A procuradora-​geral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, rei­te­rou nes­ta segunda-​feira (16) no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) o pe­di­do de aber­tu­ra de ação pe­nal con­tra o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG) em um dos inqué­ri­tos re­sul­tan­tes da de­la­ção do em­pre­sá­rio Jo­es­ley Ba­tis­ta, do gru­po J&F. Se o pe­di­do for acei­to, o se­na­dor e mais três pes­so­as se tor­na­rão réus no pro­ces­so.

Reprodução/​PSDB


A Primeira Turma do STF julgará a denúncia como o peessedebista nesta terça-feira

O jul­ga­men­to so­bre o re­ce­bi­men­to da de­nún­cia pe­la Pri­mei­ra Tur­ma do STF es­tá mar­ca­do pa­ra ama­nhã (terça-​feira, 17). Tam­bém são al­vos da mes­ma de­nún­cia a ir­mã do se­na­dor, An­drea Ne­ves, o pri­mo de­le, Fre­de­ri­co Pa­che­co, e Mendher­son Sou­za Li­ma, ex-​assessor par­la­men­tar do se­na­dor Ze­zé Per­rel­la (PMDB-​MG), fla­gra­do com di­nhei­ro vi­vo. To­dos fo­ram acu­sa­dos de cor­rup­ção pas­si­va.

Se­gun­do a de­nún­cia, apre­sen­ta­da há mais de 10 me­ses, Aé­cio so­li­ci­tou a Jo­es­ley Ba­tis­ta, em con­ver­sa gra­va­da pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral (PF), R$ 2 mi­lhões em pro­pi­na, em tro­ca de sua atu­a­ção po­lí­ti­ca. O se­na­dor foi acu­sa­do pe­lo en­tão procurador-​geral da Re­pú­bli­ca Ro­dri­go Ja­not dos cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e ten­ta­ti­va de obs­truir a Jus­ti­ça.

Nos me­mo­rais en­vi­a­dos nes­ta segunda-​feira aos mi­nis­tros da Pri­mei­ra Tur­ma, ór­gão res­pon­sá­vel pe­lo jul­ga­men­to do ca­so, a pro­cu­ra­do­ra re­ba­teu as ar­gu­men­ta­ções da de­fe­sa e pe­diu o re­ce­bi­men­to da de­nún­cia.

“Tal con­du­ta ca­rac­te­ri­za o de­no­mi­na­do ato de ofí­cio em po­ten­ci­al, des­de que pre­sen­tes as de­mais ele­men­ta­res do ti­po pe­nal do cri­me de cor­rup­ção. Es­sas con­clu­sões fá­ti­cas bas­tam pa­ra en­qua­drar a con­du­ta de Aé­cio Ne­ves e dos de­mais acu­sa­dos no cri­me de cor­rup­ção pas­si­va”, diz a PGR.

Em no­ta di­vul­ga­da na úl­ti­ma terça-​feira, o ad­vo­ga­do Al­ber­to To­ron, que re­pre­sen­ta Aé­cio Ne­ves, dis­se que o se­na­dor foi “ví­ti­ma de uma si­tu­a­ção for­ja­da, ar­qui­te­ta­da por cri­mi­no­sos con­fes­sos que, sob a ori­en­ta­ção do en­tão pro­cu­ra­dor Mar­ce­lo Mil­ler, bus­ca­vam fir­mar um acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da fan­tás­ti­co”.

Vão par­ti­ci­par do jul­ga­men­to os mi­nis­tros Mar­co Au­ré­lio, re­la­tor, Ro­sa We­ber, Luiz Fux, Ale­xan­dre de Mo­ra­es e Luís Ro­ber­to Bar­ro­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,