Pré-​candidatos à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca se ma­ni­fes­ta­ram em di­fe­ren­tes pla­ta­for­mas, por re­des so­ci­ais ou em atos do Dia do Tra­ba­lha­dor, a res­pei­to do in­cên­dio se­gui­do de de­sa­ba­men­to do edi­fí­cio Wil­ton Pa­es de Al­mei­da, na ma­dru­ga­da des­ta se­gun­da pa­ra terça-​feira (1º de maio), no cen­tro de São Pau­lo. Mas te­ve pre­si­den­ciá­vel que, da­da a con­jun­tu­ra na­ci­o­nal, te­nha pre­fe­ri­do o si­lên­cio, mes­mo nas re­des so­ci­ais, pa­ra evi­tar “vai­as” (leia mais abai­xo).

Pau­lo Pinto/​Fotos Pú­bli­cas


Bombeiro rumo aos escombros: resgate atua desde a madrugada no local do desabamento

No Twit­ter, a pré-​candidata do PC­doB, Ma­nu­e­la d’Ávila, ma­ni­fes­tou sua “tris­te­za enor­me”. “A res­pon­sa­bi­li­da­de por um pré­dio que tom­ba, com tra­ba­lha­do­res e tra­ba­lha­do­ras den­tro, que ocu­pam por não ter ca­sa, é do es­ta­do que não ga­ran­te mo­ra­dia. Mi­nha so­li­da­ri­e­da­de às ví­ti­mas e apoio aos que lu­tam por um te­to pa­ra vi­ver”, dis­se a de­pu­ta­da es­ta­du­al, que re­pe­tiu e in­cre­men­tou seu dis­cur­so con­tra o es­ta­do de São Pau­lo em Cu­ri­ti­ba, on­de par­ti­ci­pou de ato em de­fe­sa de Lu­la e con­tra as re­for­mas do go­ver­no Te­mer. No Fa­ce­bo­ok, Ma­nu­e­la apro­vei­tou pa­ra su­ge­rir uma “lis­ta emer­gen­ci­al” de do­a­ções pa­ra as ví­ti­mas.

“Se al­guém qui­ser aju­dar as fa­mí­li­as da ocu­pa­ção que foi in­cen­di­a­da e des­mo­ro­nou nes­ta ma­dru­ga­da, elas es­tão pre­ci­san­do de tu­do, pois tu­do que ti­nham vi­rou cin­zas!”, es­cre­veu a co­mu­nis­ta.

Pré-​candidato do PDT, o ex-​governador do Ce­a­rá e ex-​ministro Ci­ro Go­mes tam­bém no Fa­ce­bo­ok pa­ra se re­fe­rir à fa­ta­li­da­de. Mas, di­fe­ren­te­men­te de Ma­nu­e­la, Ci­ro não es­cre­veu tex­to ma­ni­fes­tan­do so­li­da­ri­e­da­de às ví­ti­mas ou cri­ti­can­do o po­der pú­bli­co. Ele pre­fe­riu cri­ti­car de­cla­ra­ções do ex-​prefeito de São Pau­lo João Do­ria (PSDB) so­bre o de­sa­ba­men­to – em vi­si­ta à 25ª Agrishow, em Ri­bei­rão Pre­to (SP), o tu­ca­no dis­se que par­te do pré­dio foi ocu­pa­da por “fac­ções cri­mi­no­sas”, ser­vin­do co­mo “cen­tro de dis­tri­bui­ção de dro­gas”.

“Com­pai­xão pra quê ein, Do­ria…”, re­cla­mou o pre­si­den­ciá­vel, adi­ci­o­nan­do à fra­se um “emo­ji” da rai­va, fi­gu­ra com ex­pres­são fa­ci­al usa­da em tro­cas de men­sa­gem na in­ter­net.

No­me da Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, a tam­bém ex-​ministra Ma­ri­na Sil­va vei­cu­lou no Fa­ce­bo­ok e no Twit­ter um ví­deo em que diz não ha­ver “mo­ti­vos pa­ra co­me­mo­rar nes­te Dia do Tra­ba­lha­dor. Lem­bran­do dos mais de 13 mi­lhões de de­sem­pre­ga­dos, Ma­ri­na la­men­ta que gran­de par­te da po­pu­la­ção já per­deu a es­pe­ran­ça de en­con­trar em­pre­go nos pró­xi­mos tem­pos.

