De­pois que Gil­mar Men­des man­dou sol­tar 19 pre­sos da Ope­ra­ção La­va Ja­to em 20 di­as, o juiz fe­de­ral Mar­ce­lo Bre­tas en­ca­mi­nhou ofí­cio ao mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) afir­man­do que ca­sos de cor­rup­ção não po­dem ser tra­ta­dos co­mo “cri­mes me­no­res”. Bre­tas é o res­pon­sá­vel pe­los pro­ces­sos da La­va Ja­to no Rio de Ja­nei­ro e tem ex­pe­di­do di­ver­sos man­da­dos de pri­são nos úl­ti­mos me­ses, mas Gil­mar em se­gui­da li­ber­ta mui­tos dos pre­sos com ba­se em sua ori­en­ta­ção ga­ran­tis­ta.

Reprodução/​Congresso em Fo­co


Bretas prende, Gilmar solta: excesso de solturas gerou reclamação do juiz federal

“Ca­sos de cor­rup­ção e de­li­tos re­la­ci­o­na­dos não po­dem ser tra­ta­dos co­mo cri­mes me­no­res, pois a gra­vi­da­de de ilí­ci­tos pe­nais não de­ve ser me­di­da ape­nas sob o en­fo­que da vi­o­lên­cia fí­si­ca ime­di­a­ta. Os ca­sos que en­vol­vem cor­rup­ção de agen­tes pú­bli­cos têm enor­me po­ten­ci­al pa­ra atin­gir, com se­ve­ri­da­de, um nú­me­ro in­fi­ni­ta­men­te mai­or de pes­so­as”, es­cre­veu Bre­tas no ofí­cio a Gil­mar.

Cli­que aqui e leia o ofí­cio

Bre­tas ci­ta o ca­so de Or­lan­do Di­niz, ex-​diretor da Fe­co­mér­cio do Rio pre­so em 23 de fe­ve­rei­ro sob sus­pei­ta de des­vi­ar re­cur­sos pú­bli­cos em es­que­ma de cor­rup­ção que en­vol­via o ex-​governador Sér­gio Ca­bral e sol­to por um ha­be­as cor­pus de Gil­mar no co­me­ço de ju­nho, jun­to ou­tras 14 pes­so­as.

Pa­ra Bre­tas, Di­niz de­ve­ria con­ti­nu­ar pre­so pois “uti­li­za­va de sua ati­vi­da­de em­pre­sa­ri­al pa­ra fo­men­tar os ne­gó­ci­os da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa e, ao mes­mo tem­po, se be­ne­fi­ci­a­va dos es­que­mas en­gen­dra­dos pe­lo es­que­ma es­pú­rio pa­ra ocul­tar o ca­pi­tal pú­bli­co des­vi­a­do pa­ra si”. O mi­nis­tro, po­rém, man­dou sol­tar o ex-​diretor da Fe­co­mér­cio por en­ten­der que ele não ofe­re­ce­ria ris­cos ca­so per­ma­ne­ces­se em li­ber­da­de.

Na prá­ti­ca, o ofí­cio de Bre­tas é uma pro­vo­ca­ção for­mal a Gil­mar, de­vi­do à ex­pe­di­ção em sé­rie de ha­be­as cor­pus que o mi­nis­tro tem con­ce­di­do a pre­sos da La­va Ja­to. Com is­so, o ma­gis­tra­do co­bra mais ri­gor na con­du­ção de pro­ces­sos que en­vol­vem ca­sos de cor­rup­ção e cri­mes do co­la­ri­nho bran­co.

Nes­ta segunda-​feira (4), Gil­mar be­ne­fi­ci­ou al­vos da Ope­ra­ção Câm­bio, Des­li­go, que in­ves­ti­ga es­que­ma de cor­rup­ção ope­ra­do por do­lei­ros no Rio de Ja­nei­ro. Pre­sos no mês pas­sa­do por de­ter­mi­na­ção de Bre­tas, fo­ram li­ber­ta­dos Athos Ro­ber­to Al­ber­naz Cor­dei­ro, Rony Ha­moui, Pau­lo Sér­gio Vaz de Ar­ru­da e Oswal­do Pra­do San­ches. Se­gun­do o mi­nis­tro, os qua­tro po­dem se de­fen­der das acu­sa­ções em li­ber­da­de, uma vez que não há vi­o­lên­cia ou gra­ve ame­a­ça nas con­du­tas cri­mi­no­sas que lhe são atri­buí­das.

“Libertador-geral da República”

O mi­nis­tro Gil­mar Men­des tem se no­ta­bi­li­za­do no STF não só pe­lo co­nhe­ci­do co­nhe­ci­men­to ju­rí­di­co, re­co­nhe­ci­do até por seus de­sa­fe­tos. De uns tem­pos pa­ra cá, Gil­mar tem emi­ti­do di­ver­sas or­dens de sol­tu­ra de fi­gu­ras co­nhe­ci­das do no­ti­ciá­rio político-​policial, co­mo o ex-​governador do Rio Anthony Ga­ro­ti­nho e o em­pre­sá­rio dos trans­por­tes Ja­cob Ba­ra­ta Fi­lho – aqui, um ra­ro ca­so em que o pre­so foi con­tem­pla­do por três ha­be­as cor­pus, em sequên­cia, de um mi­nis­tro do Su­pre­mo. E com o de­ta­lhe de que ha­via re­la­ções de pro­xi­mi­da­de en­tre o réu e o jul­ga­dor, em uma es­pé­cie de queda-​de-​braço com Bre­tas.

Na úl­ti­ma sexta-​feira (1º/​jun), Gil­mar Men­des atin­giu um no­vo re­cor­de: man­dou sol­tar, des­de 15 de maio, 15 in­ves­ti­ga­dos pre­sos por de­ter­mi­na­ção de Mar­ce­lo Bre­tas. O dé­ci­mo quin­to li­ber­ta­do foi Or­lan­do Di­niz, ex-​presidente da Fecomércio-​RJ que ha­via si­do pre­so em 23 de fe­ve­rei­ro sob sus­pei­ta de des­vi­ar re­cur­sos pú­bli­cos em es­que­ma de cor­rup­ção que tam­bém en­vol­via o ex-​governador Sér­gio Ca­bral. Na­que­le 15 de maio, Gil­mar man­te­ve a li­ber­da­de de Pau­lo Pre­to, ope­ra­dor de pro­pi­nas do PSDB, se­gun­do o MPF.

A li­ber­ta­ção em sé­rie pro­vo­ca a re­vol­ta nos mais di­ver­sos se­to­res da so­ci­e­da­de, nas re­des so­ci­ais e fo­ra de­la. São cons­tan­tes os epi­só­di­os em que o mi­nis­tro é hos­ti­li­za­do por ci­da­dãos bra­si­lei­ros, co­mo mos­tram di­ver­sos ví­de­os re­gis­tra­dos em pla­ta­for­mas co­mo o You­Tu­be, ca­nal de ví­de­os mais aces­sa­do da re­des. Até o mi­nis­tro Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, co­le­ga de Gil­mar no STF, já per­deu a pa­ci­ên­cia com o mi­nis­tro du­ran­te jul­ga­men­tos trans­mi­ti­dos ao vi­vo pe­la TV Jus­ti­ça.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,