Ao con­trá­rio do que o go­ver­no tem di­to so­bre a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros, que es­tá no oi­ta­vo dia, o se­gun­do acor­do com a ca­te­go­ria não de­ve co­lo­car fim à mo­bi­li­za­ção tão ce­do. A opi­nião é do pre­si­den­te da União Na­ci­o­nal dos Ca­mi­nho­nei­ros (Uni­cam), Jo­sé Araú­jo Sil­va, pa­ra quem os con­du­to­res de ca­mi­nhão pa­ra­li­sa­dos Bra­sil afo­ra não que­rem me­di­das pro­vi­só­ri­as e me­di­das ne­go­ci­a­das com o Con­gres­so, mas sim a ime­di­a­ta re­du­ção do pre­ço dos com­bus­tí­veis na bo­ma.

Jo­nas Pereira/​Agência Se­na­do


Presidente da Unicam critica Temer e Pedro Parente: “Tem que mudar a política de preços”

Pa­ra Jo­sé Araú­jo, que res­pon­de por cen­te­nas de mi­lha­res de ca­mi­nho­nei­ros, a si­tu­a­ção ain­da é de pa­ra­li­sia na ati­vi­da­de e de dis­po­si­ção pa­ta a mo­bi­li­za­ção. “Es­tá pra­ti­ca­men­te tu­do pa­ra­do ain­da. O pes­so­al não acei­tou o acor­do”, dis­se Jo­sé Araú­jo ao Con­gres­so em Fo­co, ex­pli­can­do que são mui­tos os po­si­ci­o­na­men­tos en­tre os mi­lha­res de ca­mi­nho­nei­ros ain­da mo­bi­li­za­dos Bra­sil. Ele diz es­tar di­fí­cil até reu­nir in­for­ma­ções so­bre o qua­dro gre­vis­ta, da­da a ina­bi­li­da­de do go­ver­no nos pri­mei­ros di­as de ne­go­ci­a­ção com os gre­vis­tas e a mul­ti­pli­ci­da­de de re­a­ções.

“É com­pli­ca­do, sa­be? Di­fí­cil até a gen­te dar en­tre­vis­ta. Eu par­ti­ci­pei das reu­niões da se­ma­na pas­sa­da. On­tem [do­min­go], não fui con­vi­da­do e não par­ti­ci­pei. Es­se acor­do que foi fei­to on­tem, das três me­di­das pro­vi­só­ri­as, nin­guém es­tá res­pei­tan­do não. Os ca­ras que­rem que re­du­za mais [o pre­ço] do óleo di­e­sel. A si­tu­a­ção é com­pli­ca­dís­si­ma”, acres­cen­tou.

Fa­lan­do de São Pau­lo com a re­por­ta­gem, Jo­sé Araú­jo diz es­tar em li­nha di­re­ta com 15 pon­tos de con­cen­tra­ção es­pa­lha­dos pe­lo país. O di­ri­gen­te pas­sou boa par­te da se­ma­na pas­sa­da em Bra­sí­lia, on­de par­ti­ci­pou de reu­niões na Ca­sa Ci­vil e não as­si­nou, a exem­plo do pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Ca­mi­nho­nei­ros (Ab­cam), Jo­sé da Fon­se­ca Lo­pes, a pri­mei­ra pro­pos­ta de acor­do apre­sen­ta­da pe­lo go­ver­no.

“Nin­guém quer vol­tar ao tra­ba­lho, não. Fa­la­ram que es­se não é o acor­do que fi­ze­ram [in­ter­na­men­te], não es­tão sa­tis­fei­tos. Fi­ca di­fí­cil até fa­lar pa­ra vo­cês [im­pren­sa]. Es­tá mui­to di­fí­cil mes­mo. Es­tou aqui na ca­pi­tal [SP], não tem ga­so­li­na. Eu ro­dei e não achei ga­so­li­na, mui­to ra­ro achar um pos­to que te­nha. As en­tre­gas de ga­so­li­na es­tão sen­do mais pa­ra em­pre­sas de ôni­bus e as­sim por di­an­te”, re­la­tou.

Ele dis­se ain­da que a in­sa­tis­fa­ção da ca­te­go­ria per­ma­ne­ce mes­mo de­pois de al­guns gru­pos te­rem con­se­gui­do, em reu­niões nes­te do­min­go (28), ga­ran­ti­as co­mo re­du­ção dos im­pos­tos so­bre o di­e­sel e do pre­ço do fre­te e a não co­bran­ça de pe­dá­gio pa­ra ca­mi­nhões sem car­ga. Des­de en­tão, o pre­si­den­te da Ab­cam tem da­do en­tre­vis­tas so­bre o acor­do e di­to que boa par­te dos ca­mi­nho­nei­ros se des­mo­bi­li­zou. Se­gun­do a en­ti­da­de, a ex­pec­ta­ti­va é que a gre­ve es­te­ja to­tal­men­te des­mo­bi­li­za­da até ama­nhã (29), al­go que não com­bi­na com o que diz o co­le­ga Jo­sé Araú­jo.

