Após ca­os pro­vo­ca­do pe­la pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros, o pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te, anun­ci­ou na noi­te des­ta quarta-​feira (23) que a es­ta­tal re­du­zi­rá o va­lor do di­e­sel em 10%, o equi­va­len­te a R$ 0,23 cen­ta­vos, e con­ge­la­rá o pre­ço de ven­da da pe­tro­lei­ra nas re­fi­na­ri­as, R$ 2,10 sem tri­bu­tos, pe­los pró­xi­mos 15 di­as.

Agên­cia Bra­sil


De acordo com a estatal, a medida não altera a política de preços adotada desde o ano passado

“Não ti­ve­mos pres­sões do go­ver­no ou de mo­vi­men­tos so­ci­ais. Es­ta­mos fa­zen­do uma ava­li­a­ção re­a­lis­ta da si­tu­a­ção do país”, dis­se Pa­ren­te em en­tre­vis­ta à im­pren­sa pa­ra co­mu­ni­car a de­ci­são. On­tem (terça-​feira, 23), o pre­si­den­te da Pe­tro­bras se reu­niu em Bra­sí­lia com os mi­nis­tros da Fa­zen­da, Edu­ar­do Guar­dia, e de Mi­nas e Ener­gia, Mo­rei­ra Fran­co. Na oca­sião, ele ga­ran­tiu que a po­lí­ti­ca de re­a­jus­tes dos pre­ços de com­bus­tí­veis da em­pre­sa não se­ria al­te­ra­da.

Lo­go após a en­tre­vis­ta, a es­ta­tal pu­bli­cou no­ta res­sal­tan­do que a me­di­da se­rá apli­ca­da ape­nas ao pre­ço do di­e­sel, pa­ra que o “go­ver­no e re­pre­sen­tan­tes dos ca­mi­nho­nei­ros te­nham tem­po pa­ra ne­go­ci­ar um acor­do de­fi­ni­ti­vo pa­ra o con­tex­to atu­al de gre­ve e, ao mes­mo tem­po, evi­tar im­pac­tos ne­ga­ti­vos pa­ra a po­pu­la­ção e pa­ra as ope­ra­ções da em­pre­sa”.

A me­di­da, que é ca­rac­te­ri­za­da co­mo “ex­cep­ci­o­nal”, não re­pre­sen­ta mu­dan­ça na po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras. Após es­te pra­zo, a com­pa­nhia re­to­ma­rá gra­du­al­men­te o mo­de­lo de mu­dan­ça nos va­lo­res apro­va­do e di­vul­ga­do em 30 de ju­nho do ano pas­sa­do. A me­di­da pas­sou a ser ado­ta­da des­de o dia 3 de ju­lho de 2017.

“Na vi­são da Pe­tro­bras, es­ta ne­go­ci­a­ção pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la dis­cus­são de re­du­ções da car­ga tri­bu­tá­ria fe­de­ral e es­ta­du­al in­ci­den­te so­bre es­te pro­du­to, uma vez que re­pre­sen­tam a mai­or par­ce­la na for­ma­ção dos pre­ços do com­bus­tí­vel”, acres­cen­ta o ór­gão por meio de no­ta.

Nos úl­ti­mos di­as, go­ver­no e ba­se ali­a­da no Con­gres­so têm ba­ti­do ca­be­ça pa­ra re­ver­ter a po­lí­ti­ca de re­a­jus­te de pre­ços na re­fi­na­ri­as im­pos­ta pe­lo pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te. Um dos pla­nos do Pla­nal­to foi anun­ci­a­do on­tem (ter­ça, 23) pe­lo mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Guar­dia, quan­do fi­cou acer­ta­do que Con­tri­bui­ção de In­ter­ven­ção no Do­mí­nio Econô­mi­co (Ci­de) so­bre o di­e­sel se­ria ze­ra­da, mas só de­pois da apro­va­ção da re­o­ne­ra­ção da fo­lha no Con­gres­so.

Em ou­tra fren­te, o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Ro­me­ro Ju­cá (MDB-​RR), su­biu há pou­co à tri­bu­na pa­ra anun­ci­ar apoio ao pro­je­to de re­so­lu­ção do se­na­dor Ran­dol­fe Ro­dri­gues (Rede-​AP) que pre­ten­de bar­rar au­men­tos no Im­pos­to so­bre Cir­cu­la­ção de Mer­ca­do­ri­as e Ser­vi­ços (ICMS) in­ci­den­te nas ope­ra­ções in­ter­nas com com­bus­tí­veis. A pro­po­si­ção fi­xa alí­quo­ta má­xi­ma pa­ra co­bran­ça do ICMS, ho­je res­pon­sá­vel por 30% do pre­ço to­tal pa­go pe­lo con­su­mi­dor nas bom­bas.

