos são da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os (PNAD), do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), pu­bli­ca­dos nes­ta quarta-​feira (11).

Fer­nan­do Frazão/​Agência Bra­sil


O rendimento médio efetivo de todos os trabalhos da metade da população com os menores rendimentos foi de R$ 754 em 2017

No Bra­sil, o ren­di­men­to mé­dio efe­ti­vo de to­dos os tra­ba­lhos da me­ta­de da po­pu­la­ção com os me­no­res ren­di­men­tos foi de R$ 754 em 2017, 2,5% a me­nos que em 2016 (R$ 773). Nes­ses dois anos, a re­gião Sul foi a que apre­sen­tou os mai­o­res va­lo­res des­se in­di­ca­dor: R$ 978 (2016) e R$ 974 (2017). De acor­do com a pes­qui­sa, a mé­dia ob­ser­va­da em 2017 nes­sa re­gião foi o do­bro da ve­ri­fi­ca­da na re­gião Nor­des­te (R$ 487).

Do ou­tro la­do, as pes­so­as que fa­zi­am par­te do 1% da po­pu­la­ção bra­si­lei­ra com os mai­o­res ren­di­men­tos re­ce­bi­am, em mé­dia, R$ 27,213. Es­se va­lor é 36,1 ve­zes mai­or que o ren­di­men­to mé­dio dos 50% da po­pu­la­ção com os me­no­res ren­di­men­tos (R$ 754). Na re­gião Nor­des­te es­sa ra­zão foi de foi 44,9 ve­zes e na re­gião sul, 25 ve­zes.

No ano pas­sa­do, 73,8% do ren­di­men­to mé­dio men­sal re­al do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta efe­ti­va­men­te re­ce­bi­do pe­la po­pu­la­ção era com­pos­to pe­lo ren­di­men­to de to­dos os tra­ba­lhos e os ou­tros 26,2%, por ou­tras fon­tes, co­mo apo­sen­ta­do­ria ou pen­são; alu­guel e ar­ren­da­men­to; pen­são ali­men­tí­cia, do­a­ção ou me­sa­da de não mo­ra­dor; e ou­tros ren­di­men­tos.

Outras rendas

Os da­dos do IBGE in­di­cam que, em 2017, as pes­so­as que ti­nham ren­di­men­to de to­dos os tra­ba­lhos cor­res­pon­di­am a 41,9% da po­pu­la­ção re­si­den­te, o equi­va­len­te a 86,8 mi­lhões de pes­so­as, per­cen­tu­al afe­ta­do pe­la cri­se econô­mi­ca que afe­tou o país.Em 2016, o per­cen­tu­al che­ga­va a 42,4%. Em 2017, 24,1% dos re­si­den­tes (50 mi­lhões) pos­suíam al­gum ren­di­men­to pro­ve­ni­en­te de ou­tras fon­tes. Em 2016 es­te per­cen­tu­al era me­nor: 49,3 mi­lhões de pes­so­as ti­nham ren­di­men­to de ou­tras fon­tes, o equi­va­len­te a 24% dos re­si­den­tes.

O ren­di­men­to de ou­tras fon­tes, mais fre­quen­te na po­pu­la­ção, vi­nha de apo­sen­ta­do­ria ou pen­são. Em 2017, 14,1% da po­pu­la­ção re­ce­bia por apo­sen­ta­do­ria ou pen­são; 2,4%, por pen­são ali­men­tí­cia, do­a­ção ou me­sa­da de não mo­ra­dor; 1,9%, por alu­guel e ar­ren­da­men­to; en­quan­to 7,5% re­ce­bi­am ou­tros ren­di­men­tos, co­mo seguro-​desemprego, pro­gra­mas de trans­fe­rên­cia de ren­da do go­ver­no, ren­di­men­tos de pou­pan­ça, va­lo­res si­mi­la­res aos de 2016.

Com re­la­ção aos pro­gra­mas de trans­fe­rên­cia de ren­da do go­ver­no fe­de­ral, a pes­qui­sa cons­ta­tou que o per­cen­tu­al das fa­mí­li­as bra­si­lei­ras que re­ce­bi­am o Bol­sa Fa­mí­lia caiu 0,6 pon­to per­cen­tu­al en­tre 2016 e 2017, ao pas­sar de 14,3%para 13,7%.

Se­gun­do a pes­qui­sa, o ren­di­men­to mé­dio men­sal re­al do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta dos do­mi­cí­li­os que re­ce­bi­am o Bol­sa Fa­mí­lia em 2017 foi de R$ 324, bem in­fe­ri­or ao ren­di­men­to mé­dio men­sal re­al do­mi­ci­li­ar per ca­pi­ta dos que não re­ce­bi­am, que era de R$ 1.489.

Os da­dos in­di­cam que os mai­o­res per­cen­tu­ais de fa­mí­li­as que re­ce­bi­am al­gum ti­po de be­ne­fí­cio dos pro­gra­mas de trans­fe­rên­cia de ren­da do go­ver­no es­ta­vam lo­ca­li­za­dos, no ano pas­sa­do, nas re­giões Nor­te e Nor­des­te, com res­pec­ti­va­men­te 25,8% e 28,4% dos do­mi­cí­li­os.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,