Des­de o dia 3 de maio, quan­do o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu de for­ma unâ­ni­me res­trin­gir o fo­ro pri­vi­le­gi­a­do de de­pu­ta­dos fe­de­rais e se­na­do­res, pe­lo me­nos 50 inqué­ri­tos e ações pe­nais já “des­ce­ram” pa­ra ins­tân­ci­as in­fe­ri­o­res da Jus­ti­ça. Boa par­te des­ses pro­ces­sos fo­ram re­me­ti­dos às va­ras das Jus­ti­ças es­ta­du­ais e elei­to­rais. Por en­quan­to, ape­nas um inqué­ri­to li­ga­do à La­va Ja­to foi pa­ra a Jus­ti­ça de Cu­ri­ti­ba.

Val­ter Campanato/​Agência Bra­sil


Entre os 50 procedimentos remetidos a instâncias inferiores, apenas um está ligado à Operação Lava Jato. Maior parte das investigações e denúncias foram para Justiças estaduais

O mai­or vo­lu­me de inqué­ri­tos e ações pe­nais re­me­ti­das a ou­tras ins­tân­ci­as par­ti­ram do ga­bi­ne­te do mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo. Fo­ram qua­tro ações pe­nais e 14 inqué­ri­tos (17, se con­si­de­ra­das os apen­sa­dos) que es­ta­vam sob a re­la­to­ria do mi­nis­tro.

Ape­nas um pro­ces­so foi en­vi­a­do pa­ra a 13ª Va­ra Cri­mi­nal de Cu­ri­ti­ba, co­man­da­da pe­lo juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro, on­de tra­mi­tam os pro­ces­sos da Ope­ra­ção La­va Ja­to. O inqué­ri­to 4005 in­ves­ti­ga o pa­ga­men­to de cer­ca de R$ 41,5 mi­lhões ao se­na­dor Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-​PE). A in­ves­ti­ga­ção re­sul­tou na de­nún­cia apre­sen­ta­da, em 2016, pe­la Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) con­tra o per­nam­bu­ca­no. Se­gun­do a PGR, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho te­ria pe­di­do pro­pi­na a em­prei­tei­ras pa­ra a cam­pa­nha de re­e­lei­ção em 2010, do en­tão go­ver­na­dor do es­ta­do Edu­ar­do Cam­pos (PSB), mor­to em 2014. Os va­lo­res fo­ram pa­gos por meio de con­tra­tos su­per­fa­tu­ra­dos na cons­tru­ção da re­fi­na­ria Abreu e Li­ma (RNEST).

Ou­tro inqué­ri­to en­vi­a­do pa­ra a pri­mei­ra ins­tân­cia é o do tam­bém se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG). O mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es en­vi­ou pa­ra a Jus­ti­ça mi­nei­ra o inqué­ri­to que apu­ra acu­sa­ções de de­la­to­res da Ode­bre­cht. Se­gun­do os ex-​executivos, du­ran­te a cons­tru­ção da Ci­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, em 2007, o en­tão go­ver­na­dor te­ria per­mi­ti­do que as em­prei­tei­ras for­mas­sem um car­tel pa­ra frau­dar os pro­ces­sos li­ci­ta­tó­ri­os. A Ci­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va reú­ne os ór­gãos da ad­mi­nis­tra­ção do go­ver­no de Mi­nas Ge­rais e cus­tou mais de R$ 2 bi­lhões.

Além des­ta in­ves­ti­ga­ção, ou­tros seis dos no­ve inqué­ri­tos con­tra o se­na­dor de­vem ser re­me­ti­dos à Jus­ti­ça de Mi­nas Ge­rais por in­ves­ti­ga­rem atos de quan­do ele foi go­ver­na­dor do es­ta­do. Ca­be a ca­da re­la­tor de­fi­nir o des­ti­no dos inqué­ri­tos. Qua­tro de­les es­tão nas mãos do mi­nis­tro Gil­mar Men­des. Pe­lo me­nos mais três acu­sa­ções re­me­tem ao pe­río­do em que Aé­cio já era se­na­dor e po­dem, em te­se, con­ti­nu­ar no Su­pre­mo.

En­tre os de­pu­ta­dos, a in­ves­ti­ga­ção con­tra Ti­ri­ri­ca (PR-​SP), por as­sé­dio se­xu­al, tam­bém foi re­me­ti­da a uma ins­tân­cia in­fe­ri­or. Ele é in­ves­ti­ga­do des­de o ano pas­sa­do, após uma ex-​empregada do­més­ti­ca do de­pu­ta­do afir­mou, em de­poi­men­to, ter si­do as­se­di­a­da du­ran­te uma vi­a­gem com a fa­mí­lia do par­la­men­tar. O pro­ces­so foi en­vi­a­do pa­ra a Jus­ti­ça do es­ta­do de São Pau­lo, on­de o ca­so te­ria ocor­ri­do.

Já o cam­peão de pro­ces­sos, de­pu­ta­do Ro­ber­to Góes (PP-​AP), te­ve seis das 10 ações pe­nais em que é réu re­me­ti­das pa­ra a Jus­ti­ça es­ta­du­al do Ama­pá. Ele ain­da res­pon­de a ou­tros se­te inqué­ri­tos, que con­ti­nu­am no STF até o fe­cha­men­to des­ta re­por­ta­gem.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,