Na noi­te de 5 de ja­nei­ro des­te ano, o en­tão mi­nis­tro da Fa­zen­da Hen­ri­que Mei­rel­les, ago­ra pré-​candidato à Pre­si­dên­cia, par­ti­ci­pou de um cul­to na se­de da igre­ja evan­gé­li­ca Sa­ra Nos­sa Ter­ra, em Bra­sí­lia. Mei­rel­les foi fes­te­ja­do e re­ce­bi­do com pom­pa na igre­ja fun­da­da pe­lo bis­po Rob­son Ro­do­va­lho, que foi de­pu­ta­do por um man­da­to re­pre­sen­tan­do o Dis­tri­to Fe­de­ral. Apre­sen­ta­do pe­lo em­pre­sá­rio Flá­vio Ro­cha, in­te­gran­te da co­mu­ni­da­de evan­gé­li­ca e pré-​candidato ao Pla­nal­to, o mi­nis­tro orou e foi aben­ço­a­do no pal­co por Ro­do­va­lho e sua es­po­sa, a tam­bém bis­pa Lú­cia Ro­do­va­lho.

Ca­ro­li­na Antunes/​Presidência da Re­pú­bli­ca


Em 2016, ainda na interinidade, Temer recebeu Robson Rodovalho e um grupo de pastores que pedia "combate à ideologia de gênero e a defesa dos direitos da família tradicional"

Des­de o ano pas­sa­do, o bis­po se con­ver­teu em um pre­ga­dor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. Lí­der de uma con­gre­ga­ção que reú­ne apro­xi­ma­da­men­te 1,3 mi­lhão de fiéis em to­do o país e no ex­te­ri­or, Ro­do­va­lho de­fen­deu a ne­ces­si­da­de de no­vas re­gras pa­ra pen­sões e apo­sen­ta­do­ri­as em en­con­tros com re­li­gi­o­sos. Sem os 308 vo­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a apro­va­ção na Câ­ma­ra, a pro­pos­ta de Mei­rel­les e do Pa­lá­cio do Pla­nal­to nau­fra­gou no ple­ná­rio. Mas o bis­po não tem do que se quei­xar, ao me­nos fi­nan­cei­ra­men­te.

En­tre 2017 e 2018, o go­ver­no re­pas­sou R$ 862,8 mil pa­ra o CNPJ da Fun­da­ção Sa­ra Nos­sa Ter­ra. Es­se foi um dos 20 mai­o­res mon­tan­tes gas­tos pe­la Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al da Pre­si­dên­cia (Se­com) pa­ra pro­pa­gan­de­ar a re­for­ma en­ga­ve­ta­da. A ins­ti­tui­ção re­li­gi­o­sa pos­sui uma es­tru­tu­ra pró­pria de co­mu­ni­ca­ção pa­ra che­gar aos fiéis. Além da TV Gê­ne­sis, o gru­po in­clui a rá­dio Re­de Sa­ra Bra­sil FM, pre­sen­te em no­ve ci­da­des, e o por­tal Sa­ra­on­li­ne.

No iní­cio de ja­nei­ro, a re­for­ma já ago­ni­za­va ha­via um ano e o go­ver­no lan­ça­va mão de seus úl­ti­mos re­cur­sos pa­ra ten­tar a apro­va­ção. Pou­co mais de um mês de­pois, ela foi de­fi­ni­ti­va­men­te en­ter­ra­da com o de­cre­to de in­ter­ven­ção fe­de­ral no Rio de Ja­nei­ro, que im­pe­de a vo­ta­ção de emen­das cons­ti­tu­ci­o­nais du­ran­te es­se pe­río­do.

Lobby pela reforma

Em 17º lu­gar na so­ma de va­lo­res, os pa­ga­men­tos à Fun­da­ção Sa­ra Nos­sa Ter­ra fo­ram fei­tos em seis me­ses di­fe­ren­tes e es­tão en­tre os mais al­tos. Três dos seis pa­ga­men­tos fi­gu­ram no “Top 10” dos mai­o­res mon­tan­tes pa­gos no mês. Os da­dos so­bre os re­pas­ses pa­ra a pro­pa­gan­da da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia fo­ram ob­ti­dos pe­lo Con­gres­so em Fo­co por meio da Lei de Aces­so à In­for­ma­ção (LAI).

Em 24 de ou­tu­bro, a Con­fe­de­ra­ção dos Con­se­lhos de Pas­to­res do Bra­sil (Con­ce­pab), pre­si­di­da por Ro­do­va­lho, se reu­niu pa­ra dis­cu­tir o ce­ná­rio na­ci­o­nal pa­ra 2018. A reu­nião te­ve a pre­sen­ça de pas­to­res re­pre­sen­tan­tes de 11 uni­da­des fe­de­ra­ti­vas, além do se­cre­tá­rio da Pre­vi­dên­cia, Mar­ce­lo Ca­e­ta­no.

