O ex-​ministro An­to­nio Pa­loc­ci, pre­so des­de se­tem­bro de 2016, as­si­nou acor­do de de­la­ção pre­mi­a­da com a Po­lí­cia Fe­de­ral, in­for­ma O Glo­bo. De acor­do com a re­por­ta­gem, fon­tes ou­vi­das pe­lo jor­nal con­fir­ma­ram que os in­ves­ti­ga­do­res já con­cluí­ram a fa­se de to­ma­da de de­poi­men­tos. A co­la­bo­ra­ção ain­da pre­ci­sa ser ho­mo­lo­ga­da pe­la Jus­ti­ça.

Agên­cia Bra­sil


Palocci está preso desde setembro de 2016

Pa­loc­ci foi con­de­na­do pe­lo juiz Ser­gio Mo­ro, que co­man­da os pro­ces­sos da Ope­ra­ção La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba, a 12 anos, 2 me­ses e 20 di­as de pri­são pe­los cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro. Ele dei­xou o PT, do qual era um dos fun­da­do­res e um dos no­mes mais in­flu­en­tes, de­pois de fa­zer acu­sa­ções con­tra o ex-​presidente Lu­la e di­zer que o pe­tis­ta fez um “pac­to de san­gue” com a di­re­ção da Ode­bre­cht.

Na de­la­ção, se­gun­do O Glo­bo, Pa­loc­ci de­ve tra­tar de sua re­la­ção pes­so­al com o uni­ver­so po­lí­ti­co, das ne­go­ci­a­tas com em­pre­sá­ri­os e do lobby de­sem­pe­nha­do por ele no go­ver­no em fa­vor de em­pre­sá­ri­os. Mas, além de de­ta­lhar nos de­poi­men­tos os ca­sos de cor­rup­ção dos quais par­ti­ci­pou ou te­ve co­nhe­ci­men­to, o ex-​ministro te­rá de apre­sen­tar pro­vas do que diz. Se men­tir ou que­brar al­gu­mas das cláu­su­las fir­ma­das, po­de­rá per­der os be­ne­fí­ci­os ne­go­ci­a­dos.

A PF man­tém em si­gi­lo as van­ta­gens ofe­re­ci­das a Pa­loc­ci em tro­ca de su­as re­ve­la­ções. O acor­do foi fe­cha­do com os po­li­ci­ais de­pois da re­cu­sa do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral. Na se­ma­na pas­sa­da, o mi­nis­tro te­ve um pe­di­do de li­ber­da­de ne­ga­do pe­lo Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que con­si­de­rou te­me­rá­rio liberá-​lo da pri­são no atu­al es­tá­gio das in­ves­ti­ga­ções. Com a co­la­bo­ra­ção, no en­tan­to, a si­tu­a­ção do mi­nis­tro po­de­rá ser re­vis­ta pe­la Jus­ti­ça.

Pa­loc­ci de­ve dar no­vo fô­le­go às in­ves­ti­ga­ções. Além de atu­ar co­mo lo­bis­ta de vá­ri­as em­pre­sas, o ex-​ministro da Fa­zen­da e da Ca­sa Ci­vil era o en­car­re­ga­do de me­di­ar a re­la­ção en­tre o PT, o go­ver­no e a cú­pu­la da Ode­bre­cht.

Em de­poi­men­tos an­te­ri­o­res, Pa­loc­ci já ha­via de­cla­ra­do que a re­la­ção dos em­pre­sá­ri­os com o go­ver­no Dil­ma era “bas­tan­te mo­vi­da” a van­ta­gens con­ce­di­das a em­pre­sas me­di­an­te o con­se­quen­te pa­ga­men­to de pro­pi­nas e re­pas­ses de cai­xa dois ao PT.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,