O ple­ná­rio do Se­na­do apro­vou, nes­ta segunda-​feira (28), a ur­gên­cia pa­ra ana­li­sar o pro­je­to da re­o­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to, apro­va­da na se­ma­na pas­sa­da na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos. A ma­té­ria faz par­te de uma sé­rie de me­di­das ado­ta­das pe­lo go­ver­no pa­ra ten­tar aca­bar a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros, que já du­ra oi­to di­as. Além de pre­ver a re­o­ne­ra­ção pa­ra al­guns se­to­res, o pro­je­to tam­bém eli­mi­na a co­bran­ça do PIS/​Cofins so­bre o di­e­sel até o fim des­te ano. A pro­pos­ta aca­ba com a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to de 56 se­to­res.

Mo­rei­ra Mariz/​Agência Se­na­do


Matéria deve ser analisada com celeridade pelos senadores. Após passar meses travado, projeto da reoneração foi aprovado pelos deputados na semana passada

O pro­je­to ain­da não tem con­sen­so en­tre par­ti­dos e veio da Câ­ma­ra com um er­ro de cál­cu­lo. A es­ti­ma­ti­va do go­ver­no era de que a me­di­da cus­ta­ria cer­ca de R$ 3,5 bi­lhões, mas após apro­va­ção da ma­té­ria, a Re­cei­ta Fe­de­ral in­for­mou que o im­pac­to, na re­a­li­da­de, cus­ta­rá mais de R$ 10 bi­lhões.

O er­ro foi ad­mi­ti­do pe­lo mi­nis­tro Car­los Ma­run, da Se­cre­ta­ria de Go­ver­no, ain­da na se­ma­na pas­sa­da. Na quinta-​feira (24), dia se­guin­te à apro­va­ção do pro­je­to, Ma­run dis­se que “o re­la­tor usou cál­cu­los er­ra­dos”. “Ago­ra é avan­çar pa­ra um ajus­te em re­la­ção as con­sequên­cia das me­di­das. Hou­ve um er­ro de cál­cu­lo”, afir­mou o mi­nis­tro.

Impactos

Ho­je, o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Guar­dia, afir­mou que a re­du­ção do pre­ço do óleo di­e­sel acor­da­da en­tre o go­ver­no e re­pre­sen­tan­tes dos ca­mi­nho­nei­ros vai cus­tar R$ 9,5 bi­lhões aos co­fres pú­bli­cos. Pe­las con­tas da equi­pe econô­mi­ca, R$ 3,8 bi­lhões vi­rão de cor­tes ain­da não es­pe­ci­fi­ca­dos no or­ça­men­to. Os R$ 5,7 bi­lhões res­tan­tes vi­rão, de acor­do com Guar­dia, da re­o­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to e ou­tras me­di­das não an­te­ci­pa­das por ele.

Se­gun­do o mi­nis­tro, o equi­lí­brio das con­tas da União, de­pen­de, em prin­cí­pio, da apro­va­ção do pro­je­to de re­o­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­to de de­ze­nas de se­to­res econô­mi­cos. Se­gun­do Guar­dia, a di­mi­nui­ção no va­lor do di­e­sel che­ga­rá à bom­ba as­sim que a pro­pos­ta, já apro­va­da pe­la Câ­ma­ra, pas­sar pe­lo Senado.“A re­o­ne­ra­ção é con­di­ção ne­ces­sá­ria, mas não su­fi­ci­en­te pa­ra que a gen­te pos­sa fa­zer a re­du­ção em 16 cen­ta­vos dos tri­bu­tos fe­de­rais. Ou­tras me­di­das vi­rão”, afir­mou Guar­dia, sem antecipá-​las.

O mi­nis­tro ad­mi­tiu a pos­si­bi­li­da­de de au­men­tar ou­tros tri­bu­tos pa­ra com­pen­sar o sub­sí­dio que se­rá da­do aos ca­mi­nho­nei­ros. “Se­rá com­pen­sa­do com ou­tro tri­bu­tos. Po­de cri­ar im­pos­tos, mas há res­tri­ções le­gais. Ma­jo­ra­ção de im­pos­tos, eli­mi­na­ção de be­ne­fí­ci­os ho­je exis­ten­tes. Atra­vés de lei ou de­cre­tos”, afir­mou.

Acordo possível

O go­ver­no fe­chou acor­do com li­de­ran­ças gre­vis­tas pa­ra re­du­zir em R$ 0,46 o li­tro do óleo di­e­sel. Des­se to­tal, R$ 0,16 se­rão ob­ti­dos por meio da eli­mi­na­ção da co­bran­ça da Ci­de (R$ 0,05 so­bre o li­tro do com­bus­tí­vel) e do PIS/​Cofins (R$ 0,11) até o fim do ano. Os R$ 0,30 res­tan­tes se­rão sub­ven­ci­o­na­dos pe­lo Te­sou­ro, em pa­ga­men­tos com­pen­sa­tó­ri­os à Pe­tro­bras e ou­tras em­pre­sas que ven­dem o com­bus­tí­vel, in­clu­si­ve os im­por­ta­do­res.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,