Uma no­va reu­nião en­tre re­pre­sen­tan­tes de ca­mi­nho­nei­ros e en­ti­da­des do se­tor de abas­te­ci­men­to e trans­por­te com o go­ver­no, pre­vis­ta pa­ra as 14h des­ta quinta-​feira (24) no Pa­lá­cio do Pla­nal­to, vai di­zer se a cri­se do com­bus­tí­vel vai se apro­fun­dar ain­da mais ou se as gre­ves e blo­quei­os de ro­do­via co­me­ça­rão a di­mi­nuir. Fru­to da no­va po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras, que va­ria con­for­me a al­ta do dó­lar e a os­ci­la­ção do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo, o au­men­to do di­e­sel e ou­tros com­bus­tí­veis ba­lan­ça o país nos úl­ti­mos di­as e, di­an­te da re­sis­tên­cia da es­ta­tal, tem co­lo­ca­do sob ris­co de co­lap­so di­ver­sos ni­chos da eco­no­mia po­pu­lar. Mas a pe­tro­lí­fe­ra e o pró­prio Exe­cu­ti­vo não têm ou­tra al­ter­na­ti­va se­não re­cu­ar, di­zem lí­de­res dos trans­por­ta­do­res de car­ga, e ga­ran­tir es­ta­bi­li­da­de dos va­lo­res por ao me­nos seis me­ses.

Mar­ce­lo Pinto/​APlateia


Greve pode ser o caminho de outros setores daqui em diante, adverte presidente da Unicam

Um de­les dis­se ao Con­gres­so em Fo­co ter re­ce­bi­do in­for­ma­ções de que ou­tras ca­te­go­ri­as vão ini­ci­ar su­as pró­pri­as gre­ves a par­tir des­ta, o que po­de aper­tar o nó no pes­co­ço do go­ver­no Mi­chel Te­mer (MDB). Aba­ti­do por de­nún­ci­as de cor­rup­ção e por im­po­pu­la­ri­da­de re­cor­de, o eme­de­bis­ta ce­deu a au­xi­li­a­res e a ca­ci­ques de sua ba­se ali­a­da no Con­gres­so a ta­re­fa de fa­zer fren­te ao im­pas­se. Pre­si­den­te da União Na­ci­o­nal dos Ca­mi­nho­nei­ros (Uni­cam), Jo­sé Araú­jo Sil­va foi à pri­mei­ra reu­nião na Ca­sa Ci­vil, que con­su­miu três ho­ras no fi­nal des­ta quarta-​feira (23), e de­pois fez um re­la­to so­bre a si­tu­a­ção de fra­gi­li­da­de do go­ver­no fren­te à ação de mi­lha­res de ca­mi­nho­nei­ros mo­bi­li­za­dos pe­lo país.

“Da­qui pa­ra fren­te não va­mos abrir não. Tem que mu­dar. Eles vi­ram que, com o país pa­ra­do, não é brin­ca­dei­ra. Tem pes­so­as que es­tão aqui [em Bra­sí­lia] e fo­ram vi­a­jar, mas es­tão vol­tan­do pa­ra o ho­tel por­que no ae­ro­por­to não tem que­ro­se­ne pa­ra os aviões, pois os ca­mi­nhões [trans­por­ta­do­res] es­tão pa­ra­dos lá em Goi­â­nia, não con­se­guem pas­sar. O go­ver­no en­ten­deu que não tem pa­ra on­de cor­rer. O que es­ta­mos per­ce­ben­do é que a so­ci­e­da­de tam­bém vai en­trar nes­sa his­tó­ria”, de­cla­rou o di­ri­gen­te ao Con­gres­so em Fo­co, pou­co de­pois da reu­nião na Ca­sa Ci­vil com mi­nis­tros e de­pu­ta­dos.

A es­tra­té­gia pa­re­ce ter sur­ti­do efei­to: o pró­prio Te­mer ad­mi­tiu ter pe­di­do “tré­gua” aos ca­mi­nho­nei­ros, na ten­ta­ti­va de re­a­ti­var a ati­vi­da­de. Na­da fei­to. “Es­tá di­fí­cil pa­ra o go­ver­no. Lá [na Ca­sa Ci­vil] fi­ca­ram mais ou me­nos uns 30 de­pu­ta­dos pa­ra ver o que eles vão fa­zer no Con­gres­so pa­ra aju­dar a en­con­trar uma saí­da, fa­zer uma lei. Nós que­re­mos um pla­no de go­ver­no pa­ra o se­tor de trans­por­te ro­do­viá­rio de car­gas, e dis­so não va­mos abrir mão de for­ma al­gu­ma. Is­so já es­tá bem cla­ro pa­ra eles”, acres­cen­tou.

