O mi­nis­tro Cel­so de Mel­lo, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), ar­qui­vou uma queixa-​crime aber­ta na Cor­te aber­ta a pe­di­do do de­pu­ta­do fe­de­ral Je­an Wyllys (Psol-​RJ) con­tra o tam­bém de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSL-​RJ), pré-​candidato à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Na ação, Je­an Wyllys ale­ga­va su­pos­ta prá­ti­ca de cri­mes con­tra a hon­ra.

Agên­cia Câ­ma­ra


Durante discussão em uma comissão na Câmara, Bolsonaro chamou Jean Wyllys de "idiota" e "imbecil"

Du­ran­te uma dis­cus­são em ses­são da Co­mis­são de Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Câ­ma­ra, em 2015, Bol­so­na­ro cha­mou Je­an Wyllys de “idi­o­ta”, “im­be­cil” e “cu am­bu­lan­te”. No en­tan­to, pa­ra Cel­so de Mel­lo, “Há de ser am­pla a li­ber­da­de de pa­la­vra as­se­gu­ra­da aos mem­bros do Con­gres­so Na­ci­o­nal, ain­da mais quan­do es­sa prer­ro­ga­ti­va cons­ti­tu­ci­o­nal for exer­ci­da, co­mo su­ce­deu no ca­so ora em exa­me, no âm­bi­to da pró­pria Ca­sa le­gis­la­ti­va”.

No en­ten­di­men­to do de­ca­no na Cor­te, a imu­ni­da­de par­la­men­tar con­fe­ri­da a Bol­so­na­ro não per­mi­te que o con­gres­sis­ta se­ja res­pon­sa­bi­li­za­do no ca­so.

“En­ten­do in­ci­dir, na es­pé­cie, a ga­ran­tia cons­ti­tu­ci­o­nal da imu­ni­da­de par­la­men­tar em sen­ti­do ma­te­ri­al, ap­ta a exo­ne­rar o con­gres­sis­ta em ques­tão de qual­quer res­pon­sa­bi­li­da­de – pe­nal ou ci­vil – even­tu­al­men­te re­sul­tan­te de seus pro­nun­ci­a­men­tos no âm­bi­to da Ca­sa le­gis­la­ti­va, tal co­mo tem de­ci­di­do o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral”, jus­ti­fi­cou Cel­so de Mel­lo.

Em maio de 2016, a Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) já ha­via se ma­ni­fes­ta­do na ação sob o mes­mo en­ten­di­men­to. Ao Con­gres­so em Fo­co, a as­ses­so­ria de im­pren­sa do par­la­men­tar afir­mou que a de­fe­sa de Je­an Wyllys ain­da ana­li­sa a de­ci­são.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,