Não era a pri­mei­ra reu­nião de Ro­do­va­lho pa­ra tra­tar do as­sun­to. Em maio, o bis­po e a ban­ca­da evan­gé­li­ca no Con­gres­so já ha­vi­am se reu­ni­do pa­ra dis­cu­tir al­guns pon­tos con­si­de­ra­dos “pre­o­cu­pan­tes” na PEC. Mes­mo as­sim, a en­ti­da­de já ti­nha de­cla­ra­do apoio à re­for­ma em no­ta so­bre a ce­le­bra­ção de 1º de maio.

Na oca­sião, a Con­ce­pab de­cla­rou ser “fa­vo­rá­vel às re­for­mas, des­de que re­sul­tem do bom de­ba­te, no fó­rum apro­pri­a­do, o Con­gres­so Na­ci­o­nal” e pro­mo­vam “ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de” e “con­te­nham o dé­fi­cit bi­li­o­ná­rio cres­cen­te” da Pre­vi­dên­cia.

Maio de 2017 tam­bém foi o mês em que a Fun­da­ção Sa­ra Nos­sa Ter­ra re­ce­beu o mai­or dos seis pa­ga­men­tos des­ti­na­dos a ela. Fo­ram R$ 218,1 mil pa­ra vei­cu­lar pro­pa­gan­da so­bre a re­for­ma, o sé­ti­mo mai­or va­lor pa­go no pe­río­do, per­den­do ape­nas pa­ra as emis­so­ras de TV Glo­bo e Re­cord, pa­ra o Fa­ce­bo­ok, pa­ra o ca­nal SBT e pa­ra o Twit­ter, res­pec­ti­va­men­te.

Na noi­te em que Mei­rel­les foi ao cul­to em sua igre­ja, Ro­do­va­lho re­for­çou o apoio à re­for­ma. “De­fen­do o po­vo. Não que­ro que a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pou­pe só o ca­pi­tal”, res­sal­tou em en­tre­vis­ta ao jor­nal O Es­ta­do de S. Pau­lo. O bis­po dis­se que a Sa­ra Nos­sa Ter­ra ha­via “am­pli­a­do o diá­lo­go” com o en­tão mi­nis­tro da Fa­zen­da por­que a igre­ja tem uma am­pla “re­de” de 1,5 mil em­pre­sá­ri­os li­ga­dos a ela. No mês an­te­ri­or, de­zem­bro, a fun­da­ção da igre­ja ha­via re­ce­bi­do o se­gun­do mai­or pa­ga­men­to re­gis­tra­do: R$188,7 mil.

O Con­gres­so em Fo­co pro­cu­rou a Sa­ra Nos­sa Ter­ra e a Se­cre­ta­ria de Co­mu­ni­ca­ção da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca (Se­com) pa­ra es­cla­re­cer a mo­ti­va­ção e os cri­té­ri­os dos re­pas­ses.

A igre­ja ig­no­rou o ques­ti­o­ná­rio en­vi­a­do pe­la re­por­ta­gem. En­tre ou­tras coi­sas, o Con­gres­so em Fo­co per­gun­tou qual é o al­can­ce e a au­di­ên­cia dos veí­cu­los do gru­po, se a pro­pa­gan­da tam­bém foi fei­ta den­tro dos tem­plos re­li­gi­o­sos e se ha­via re­la­ção en­tre as ma­ni­fes­ta­ções do bis­po Ro­do­va­lho, de apoio à re­for­ma, e o re­pas­se pu­bli­ci­tá­rio.

“A Re­de Gê­ne­sis de TV, por meio de sua ge­ra­do­ra, em Bra­sí­lia, 20 re­trans­mis­so­ras e par­ce­ri­as com ou­tras de­no­mi­na­ções, ope­ra com ca­pi­la­ri­da­de na­ci­o­nal, em si­nal aber­to, além das ca­pi­tais, pa­ra mais 600 mu­ni­cí­pi­os. Es­sa es­tru­tu­ra, as­so­ci­a­da à sua cre­di­bi­li­da­de, é o que ofe­re­ce aos anun­ci­an­tes”, limitou-​se a in­for­mar o gru­po da Sa­ra Nos­sa Ter­ra.

Se­gun­do a Se­com, a TV Gê­ne­sis e a Rá­dio Sa­ra Bra­sil es­tão re­gu­lar­men­te ca­das­tra­das e cum­pri­ram to­das as exi­gên­ci­as for­mais ne­ces­sá­ri­as pa­ra vei­cu­lar ações de di­vul­ga­ção. “A se­le­ção e pro­gra­ma­ção nas cam­pa­nhas da Se­com se de­ram por ofe­re­ce­rem co­ber­tu­ra ter­ri­to­ri­al na­ci­o­nal e pro­por­ci­o­na­ram al­can­ce da par­ce­la de pú­bli­co im­por­tan­te pa­ra o atin­gi­men­to dos ob­je­ti­vos de mí­dia das ações da Se­com. Es­se cri­té­rio é abran­gen­te e con­tem­plou ou­tros veí­cu­los do segmento/​perfil de pú­bli­co re­li­gi­o­so”, in­for­mou o ór­gão de co­mu­ni­ca­ção do go­ver­no. A Se­com tam­bém de­cla­rou que o pro­ce­di­men­to se­guiu to­das as ori­en­ta­ções nor­ma­ti­vas.