“Além dis­so, te­mos tra­gé­di­as co­mo es­sa que acon­te­ceu no Lar­go do Pai­çan­du, on­de a mai­o­ria das pes­so­as que vi­via ali sem ne­nhum res­pei­to pe­la sua dig­ni­da­de hu­ma­na, com cer­te­za são aque­les que tam­bém ti­nham mui­ta di­fi­cul­da­de em con­se­guir um tra­ba­lho. Eu so­nho com um país on­de a gen­te pos­sa re­cu­pe­rar opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho pa­ra ho­mens, mu­lhe­res e jo­vens”, de­cla­rou a ex-​ministra do Meio Am­bi­en­te do go­ver­no Lu­la (2003-​2010).

“Culpa” das vítimas

Lí­der do Mo­vi­men­to dos Tra­ba­lha­do­res Sem Te­to (MTST), Gui­lher­me Bou­los, além de ma­ni­fes­tar so­li­da­ri­e­da­de às ví­ti­mas do de­sa­ba­men­to e cri­ti­car as au­to­ri­da­des do es­ta­do, foi pa­ra as re­des so­ci­ais pa­ra ne­gar en­vol­vi­men­to com os ocu­pan­tes do pré­dio. No­me do Psol pa­ra a su­ces­são de Mi­chel Te­mer (MDB), Bou­los gra­vou ví­deo mais ce­do pa­ra di­zer que a ocu­pa­ção do pré­dio não foi fei­ta pe­lo MTST, mas pe­lo Mo­vi­men­to de Lu­ta So­ci­al por Mo­ra­dia (MLSM), que atua na re­gião cen­tral da ca­pi­tal pau­lis­ta.

“Te­mos vis­to com per­ple­xi­da­de gen­te que­ren­do cul­par as pró­pri­as vi­ti­mas, por con­ta das con­di­ções do pré­dio. Nin­guém vai pa­ra uma ocu­pa­ção por que quer. Mas por to­tal fal­ta de al­ter­na­ti­va. Se há al­guém res­pon­sá­vel por is­so é o po­der pú­bli­co, que não as­se­gu­rou mo­ra­dia pa­ra es­sas fa­mí­li­as”, pro­tes­tou o pré-​candidato.

Es­co­lhi­do pe­lo PSC pa­ra a cor­ri­da pre­si­den­ci­al, o em­pre­sá­rio Pau­lo Ra­bel­lo de Cas­tro fez o se­guin­te co­men­tá­rio no Twit­ter: “Dia do Tra­ba­lha­dor em São Pau­lo co­me­mo­ra­do com uma lá­gri­ma nos olhos: pré­dio fe­de­ral ocu­pa­do por pes­so­as sem te­to de­sa­ba no cen­tro da ci­da­de. Uma ce­na que es­pe­lha o es­ta­do de de­sa­ba­men­to mo­ral e econô­mi­co do nos­so País. Mas es­sa é a ho­ra de re­a­gir pes­so­al!!”, es­cre­veu Pau­lo, que mais tar­de vol­ta­ria à re­de so­ci­al pa­ra pos­tar fo­to de ato de 1º de Maio re­a­li­za­do pe­la For­ça Sin­di­cal.

“Fes­ta e Lu­ta no 1º de Maio da For­ça Sin­di­cal. Afir­mei lá que a Re­pú­bli­ca de­sa­bou. E de­sa­bou mes­mo….”, acres­cen­tou o pre­si­den­ciá­vel.

Medo de vaias

Tam­bém lan­ça­dos na dis­pu­ta ao Pa­lá­cio do Pla­nal­to, no­mes co­mo o do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), e o do de­pu­ta­do Jair Bol­so­na­ro (PSL) não ha­vi­am se ma­ni­fes­ta­do so­bre o de­sas­tre até a pu­bli­ca­ção des­ta re­por­ta­gem. Ao me­nos nas re­des so­ci­ais – e, pro­va­vel­men­te, tam­bém não em pú­bli­co, pa­ra não se­rem vai­a­dos nes­te 1º de Maio. Se­gun­do re­por­ta­gem vei­cu­la­da nes­ta terça-​feira pe­lo si­te do jor­nal Fo­lha de S.Paulo, al­guns pré-​candidatos à Pre­si­dên­cia fo­ram con­vi­da­dos pa­ra o ato da For­ça Sin­di­cal re­a­li­za­do em São Pau­lo, mas não fo­ram “com me­do de vaia”, se­gun­do o de­pu­ta­do Pau­li­nho da For­ça, lí­der da cen­tral e re­pre­sen­tan­te do So­li­da­ri­e­da­de na Câ­ma­ra.