O pre­si­den­te da Uni­cam já avi­sou que pa­li­a­ti­vos co­mo os que es­tão em cur­so no Con­gres­so, por meio de vo­ta­ção de pro­je­tos, não se­rão bem re­ce­bi­dos. On­tem, co­mo par­te das pri­mei­ras pro­vi­dên­ci­as en­sai­a­das por Exe­cu­ti­vo e Le­gis­la­ti­vo, de­pu­ta­dos apro­va­ram o pro­je­to que, en­tre ou­tras dis­po­si­ções, re­duz be­ne­fí­ci­os fis­cais con­ce­di­dos pe­lo go­ver­no a vá­ri­os se­to­res da eco­no­mia e pro­mo­ve al­te­ra­ções na le­gis­la­ção que re­du­zem o pre­ço do óleo di­e­sel. A pro­po­si­ção, que põe fim à de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to em 56 se­to­res, aguar­da­va vo­ta­ção há pe­lo me­nos um mês, e só com o agra­va­men­to da si­tu­a­ção foi pau­ta­da pe­lo pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ).

A pro­vi­dên­cia le­gis­la­ti­va, até se tor­nar lei de­pois de tam­bém pas­sar pe­lo Se­na­do, revela-​se inó­cua, diz Jo­sé Araú­jo. Pa­ra o di­ri­gen­te, a Pe­tro­bras tem que re­du­zir o pre­ço do com­bus­tí­vel a pa­ta­ma­res acei­tá­veis, de ma­nei­ra sim­ples, cla­ra e di­re­ta. “Is­so [vo­ta­ção pro­je­tos] não adi­an­ta. O que nós que­re­mos é que, a ca­da seis me­ses, não au­men­te o óleo di­e­sel”, re­su­miu o lí­der de clas­se.

Jo­sé Araú­jo re­la­tou que, em de­ter­mi­na­dos mo­men­tos da pri­mei­ra reu­nião na Ca­sa Ci­vil, o cli­ma fi­cou ten­so. A pos­si­bi­li­da­de de in­ter­ven­ção de for­ças po­li­ci­ais e do pró­prio Exér­ci­to pa­ra de­be­lar ações co­mo blo­quei­os de ro­do­vi­as che­gou a ser co­gi­ta­da, mas de­pois os âni­mos se­re­na­ram. “Te­ve bate-​boca, mas to­do mun­do en­ten­deu. Ago­ra, a so­ci­e­da­de es­tá aju­dan­do. Se pa­rar­mos mes­mo, pa­ra o Bra­sil in­tei­ro. E es­tá sen­do go­za­do que até mo­to­ris­tas de tá­xi, de Uber, mo­to­quei­ros es­tão to­dos nos apoi­an­do. As pes­so­as pas­sam ba­ten­do pal­mas pa­ra os ca­mi­nho­nei­ros, dan­do água, dan­do bo­la­cha. Es­tá uma coi­sa mui­to bo­ni­ta. De­pois de tan­tos anos nós che­gar­mos on­de que­ría­mos che­gar e fa­zer­mos es­se Bra­sil cres­cer com tra­ba­lho. Não é com sa­ca­na­gem, es­se não é o ca­mi­nho”, pon­de­rou.

Quarto dia

As mo­bi­li­za­ções en­tram no quar­to dia e es­tão em cur­so em qua­se to­dos os es­ta­dos do país. Ba­si­ca­men­te fo­ca­dos na in­ter­rup­ção do abas­te­ci­men­to e no blo­queio de ro­do­vi­as, os pro­tes­tos são en­ca­be­ça­das pe­la As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Ca­mi­nho­nei­ros (Ab­cam), com apoio de di­ver­sas ou­tras en­ti­da­des do se­tor, co­mo a pró­pria Uni­cam e a Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Trans­por­tes (CNT), que re­pre­sen­ta prin­ci­pal­men­te os em­pre­sá­ri­os da área. Se­gun­do in­for­ma­ções vei­cu­la­das pe­la im­pren­sa nos úl­ti­mos di­as, va­ri­am en­tre 200 e 300 os fo­cos de pro­tes­tos.

Além dos con­tra­tem­pos na lo­co­mo­ção de­cor­ren­tes dos blo­quei­os em es­tra­das, a cri­se dos com­bus­tí­veis pro­vo­ca de­sa­bas­te­ci­men­to, fal­ta de ga­so­li­na em pos­tos (com con­se­quen­te for­ma­ção de fi­las nos que têm o pro­du­to), can­ce­la­men­to de vo­os em ae­ro­por­tos e al­ta de pre­ços de pro­du­tos di­ver­sos. E abu­sos di­ver­sos. Em Águas Cla­ras, ci­da­de nos ar­re­do­res de Bra­sí­lia, o fun­ci­o­ná­rio de um pos­to foi fla­gra­do quan­do re­a­jus­ta­va o li­tro da ga­so­li­na co­mum pa­ra R$ 9,99. O ví­deo já co­me­çou a vi­ra­li­zar nas re­des so­ci­ais. Ve­ja:

