Em des­pa­cho ex­pe­di­do nes­ta quinta-​feira (26), o juiz Sér­gio Mo­ro, da 13ª Va­ra Fe­de­ral de Cu­ri­ti­ba, dis­se que a ação pe­nal em que o ex-​presidente Lu­la é acu­sa­do de re­ce­ber van­ta­gens in­de­vi­das por meio da re­for­ma de um sí­tio em Ati­baia (SP) tem mais pro­vas, além das de­la­ções de exe­cu­ti­vos da Ode­bre­cht. O ca­so per­ma­ne­ce, por ora, em Cu­ri­ti­ba, de­ci­diu o ma­gis­tra­do.

Agên­cia Bra­sil


Para Moro, há “precipitação” de ambas as partes, pois a decisão do STF sequer foi publicada

“Opor­tu­no lem­brar que a pre­sen­te in­ves­ti­ga­ção pe­nal iniciou-​se mui­to an­tes da dis­po­ni­bi­li­za­ção a es­te Juí­zo dos ter­mos de de­poi­men­tos dos exe­cu­ti­vos da Ode­bre­cht em acor­dos de co­la­bo­ra­ção, que ela tem por ba­se ou­tras pro­vas além dos re­fe­ri­dos de­poi­men­tos”, es­cre­veu Mo­ro no des­pa­cho, com o qual ne­gou pe­di­do da de­fe­sa pa­ra que o ca­so fos­se re­me­ti­do à Jus­ti­ça Fe­de­ral em São Pau­lo ou em Bra­sí­lia.

O pe­di­do da de­fe­sa foi fei­to após a Se­gun­da Tur­ma do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) ter de­ter­mi­na­do, na úl­ti­ma terça-​feira (24), o en­vio de acu­sa­ções fei­tas por exe­cu­ti­vos da Ode­bre­cht con­tra Lu­la, que es­ta­van sob res­pon­sa­bi­li­da­de de Mo­ro, pa­ra a Jus­ti­ça Fe­de­ral em São Pau­lo, on­de os su­pos­tos cri­mes te­ri­am ocor­ri­do.

Em de­cor­rên­cia da de­ci­são, os ad­vo­ga­dos de Lu­la en­tra­ram com uma pe­ti­ção pa­ra que não só as de­la­ções co­mo tam­bém to­do o pro­ces­so fos­se re­me­ti­do à Jus­ti­ça em SP ou em Bra­sí­lia, on­de Lu­la exer­ceu a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca à épo­ca dos fa­tos. Is­so por­que o ex-​presidente não po­de­ria ser jul­ga­do em du­as ju­ris­di­ções pe­lo mes­mo ca­so, que não te­ria re­la­ção com des­vi­os na Pe­tro­bras, afastando-​se as­sim a com­pe­tên­cia de Mo­ro, ale­gou a de­fe­sa.

No mes­mo dia, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF) manifestou-​se no pro­ces­so, afir­man­do que a de­ci­são do STF tem ca­rá­ter “su­per­fi­ci­al”, não afe­tan­do a com­pe­tên­cia de Mo­ro pa­ra jul­gar tan­to o ca­so do si­tio em Ati­baia co­mo um ou­tro, no qual o ex-​presidente é acu­sa­do de re­ce­ber pro­pi­na por meio da com­pra de uma no­va se­de pa­ra o Ins­ti­tu­to Lu­la.

Pa­ra Mo­ro, há “pre­ci­pi­ta­ção” de am­bas as par­tes, pois a de­ci­são do STF se­quer foi pu­bli­ca­da. “É cer­to que a de­ci­são de­ve­rá ser con­si­de­ra­da pa­ra a ava­li­a­ção da com­pe­tên­cia des­te Juí­zo pa­ra a pre­sen­te ação pe­nal, mas is­so não é al­go au­to­má­ti­co”, afir­mou o juiz. Ele acres­cen­tou que a ques­tão da com­pe­tên­cia, de fa­to, po­de ter si­do afe­ta­da, mas se­rá jul­ga­da no mo­men­to ade­qua­do em ou­tro ti­po de pro­ces­so, já aber­to pe­la de­fe­sa, cha­ma­do ex­ce­ção de com­pe­tên­cia.

As ações so­bre o si­tio em Ati­baia e a se­de do Ins­ti­tu­to Lu­la, em São Pau­lo, tra­mi­tam em se­pa­ra­do da ação so­bre o tri­plex no Gua­ru­já (SP), em de­cor­rên­cia da qual Lu­la foi pre­so no úl­ti­mo dia 7.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,