Em meio à cri­se da al­ta do pre­ço de com­bus­tí­veis, re­pre­sen­tan­tes de ca­mi­nho­nei­ros e trans­por­ta­do­res dei­xa­ram a reu­nião na Ca­sa Ci­vil da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, nes­ta quarta-​feira (23), dizendo-​se in­sa­tis­fei­tos e de­pois de re­jei­tar acor­do com o go­ver­no fe­de­ral. Ao to­do, dez en­ti­da­des par­ti­ci­pa­ram da ro­da­da de ne­go­ci­a­ções e de­ci­di­ram man­ter a gre­ve e a on­da de blo­quei­os em es­tra­das que, já em seu ter­cei­ro dia, pro­vo­ca de­sa­bas­te­ci­men­to, fal­ta de ga­so­li­na em pos­tos, can­ce­la­men­to de vo­os em ae­ro­por­tos e al­ta de pre­ços de pro­du­tos di­ver­sos. Um dos par­ti­ci­pan­tes da reu­nião dis­se à re­por­ta­gem que, ao in­vés de di­mi­nuir, a ten­dên­cia da pa­ra­li­sa­ção é au­men­tar, uma vez que ou­tras ca­te­go­ri­as de­vem de­cla­rar ade­são ao mo­vi­men­to de pres­são con­tra o go­ver­no.

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Padilha encabeça reunião na Casa Civil: três horas e nenhum acordo

Re­pre­sen­tan­tes de clas­se que fo­ram a Bra­sí­lia pa­ra ne­go­ci­ar com o Pa­lá­cio do Pla­nal­to can­ce­la­ram o re­tor­no pa­ra su­as ba­ses, di­an­te do im­pas­se, e vão con­ti­nu­ar na ca­pi­tal fe­de­ral pa­ra mar­car po­si­ção. Pre­si­den­te da União Na­ci­o­nal dos Ca­mi­nho­nei­ros (Uni­cam), Jo­sé Araú­jo Sil­va dis­se ao Con­gres­so em Fo­co, de­pois de dei­xar a reu­nião, que já vol­tou ao ho­tel em que se hos­pe­da­ra pa­ra se pre­pa­rar pa­ra a con­ti­nui­da­de das ne­go­ci­a­ções.

“A reu­nião não te­ve qual­quer re­sul­ta­do. Ti­ve­mos três ho­ras de reu­nião e não che­ga­mos a acor­do, por­que o que o go­ver­no ofe­re­ceu nós não acei­ta­mos. Eles que­ri­am que nós pu­dés­se­mos aju­dar o go­ver­no, pe­di­ram pa­ra os ca­mi­nho­nei­ros vol­ta­rem ao tra­ba­lho pa­ra dar [pra­zo de] uma se­ma­na pa­ra ne­go­ci­ar. Nós fa­la­mos: ‘Ne­ga­ti­vo!’. Es­ta­mos há anos dis­cu­tin­do es­se pro­ble­ma com o go­ver­no e nin­guém nun­ca deu bo­la. Ago­ra os pró­pri­os ca­mi­nho­nei­ros pa­ra­ram”, de­cla­rou Jo­sé Araú­jo.

A in­sa­tis­fa­ção foi re­ver­be­ra­da por ou­tro di­ri­gen­te de en­ti­da­de do se­tor. “O go­ver­no não ofe­re­ceu na­da. O que o go­ver­no fez foi pe­dir um pra­zo pa­ra nós, pa­ra que se po­si­ci­o­nas­sem até as 14h de ama­nhã [quin­ta, 24]“, emen­dou o pre­si­den­te da Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Trans­por­ta­do­res Autô­no­mos (CNTA), Diu­mar Bu­e­no.

Re­la­tor do mar­co re­gu­la­tó­rio do trans­por­te ro­do­viá­rio de car­gas, o de­pu­ta­do Nel­son Mar­que­zel­li (PTB-​SP) saiu em de­fe­sa do go­ver­no e dis­se à re­por­ta­gem que a cri­se é pas­sa­gei­ra. “Vão con­vo­car a di­re­to­ria da Pe­tro­bras ama­nhã [quin­ta, 24] pa­ra con­ver­sar. Vão ten­tar fa­zer al­gu­ma re­du­ção de al­gu­ma coi­sa. Até es­sa se­ma­na, ain­da, o pes­so­al [re­pre­sen­tan­tes de ca­mi­nho­nei­ros] fi­ca por aqui”, afir­mou o par­la­men­tar pau­lis­ta, in­ter­lo­cu­tor dos ca­mi­nho­nei­ros com o Pla­nal­to.

