Os mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ba­te­ram nes­ta terça-​feira (22) mais uma dú­vi­da de­cor­ren­te da res­tri­ção do fo­ro pri­vi­le­gi­a­do de de­pu­ta­dos e se­na­do­res: sa­ber se cri­mes pra­ti­ca­dos du­ran­te cam­pa­nha à re­e­lei­ção de­vem ou não ser jul­ga­dos na Cor­te.

Ro­si­nei Coutinho/​STF


No início do mês, os ministros decidiram restringir o foro privilegiado a deputados e senadores

O te­ma foi sus­ci­ta­do du­ran­te o jul­ga­men­to em que os mi­nis­tros con­de­na­ram o de­pu­ta­do Pau­lo Ma­luf (PP-​SP) a 2 anos e 9 me­ses de pri­são do­mi­ci­li­ar por fal­si­da­de ide­o­ló­gi­ca pa­ra fins elei­to­rais, por ter omi­ti­do va­lo­res na pres­ta­ção de con­tas de sua cam­pa­nha à re­e­lei­ção, em 2010.

Em 3 de maio, o ple­ná­rio do Su­pre­mo de­ci­diu que so­men­te de­vem fi­car no Su­pre­mo pro­ces­sos so­bre su­pos­tos cri­mes co­me­ti­dos du­ran­te e em ra­zão do man­da­to par­la­men­tar. No en­tan­to, du­ran­te o jul­ga­men­to, o pró­prio re­la­tor, mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, des­ta­cou que al­gu­mas ques­tões ne­ces­si­ta­ri­am de mai­or es­cla­re­ci­men­to no fu­tu­ro.

En­tre tais ques­tões, es­tá a de sa­ber se de­li­tos co­me­ti­dos du­ran­te a cam­pa­nha à re­e­lei­ção, e re­la­ci­o­na­do a ela, se en­qua­dram na hi­pó­te­se de cri­me pra­ti­ca­do “du­ran­te e em ra­zão do man­da­to”.

“Re­al­men­te, eu acho es­se pon­to mui­to im­por­tan­te, até em fun­ção dos pro­ces­sos que es­ta­mos tra­tan­do nos ga­bi­ne­tes”, des­ta­cou, nes­ta terça-​feira, a mi­nis­tra Ro­sa We­ber, úni­ca que ain­da não bai­xou ne­nhum pro­ces­so pa­ra a pri­mei­ra ins­tân­cia. Até o mo­men­to, ao me­nos 115 ca­sos fo­ram en­vi­a­dos pa­ra ou­tros tri­bu­nais pe­los de­mais mi­nis­tros.

“Nós não de­li­be­ra­mos em ple­ná­rio so­bre es­sa si­tu­a­ção es­pe­cí­fi­ca: se es­se cri­me, de na­tu­re­za elei­to­ral, de­ve ser con­si­de­ra­do co­mo um fa­to pra­ti­ca­do no car­go e em ra­zão do car­go”, des­ta­cou Bar­ro­so. “Es­sa é uma ques­tão em aber­to, pa­ra a qual tam­bém te­re­mos que nos de­bru­çar so­bre ela”.

Co­mo a ação pe­nal já es­ta­va pron­ta pa­ra jul­ga­men­to des­de an­tes da de­ci­são que res­trin­giu o fo­ro de par­la­men­ta­res, os mi­nis­tros en­ten­de­ram que não se­ria o ca­so de se co­lo­car em dú­vi­da a com­pe­tên­cia do STF no pro­ces­so es­pe­cí­fi­co de Ma­luf, mas que o as­sun­to pre­ci­sa­rá ser de­ba­ti­do e pa­ci­fi­ca­do em bre­ve.

“Me pa­re­ce que [no ca­so de] um de­pu­ta­do fe­de­ral, no exer­cí­cio do man­da­to, ob­vi­a­men­te plei­te­an­do a re­e­lei­ção, há uti­li­za­ção das fun­ções e do pró­prio man­da­to pa­ra con­se­guir ar­re­ca­da­ção de cam­pa­nha. Não há, a meu ver, co­mo se­pa­rar a ques­tão de quem exer­ce o man­da­to, bus­ca uma re­e­lei­ção, e a ar­re­ca­da­ção de cam­pa­nha da­que­le que já exer­ce”, dis­se Ale­xan­dre de Mo­ra­es, in­di­can­do seu en­ten­di­men­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,