O eleitorado evangélico

Os lí­de­res evan­gé­li­cos têm se co­lo­ca­do co­mo players im­por­tan­tes na bus­ca de vo­tos por po­lí­ti­cos, uma vez que po­dem in­flu­en­ci­ar uma par­te im­por­tan­te do elei­to­ra­do. Com o cres­ci­men­to do con­ser­va­do­ris­mo e a in­fluên­cia da re­li­gião na po­lí­ti­ca, re­fle­ti­da no ta­ma­nho da cha­ma­da “Ban­ca­da da Bí­blia” no Con­gres­so, que tem mais de 200 par­la­men­ta­res evan­gé­li­cos e ca­tó­li­cos, o apoio em for­ma de vo­to des­sa par­ce­la da po­pu­la­ção é ca­da vez mais al­me­ja­do pe­la clas­se po­lí­ti­ca.

Con­ven­cer o elei­to­ra­do evan­gé­li­co da im­por­tân­cia da apro­va­ção das no­vas re­gras era uma ta­re­fa con­si­de­ra­da im­por­tan­te pe­lo go­ver­no. Uma pes­qui­sa en­co­men­da­da ao Ibo­pe pe­lo pró­prio Pla­nal­to no fim de ja­nei­ro apon­ta­va que ape­nas 14% dos en­tre­vis­ta­dos eram a fa­vor da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A pres­são de re­li­gi­o­sos po­de­ria ser im­por­tan­te pa­ra re­ver­ter es­se qua­dro. Se­gun­do o úl­ti­mo Cen­so do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), re­fe­ren­te a 2010, os evan­gé­li­cos já eram 22% da po­pu­la­ção, so­man­do 42,3 mi­lhões de bra­si­lei­ros. Àque­la épo­ca, o cres­ci­men­to já era de 61% em re­la­ção a 2000.

O pró­prio fun­da­dor da Sa­ra Nos­sa Ter­ra, bis­po Rob­son Ro­do­va­lho, in­te­grou a ban­ca­da evan­gé­li­ca. Elei­to de­pu­ta­do fe­de­ral em 2006, ele te­ve seu man­da­to cas­sa­do por in­fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria no Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) no fim de 2010. Na épo­ca, ele tro­cou o par­ti­do do ex-​governador Jo­sé Ro­ber­to Ar­ru­da, que ha­via pas­sa­do dois me­ses pre­so, pe­lo PP. Co­mo a le­gis­la­tu­ra já es­ta­va se en­cer­ran­do, a de­ci­são da Cor­te elei­to­ral não te­ve efei­to prá­ti­co. O bis­po, po­rém, aca­bou ab­di­can­do da re­e­lei­ção.

A re­la­ção com a po­lí­ti­ca não pa­ra por aí. Um dos fiéis da Sa­ra Nos­sa Ter­ra foi o ex-​deputado Edu­ar­do Cu­nha (MDB-​RJ), atu­al­men­te pre­so. A Sa­ra foi a pri­mei­ra igre­ja evan­gé­li­ca fre­quen­ta­da pe­lo flu­mi­nen­se, que de­pois se apro­xi­mou da As­sem­bleia de Deus mas sem cor­tar la­ços com a igre­ja an­te­ri­or.

Ou­tro no­me po­lí­ti­co li­ga­do à ins­ti­tui­ção re­li­gi­o­sa é o do em­pre­sá­rio Flá­vio Ro­cha, do­no da re­de de lo­jas Ri­a­chu­e­lo e pré-​candidato do PRB à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. Foi de­le a in­cum­bên­cia de cha­mar o en­tão mi­nis­tro Mei­rel­les ao pal­co no iní­cio de ja­nei­ro.

Cri­a­da em 1994 em Bra­sí­lia, a Co­mu­ni­da­de Evan­gé­li­ca Sa­ra Nos­sa Ter­ra é uma igre­ja ne­o­pen­te­cos­tal com mais de mil tem­plos es­pa­lha­dos, por meio de cé­lu­las, pe­lo Bra­sil e pe­lo ex­te­ri­or. Es­tá pre­sen­te em paí­ses co­mo Es­ta­dos Uni­dos, Ale­ma­nha, Es­pa­nha, Por­tu­gal, Ho­lan­da, In­gla­ter­ra, Suí­ça, Itá­lia, Fran­ça, Ar­gen­ti­na, Fin­lân­dia, Gui­né Bis­sau, Pe­ru, Uru­guai e Pa­ra­guai.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,