“Lo­go em se­gui­da as li­de­ran­ças dos ca­mi­nho­nei­ros vi­e­ram pa­ra a Câ­ma­ra. O [pre­si­den­te da Ca­sa, Ro­dri­go] Maia já vai pau­tar a vo­ta­ção de um pro­je­to que já es­ta­va aí, de in­te­res­se de­les. E, na pró­xi­ma segunda-​feira [28], vai ser pos­to pa­ra vo­ta­ção o mar­co re­gu­la­tó­rio tam­bém. O tex­to já es­tá pron­to pa­ra ser vo­ta­da a qua­tro, cin­co me­ses”, acres­cen­tou Mar­que­zel­li, referindo-​se Pro­je­to de Lei 4860/​2016, já ana­li­sa­do pe­la Co­mis­são Es­pe­ci­al do Trans­por­te Ro­do­viá­rio de Car­gas e co­lo­ca­do à dis­po­si­ção do ple­ná­rio.

O pe­te­bis­ta dis­se ain­da que, di­an­te da ne­ces­si­da­de de su­pe­ra­ção da cri­se, ges­to­res te­rão que fa­zer con­ces­sões. “Com a re­du­ção do pre­ço do di­e­sel na Pe­tro­bras, já co­me­ça a me­lho­rar. O mi­nis­tro [Eli­seu Pa­di­lha, da Ca­sa Ci­vil] não tem por que in­ter­vir na Pe­tro­bras, vai ter que cha­mar e fa­zer um acor­do com a em­pre­sa. Quan­to ao ICMS, há que se cha­mar os go­ver­na­do­res e pro­por uma re­du­ção. O ICMS es­tá na mãos dos go­ver­na­do­res, e eles vão ter que re­du­zir um pou­co”, fi­na­li­zou o de­pu­ta­do.

Par­ti­ci­pa­ram da reu­nião, os mi­nis­tros da Ca­sa Ci­vil, Eli­seu Pa­di­lha, da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, Car­los Ma­run, dos Trans­por­tes, Val­ter Ca­si­mi­ro, e do Ga­bi­ne­te de Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal, ge­ne­ral Frei­re Go­mes, além do secretário-​executivo do Mi­nis­té­rio dos Trans­por­tes, Ger­ber Drum­mond. En­tre os de­pu­ta­dos fe­de­rais, fo­ram à Ca­sa Ci­vil Ri­car­do Bar­ros (PP-​PR), Le­lo Coim­bra (MDB-​ES), Nel­son Mar­que­zel­li (PTB-​SP), Os­mar Ter­ra (MDB-​RS), Al­ceu Mo­rei­ra (MDB-​RS), Ro­ber­to Ba­les­tra (PP-​GO), As­sis Cou­to (PDT-​PR), Adil­ton Sa­chet­ti (PRB-​MT) e Cel­so Mal­da­ner (MDB-​SC).

Além dos po­lí­ti­cos, as se­guin­tes en­ti­da­des se fi­ze­ram pre­sen­tes na reu­nião, além da Uni­com e da CNTA: Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Trans­por­tes (CNT), Trans­por­te For­te, Fe­de­ra­ção dos Ca­mi­nho­nei­ros Autô­no­mos de Car­gas de São Pau­lo (Fe­tra­bens), As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Ca­mi­nho­nei­ros (Ab­cam), Sin­di­ca­to dos Trans­por­ta­do­res Ro­do­viá­ri­os Autô­no­mos de Bens do Dis­tri­to Fe­de­ral (Sindicam-​DF), As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal das Em­pre­sas de Trans­por­te Ro­do­viá­rio de Car­gas (NTC & Lo­gís­ti­ca), Sin­di­ca­to dos Trans­por­ta­do­res Autô­no­mos de Car­ga de Ijuí (Sinditac-​RS) e Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Ce­go­nhei­ros (Si­na­ceg).

Paliativos

To­das as pro­vi­dên­ci­as até ago­ra em­pre­en­di­das pe­la es­pé­cie de ges­tão de cri­se que foi for­ma­da pe­lo go­ver­no, que in­clui até os co­man­dos da Câ­ma­ra e do Se­na­do, não fo­ram bem re­ce­bi­das pe­la ca­te­go­ria. Se­quer o anún­cio fei­to há pou­co pe­lo pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te, ser­viu pa­ra ar­re­fe­cer os âni­mos dos ca­mi­nho­nei­ros. Ele co­mu­ni­cou, em en­tre­vis­ta co­le­ti­va re­a­li­za­da há pou­co, que ha­ve­rá re­du­ção de 10% no pre­ço do óleo di­e­sel co­bra­do nas re­fi­na­ri­as – ajus­te que, na ver­da­de, se­rá um pa­li­a­ti­vo a per­du­rar ape­nas por 15 di­as, além de re­pre­sen­tar só R$ 0,26 a me­nos no li­tro do com­bus­tí­vel.

Pa­ren­te avi­sou ain­da que a mu­dan­ça não sig­ni­fi­ca mu­dan­ça na cri­ti­ca­da po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras. “É uma me­di­da de ca­rá­ter ex­cep­ci­o­nal, não re­pre­sen­ta uma mu­dan­ça de po­lí­ti­ca de pre­ço da em­pre­sa. São 15 di­as pa­ra que o go­ver­no con­ver­se com os ca­mi­nhei­ros”, dis­se o pre­si­den­te da es­ta­tal, pa­ra quem é ne­ces­sá­ri­os que “as par­tes te­nham é re­a­jam com boa von­ta­de, co­mo a Pe­tro­bras fez”.