Impactos da paralisação

A pa­ra­li­sa­ção dos ca­mi­nho­nei­ros já cau­sa im­pac­to na pro­du­ção e dis­tri­bui­ção de ali­men­tos. De acor­do com a As­so­ci­a­ção bra­si­lei­ra das In­dús­tri­as Ex­por­ta­do­ras de Car­ne (ABIEC), 129 fri­go­rí­fi­cos já pa­ra­ram as pro­du­ções de car­ne bo­vi­na, suí­na e de aves.

Em pe­lo me­nos dez es­ta­dos, se­gun­do a As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Su­per­mer­ca­dos (Abras) fo­ram re­gis­tra­dos ca­sos de de­sa­bas­te­ci­men­tos, com re­sul­ta­do na fal­ta de pro­du­tos nas pra­te­lei­ras.

Em Bra­sí­lia, além da fal­ta de com­bus­tí­veis em al­guns pos­tos da ci­da­de, o Ae­ro­por­to In­ter­na­ci­o­nal Jus­ce­li­no Ku­bits­check, em Bra­sí­lia, dei­xou de ser abas­te­ci­do com o que­ro­se­ne de avi­a­ção, re­ti­do em ro­do­vi­as in­ter­di­ta­das no en­tor­no do Dis­tri­to Fe­de­ral. On­tem, três vo­os fo­ram can­ce­la­dos, ape­sar da In­fra­me­ri­ca ne­gar que es­se te­nha si­do o mo­ti­vo.

Os ca­mi­nho­nei­ros blo­quei­am ro­do­vi­as em vá­ri­os es­ta­dos em pro­tes­to con­tra o con­tí­nuo au­men­to nos pre­ços da ga­so­li­na e do di­e­sel. A pa­ra­li­sa­ção, que ini­ci­ou na ma­dru­ga­da des­sa segunda-​feira (20), é por tem­po in­de­ter­mi­na­do. Além de co­brar a re­du­ção no va­lor do di­e­sel, eles tam­bém pe­dem isen­ção de tri­bu­tos co­mo for­ma de ba­ra­te­ar o pre­ço dos fre­tes.

Veja íntegra da nota publicada pela estatal:

“Pe­tro­bras re­duz o pre­ço do di­e­sel em 10%

A Pe­tro­bras in­for­ma que sua di­re­to­ria exe­cu­ti­va, em reu­nião re­a­li­za­da na tar­de de ho­je, de­ci­diu re­du­zir em 10%, equi­va­len­te a R$ 0,2335 por li­tro, o va­lor mé­dio do di­e­sel co­mer­ci­a­li­za­do em su­as re­fi­na­ri­as. Com is­so, o pre­ço mé­dio de ven­da da Pe­tro­bras nas re­fi­na­ri­as e ter­mi­nais sem tri­bu­tos se­rá de R$ 2,1016 por li­tro a par­tir de ama­nhã. Es­te pre­ço se­rá man­ti­do inal­te­ra­do por pe­río­do de 15 di­as. Após es­te pra­zo, a com­pa­nhia re­to­ma­rá gra­du­al­men­te sua po­lí­ti­ca de pre­ços apro­va­da e di­vul­ga­da em 30 de ju­nho de 2017.

Es­ta de­ci­são se­rá apli­ca­da ape­nas ao di­e­sel e tem co­mo ob­je­ti­vo per­mi­tir que o go­ver­no e re­pre­sen­tan­tes dos ca­mi­nho­nei­ros te­nham tem­po pa­ra ne­go­ci­ar um acor­do de­fi­ni­ti­vo pa­ra o con­tex­to atu­al de gre­ve e, ao mes­mo tem­po, evi­tar im­pac­tos ne­ga­ti­vos pa­ra a po­pu­la­ção e pa­ra as ope­ra­ções da em­pre­sa.

A me­di­da é de ca­rá­ter ex­cep­ci­o­nal e não re­pre­sen­ta mu­dan­ça na po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras. Com es­ta de­ci­são, a com­pa­nhia acre­di­ta que se­ja pos­sí­vel ao go­ver­no e aos re­pre­sen­tan­tes dos ca­mi­nho­nei­ros en­con­trar uma so­lu­ção que te­nha im­pac­to de­fi­ni­ti­vo nos pre­ços do di­e­sel co­mer­ci­a­li­za­dos no Bra­sil.

Na vi­são da Pe­tro­bras, es­ta ne­go­ci­a­ção pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la dis­cus­são de re­du­ções da car­ga tri­bu­tá­ria fe­de­ral e es­ta­du­al in­ci­den­te so­bre es­te pro­du­to, uma vez que re­pre­sen­tam a mai­or par­ce­la na for­ma­ção dos pre­ços do com­bus­tí­vel.

Ge­rên­cia de Co­mu­ni­ca­ção In­ter­na e Im­pren­sa”

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,