“Es­tá tu­do ba­gun­ça­do. É mui­ta li­de­ran­ça que­ren­do fa­lar. Um fa­la uma coi­sa, ou­tro fa­la ou­tra. A ca­te­go­ria já es­tá se re­vol­tan­do com os pró­pri­os re­pre­sen­tan­tes. Is­so fi­ca mal pa­ra quem tra­ba­lha sé­rio. Eu tra­ba­lho di­rei­to, sé­rio, mas quan­do se fa­la em sin­di­ca­to en­vol­ve o no­me de to­do mun­do. Quan­do se fa­la em sin­di­ca­to pe­lo meio, fi­ca pi­or ain­da. Por­que, quei­ra ou não quei­ra, não po­de exis­tir uma ca­te­go­ria em que to­do mun­do man­da. Tem que ha­ver uma re­gra, quem res­pon­da por eles”, pon­de­ra.

Redução na bomba

Pa­ra o pre­si­den­te da Uni­cam, a re­cei­ta pa­ra o fim da gre­ve é sim­ples: “Eles [ca­mi­nho­nei­ros] que­rem que se­ja re­du­zi­do o pre­ço do di­e­sel na bom­ba. E não o que vai acon­te­cer da­qui a 30 di­as, 60 di­as. Não tem um pos­to que mu­dou [o pre­ço] e dis­se que da­qui em di­an­te o pre­ço vai ser ‘x’. Eu fiz um cál­cu­lo aqui so­bre aque­la me­di­da de [re­du­ção] 46 cen­ta­vos: em mil quilô­me­tros, a eco­no­mia é de 170 re­ais no fre­te. Não dá em na­da, não mu­da na­da. Eles não vão ga­nhar na­da no mês”, re­cla­ma.

Ain­da se­gun­do o di­ri­gen­te, criou-​se uma po­lê­mi­ca no âm­bi­to da pró­pria ca­te­go­ria, pois não há um dis­cur­so uni­fi­ca­do so­bre a gre­ve. Nes­se sen­ti­do, ele lem­bra que re­pre­sen­tan­tes das em­pre­sas trans­por­ta­do­ras to­ma­ram a fren­te das ne­go­ci­a­ções da se­ma­na pas­sa­da, e por is­so não as­si­nou o acor­do se­gun­do o qual a pa­ra­li­sa­ção se­ria sus­pen­sa por 15 di­as. “Eu sa­bia que não ia vol­tar, co­mo não vol­tou. Aliás, au­men­tou [a ade­são à gre­ve]. Eu fiz o cer­to. Es­tá aí a pro­va. Do mes­mo jei­to que es­ta­va pa­ra­do de ma­nhã es­tá ago­ra”, acres­cen­tou.

Jo­sé Araú­jo co­men­tou ain­da a pos­tu­ra do pre­si­den­te da Pe­tro­bras, Pe­dro Pa­ren­te, em não mo­di­fi­car a po­lí­ti­ca de pre­ços dos com­bus­tí­veis, que se ba­seia na va­ri­a­ção do pre­ço in­ter­na­ci­o­nal do pe­tró­leo e do câm­bio. Nes­se sen­ti­do, com­ple­ta o di­ri­gen­te, o pró­prio pre­si­den­te Mi­chel Te­mer dá de­mons­tra­ções de fra­gi­li­da­de.

“Mantém-​se o Pe­dro Pa­ren­te fa­zen­do uma anar­quia des­sa to­da e es­tá lá, be­lo e fol­ga­do. E o go­ver­no ain­da apoi­an­do! O Te­mer se­ria um se­cre­tá­rio de­le. O Pe­dro Pa­ren­te es­tá man­dan­do. Acho que tem que mu­dar a po­lí­ti­ca de pre­ços. Tem que mu­dar, sim! Ago­ra, deixá-​lo lá [na Pe­tro­bras] com um rom­bo de cin­co bi­lhões de re­ais, se não me en­ga­no… É um ab­sur­do um ne­gó­cio des­ses. E não é só o di­e­sel. E a ga­so­li­na? E os de­ri­va­dos? Tem que mu­dar to­do o sis­te­ma, se não nos­sa ca­te­go­ria não vai pa­rar com mui­ta fa­ci­li­da­de, não”, va­ti­ci­nou.

De­pois de di­as de ne­go­ci­a­ção, go­ver­no e li­de­ran­ças gre­vis­tas fe­cha­ram acor­do pa­ra re­du­zir em R$ 0,46 o li­tro do óleo di­e­sel. Des­se to­tal, R$ 0,16 se­rão ob­ti­dos por meio da eli­mi­na­ção da co­bran­ça da Ci­de (R$ 0,05 so­bre o li­tro do com­bus­tí­vel) e do PIS/​Cofins (R$ 0,11) até o fim do ano. Os R$ 0,30 res­tan­tes se­rão sub­ven­ci­o­na­dos pe­lo Te­sou­ro, em pa­ga­men­tos com­pen­sa­tó­ri­os à Pe­tro­bras e ou­tras em­pre­sas que ven­dem o com­bus­tí­vel, in­clu­si­ve os im­por­ta­do­res.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,