Apon­ta­do co­mo um dos res­pon­sá­veis pe­la cri­se dos com­bus­tí­veis, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) se li­mi­ta a acom­pa­nhar as mo­vi­men­ta­ções de seus au­xi­li­a­res e a dar de­cla­ra­ções ge­né­ri­cas so­bre o as­sun­to. O eme­de­bis­ta che­gou a pe­dir tré­gua aos ca­mi­nho­nei­ros. “Des­de do­min­go nós es­ta­mos tra­ba­lhan­do nes­te te­ma pa­ra dar tran­qui­li­da­de não só ao bra­si­lei­ro, que não quer ver pa­ra­li­sa­do o abas­te­ci­men­to, mas tam­bém ten­tan­do en­con­trar uma so­lu­ção que fa­ci­li­te a vi­da, es­pe­ci­al­men­te, dos ca­mi­nho­nei­ros. Eu pe­di que, nes­ta reu­nião, se so­li­ci­tas­se uma es­pé­cie de tré­gua pa­ra que em dois, três di­as, no má­xi­mo, nós pos­sa­mos en­con­trar uma so­lu­ção sa­tis­fa­tó­ria pa­ra os ca­mi­nho­nei­ros e pa­ra o po­vo bra­si­lei­ro”, de­cla­rou Te­mer.

Mais ce­do, o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Ro­me­ro Ju­cá (MDB-​RR), su­biu à tri­bu­na do ple­ná­rio pa­ra anun­ci­ar apoio ao pro­je­to de re­so­lu­ção do se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) que pre­ten­de bar­rar au­men­tos no Im­pos­to so­bre Cir­cu­la­ção de Mer­ca­do­ri­as e Ser­vi­ços (ICMS) in­ci­den­te nas ope­ra­ções in­ter­nas com com­bus­tí­veis. A pro­po­si­ção fi­xa alí­quo­ta má­xi­ma pa­ra co­bran­ça do ICMS, ho­je res­pon­sá­vel por 30% do pre­ço to­tal pa­go pe­lo con­su­mi­dor nas bom­bas. Mas já há quem di­ga que a fi­xa­ção de alí­quo­ta vai le­var à re­du­ção na ar­re­ca­da­ção das ges­tões es­ta­du­ais, cau­san­do re­a­ção ne­ga­ti­va em go­ver­na­do­res.

Gasolina a R$ 8

Nos úl­ti­mos três di­as, go­ver­no e ba­se ali­a­da no Con­gres­so têm ba­ti­do ca­be­ça pa­ra re­ver­ter os efei­tos da po­lí­ti­ca de re­a­jus­te de pre­ços na re­fi­na­ri­as im­pos­ta pe­la Pe­tro­bras. Um dos pla­nos do Pla­nal­to foi anun­ci­a­do on­tem (ter­ça, 23) pe­lo mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Guar­dia, quan­do fi­cou acer­ta­do que Con­tri­bui­ção de In­ter­ven­ção no Do­mí­nio Econô­mi­co (Ci­de) so­bre o di­e­sel se­ria ze­ra­da, mas só de­pois da apro­va­ção na Câ­ma­ra do fim da de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to (Pro­je­to de Lei 8456/​2017, de au­to­ria do Po­der Exe­cu­ti­vo).

A me­di­da foi cri­ti­ca­da por par­la­men­ta­res e pe­las pró­pri­as en­ti­da­des en­vol­vi­das no se­tor de abas­te­ci­men­to e trans­por­te, com o ar­gu­men­to que a re­du­ção do cus­to do com­bus­tí­vel se­ria mí­ni­ma. O pró­prio pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), não pa­re­ce ter re­ce­bi­do a me­di­da com tan­ta sim­pa­tia.

“A gen­te es­pe­ra que ho­je [quar­ta, 23] ain­da o go­ver­no as­si­ne de­cre­to da Ci­de e não fi­que es­pe­ran­do vo­ta­ção da Câ­ma­ra”, dis­se o de­pu­ta­do de­pois de sair do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), on­de par­ti­ci­pou de reu­nião com a pre­si­den­te da Cor­te, Cár­men Lú­cia.

En­quan­to não se acer­tam os pon­tei­ros, os pro­ble­mas se acu­mu­lam com os pro­tes­tos dos ca­mi­nho­nei­ros. Há a ame­a­ça, in­clu­si­ve, de que ou­tras ca­te­go­ri­as, co­mo mo­to­ris­tas de tá­xi, tam­bém de­ci­dam ade­rir à gre­ve. En­quan­to is­so, pos­tos de com­bus­tí­veis pra­ti­cam va­lo­res re­cor­des Bra­sil afo­ra – em Re­ci­fe, por exem­plo, pos­tos que on­tem (ter­ça, 22) co­bra­vam R$ 3,99 ho­je pas­sa­ram a co­brar R$ 7.99 pe­lo li­tro da ga­so­li­na, o que mo­ti­vou uma força-​tarefa do Pro­com lo­cal con­tra abu­sos.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,