Funcionário de posto é flagrado reajustando o litro da gasolina comum para R$ 9,99

Reação

On­tem (quar­ta, 23), di­an­te da de­ter­mi­na­ção dos ca­mi­nho­nei­ros em não ce­der, a Advocacia-​Geral da União (AGU) con­se­guiu du­as de­ci­sões ju­di­ci­ais de­ter­mi­nan­do o ime­di­a­to des­blo­queio de ro­do­vi­as fe­de­rais que li­ga­ram o es­ta­do de San­ta Ca­ta­ri­na ao mu­ni­cí­pio de Uru­guai­a­na, no Rio Gran­de do Sul. O uso de for­ça po­li­ci­al foi au­to­ri­za­do.

Em ou­tra fren­te, a AGU tam­bém con­se­guiu li­mi­nar pa­ra ga­ran­tir o abas­te­ci­men­to de com­bus­tí­vel no Ae­ro­por­to dos Gua­ra­ra­pes, em Per­nam­bu­co, que ha­via si­do in­ter­rom­pi­do após blo­queio de ca­mi­nho­nei­ros na via de aces­so ao ter­mi­nal. Des­de a úl­ti­ma segunda-​feira (21), o ór­gão re­ver­teu na Jus­ti­ça no­ve obs­tru­ções de ro­do­vi­as fe­de­rais em Pa­ra­ná, Mi­nas Ge­rais, Goiás, San­ta Ca­ta­ri­na, Per­nam­bu­co, Pa­raí­ba, Rio Gran­de do Sul, Rondô­nia e Dis­tri­to Fe­de­ral. Ou­tras ações es­tão em cur­so.

Mes­mo di­an­te do es­for­ço da AGU, a mo­bi­li­za­ção na­ci­o­nal dos trans­por­ta­do­res avan­ça e pa­re­ce sen­si­bi­li­zar ou­tros se­to­res da so­ci­e­da­de, tam­bém ví­ti­ma da al­ta do pre­ço de com­bus­tí­veis. Por ou­tro la­do, to­das as pro­vi­dên­ci­as do go­ver­no es­bar­ram na in­sa­tis­fa­ção da ca­te­go­ria. Se­quer o anún­cio fei­to on­tem (quar­ta, 23) pe­lo pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te, ser­viu pa­ra ar­re­fe­cer os âni­mos dos ca­mi­nho­nei­ros. Ele co­mu­ni­cou, em en­tre­vis­ta co­le­ti­va, que ha­ve­rá re­du­ção de 10% no pre­ço do óleo di­e­sel co­bra­do nas re­fi­na­ri­as – ajus­te que, na ver­da­de, se­rá um pa­li­a­ti­vo a per­du­rar ape­nas por 15 di­as, além de re­pre­sen­tar só R$ 0,26 a me­nos no li­tro do com­bus­tí­vel.

O lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Ro­me­ro Ju­cá (MDB-​RR), en­trou em cam­po pa­ra anun­ci­ar apoio ao pro­je­to de re­so­lu­ção do se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) que pre­ten­de bar­rar au­men­tos no Im­pos­to so­bre Cir­cu­la­ção de Mer­ca­do­ri­as e Ser­vi­ços (ICMS) in­ci­den­te nas ope­ra­ções in­ter­nas com com­bus­tí­veis. A pro­po­si­ção fi­xa alí­quo­ta má­xi­ma pa­ra co­bran­ça do ICMS, ho­je res­pon­sá­vel por 30% do pre­ço to­tal pa­go pe­lo con­su­mi­dor nas bom­bas. Mas já há quem di­ga que a fi­xa­ção de alí­quo­ta vai le­var à re­du­ção na ar­re­ca­da­ção das ges­tões es­ta­du­ais, cau­san­do re­a­ção ne­ga­ti­va em go­ver­na­do­res.

Co­nhe­ce­dor da dis­tân­cia que se­pa­ra o Con­gres­so da re­a­li­da­de do se­tor de trans­por­te de car­gas, Jo­sé Araú­jo faz men­ção ao pe­di­do do go­ver­no pa­ra que os ca­mi­nho­nei­ros in­ter­rom­pes­sem a gre­ve por uma se­ma­na, pa­ra que ne­go­ci­a­ções pu­des­sem avan­çar, e apro­vei­tou pa­ra de­nun­cia a pos­tu­ra do Exe­cu­ti­vo até ho­je. “Es­ta­mos há anos dis­cu­tin­do es­se pro­ble­ma com o go­ver­no e nin­guém nun­ca deu bo­la”, con­cluiu.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,