Go­ver­na­dor de São Pau­lo até 6 de abril, quan­do se de­sin­com­pa­ti­bi­li­zou pa­ra po­der dis­pu­tar a Pre­si­dên­cia, o tu­ca­no Ge­ral­do Alck­min tam­bém não ha­via se ma­ni­fes­ta­do até a con­clu­são des­te ma­te­ri­al. Nas re­des so­ci­ais, limitou-​se a pos­tar a se­guin­te men­sa­gem em re­fe­rên­cia ao Dia do Tra­ba­lha­dor. “Ho­je é uma das da­tas mais im­por­tan­tes do ano: o Dia do Tra­ba­lho. So­mos um país ex­tre­ma­men­te ba­ta­lha­dor. Pre­ci­sa­mos de mais opor­tu­ni­da­des, com ge­ra­ção de em­pre­gos e mai­or ren­da pa­ra os bra­si­lei­ros. É pa­ra es­se la­do que nos­so país tem que ca­mi­nhar!”, es­cre­veu.

Vaia mes­mo quem re­ce­beu foi Te­mer, que não se im­por­tou com seus al­tos ín­di­ces de im­po­pu­la­ri­da­de e re­sol­veu ir ao lo­cal do de­sa­ba­men­to. Pa­ra além das vai­as, Te­mer foi xin­ga­do, por pou­co não foi atin­gi­do por ob­je­tos lan­ça­dos por po­pu­la­res e te­ve seu car­ro chu­ta­do e es­ta­pe­a­do pe­los ma­ni­fes­tan­tes mais en­fu­re­ci­dos (ve­ja o ví­deo). Por meio de no­ta di­vul­ga­da mais ce­do, o eme­de­bis­ta dis­se ter de­ter­mi­na­do ao Mi­nis­tro da In­te­gra­ção Na­ci­o­nal, An­to­nio de Pá­dua, “o em­pre­en­di­men­to de to­dos os es­for­ços pa­ra mi­ni­mi­zar os da­nos” do in­cên­dio.

“O pre­si­den­te Te­mer es­te­ve no lo­cal pa­ra co­mu­ni­car que o go­ver­no fe­de­ral es­tá to­man­do pro­vi­dên­ci­as”, fi­na­li­zou o cur­to co­mu­ni­ca­do pre­si­den­ci­al.

Patrimônio abandonado

A obra do edi­fí­cio Wil­ton Pa­es de Al­mei­da con­su­miu se­te anos de tra­ba­lho, en­tre 1961 e 1968, pa­ra ser a pri­mei­ra se­de da Com­pa­nhia Co­mer­ci­al Vi­dros do Bra­sil. O pré­dio foi pro­je­ta­do pe­lo ar­qui­te­to fran­cês Ro­ger Zmekhol (1928-​1976), em es­ti­lo mo­der­nis­ta, e inau­gu­ra­do em 1968, em ple­na di­ta­du­ra mi­li­tar. Sua es­tru­tu­ra, er­gui­da em um ter­re­no de 650 me­tros qua­dra­dos, ti­nha área cons­truí­da de 12 mil me­tros qua­dra­dos. Cons­truí­do ao la­do da Igre­ja Evan­gé­li­ca Lu­te­ra­na de São Pau­lo, seu de­sa­ba­men­to des­truiu par­te do tem­plo.

Em 1992, foi tom­ba­do co­mo pa­trimô­nio his­tó­ri­co por ter si­do con­si­de­ra­do “bem de in­te­res­se his­tó­ri­co, ar­qui­tetô­ni­co e pai­sa­gís­ti­co”. Pro­pri­e­da­de da União des­de 2002, o pré­dio já abri­gou uni­da­des da Po­lí­cia Fe­de­ral e do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal do Se­gu­ro So­ci­al (INSS) e, atu­al­men­te, aco­lhia fa­mí­li­as sem te­to há anos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,