A Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos con­cluiu nes­ta noi­te a vo­ta­ção do pro­je­to de lei que cria o Sis­te­ma Úni­co de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca (Susp). Os de­pu­ta­dos apro­va­ram uma emen­da que so­li­ci­ta­va a al­te­ra­ção do texto-​base da pro­pos­ta e re­jei­ta­ram os de­mais des­ta­ques. A ma­té­ria se­gue ago­ra pa­ra apre­ci­a­ção do Se­na­do.

Luis Macedo/​Câmara dos De­pu­ta­dos


Maia comanda em plenário aprovação do projeto, que compõe pacote de segurança pública

Mais ce­do, os par­la­men­ta­res, por am­pla mai­o­ria, apro­va­ram o tex­to prin­ci­pal da ma­té­ria, que tem co­mo ob­je­ti­vo tor­nar mais efi­caz e in­te­gra­da a atu­a­ção dos ór­gãos po­li­ci­ais, com­par­ti­lhan­do in­for­ma­ções com o Mi­nis­té­rio Ex­tra­or­di­ná­rio da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. Após a pri­mei­ra aná­li­se, fo­ram re­jei­ta­das emen­das apre­sen­ta­das pe­la opo­si­ção, den­tre elas a que bus­ca­va au­men­tar o con­tro­le so­ci­al em ca­sos de uso ex­ces­si­vo da for­ça.

Ou­tra emen­da, re­jei­ta­da por 263 vo­tos a 8, e du­as abs­ten­ções, bus­ca­va re­ti­rar a Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­cas so­bre Dro­gas da re­la­ção dos in­te­gran­tes ope­ra­ci­o­nais do Susp. Ao ar­gu­men­tar fa­vo­ra­vel­men­te à mu­dan­ça, o de­pu­ta­do Chi­co Alen­car (PSOL-​RJ) cri­ti­cou a in­clu­são do ór­gão en­tre as atri­bui­ções da se­gu­ran­ça pú­bli­ca e dis­se que o ver­da­dei­ro vi­lão a ser com­ba­ti­do é o trá­fi­co de ar­mas e mu­ni­ções.

“Há es­sa com­pre­en­são, in­ten­ção de di­ver­sos mo­vi­men­tos e prá­ti­cas po­lí­ti­cas, já faz al­gum tem­po, no sen­ti­do da cha­ma­da guer­ra às dro­gas, que tem se mos­tra­do le­tal e ine­fi­ci­en­te. Pra nós, o en­fren­ta­men­to pro­fun­do im­pli­ca ca­da vez mais em tra­tar a adi­ção, o ví­cio, co­mo al­go vin­cu­la­do à saú­de pú­bli­ca, à edu­ca­ção”, ex­pli­cou.

Já o re­la­tor do pro­je­to, de­pu­ta­do Al­ber­to Fra­ga (DEM-​DF), dis­se que a al­te­ra­ção, se apro­va­da, sig­ni­fi­ca­ria a “des­mo­ra­li­za­ção” do Susp. “Não faz sen­ti­do ne­nhum, ao se cri­ar um sis­te­ma de in­for­ma­ções que vai ser com­par­ti­lha­do com to­dos, re­ti­rar exa­ta­men­te aqui­lo que fo­men­ta o cri­me, que são as dro­gas”, ar­gu­men­tou.

O úni­co des­ta­que apro­va­do pe­la Câ­ma­ra, que con­tou in­clu­si­ve com o apoio do re­la­tor, foi o que obri­ga­va ao pro­fis­si­o­nal de se­gu­ran­ça pú­bli­ca a pre­ser­va­ção do lo­cal do cri­me. Por mai­o­ria sim­ples, os par­la­men­ta­res de­ci­di­ram re­ti­rar o pa­rá­gra­fo que pre­via que os in­te­gran­tes do Susp, na au­sên­cia do ór­gão com atri­bui­ção le­gal, de­vem pre­ser­var a área do cri­me “pa­ra pos­te­ri­or pros­se­gui­men­to dos atos pro­ce­di­men­tais ca­bí­veis”.

Texto “genérico”

Pa­ra o de­pu­ta­do Sub­te­nen­te Gon­za­ga (PDT-​MG), não se­ria pos­sí­vel cum­prir a me­di­da com o bai­xo nú­me­ro de de­le­ga­ci­as de Po­lí­cia Ci­vil pre­sen­tes nos mu­ni­cí­pi­os bra­si­lei­ros. Se­gun­do ele, o tex­to era ge­né­ri­co e po­de­ria dar a in­ter­pre­ta­ção de que os agen­tes de­ve­ri­am per­ma­ne­cer em lo­cais com bai­xo po­ten­ci­al ofen­si­vo.

“Qual a pre­o­cu­pa­ção que te­mos com es­se tex­to? Ele diz que o po­li­ci­al que faz o tra­ba­lho os­ten­si­vo, co­mo ro­do­viá­ri­os, mi­li­ta­res e guar­das mu­ni­ci­pais, quan­do che­gar no lo­cal da ocor­rên­cia, tem que pre­ser­var o lo­cal. To­dos nós te­mos cla­re­za que [em cri­mes co­mo] ho­mi­cí­dio, ha­ve­rá con­cre­ta­men­te a pre­ser­va­ção até a che­ga­da da pe­rí­cia. Mas nos de­mais cri­mes, até por uma ra­zão da es­tru­tu­ra do Es­ta­do, não te­re­mos”, jus­ti­fi­cou, de­fen­den­do a ne­ces­si­da­de de os po­li­ci­ais se des­lo­ca­rem do lo­cal pa­ra pros­se­gui­rem com a ocor­rên­cia.

Após a re­jei­ção das de­mais emen­das, a re­da­ção fi­nal da pro­pos­ta foi apro­va­da por 268 vo­tos a dois, com uma abs­ten­ção.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,