O ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va en­trou com no­vo pe­di­do no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pa­ra que pos­sa re­cor­rer em li­ber­da­de con­tra sua con­de­na­ção na se­gun­da ins­tân­cia por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro, no ca­so do trí­plex no Gua­ru­já. O mes­mo pe­di­do foi tam­bém pro­to­co­la­do no Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ), de acor­do com a de­fe­sa de Lu­la. En­tre os ar­gu­men­tos uti­li­za­dos pe­la de­fe­sa, es­tá o de que Lu­la é pré-​candidato à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca pe­lo PT, sen­do lí­der em pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil


Ex-presidente está preso em Curitiba desde 7 de abril. Defesa usa como argumento a liderança de Lula em pesquisas de intenção de voto

“As­sim, além de ver sua li­ber­da­de to­lhi­da in­de­vi­da­men­te, cor­re sé­rio ris­co de ter, da mes­ma for­ma, seus di­rei­tos po­lí­ti­cos cer­ce­a­dos, o que, em vis­ta do pro­ces­so elei­to­ral em cur­so, mostra-​se gra­vís­si­mo e ir­re­ver­sí­vel”, es­cre­ve­ram os ad­vo­ga­dos. As pe­ças são as­si­na­das pe­la equi­pe de oi­to ad­vo­ga­dos do ex-​presidente, en­tre eles o ex-​ministro do STF Se­púl­ve­da Per­ten­ce e Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins, res­pon­sá­vel pe­la mai­o­ria das sus­ten­ta­ções orais em jul­ga­men­tos de Lu­la.

A de­fe­sa quer que as ape­la­ções con­tra a con­de­na­ção, des­ti­na­das ao Su­pre­mo e ao STJ, te­nham efei­to sus­pen­si­vo so­bre a exe­cu­ção de pe­na, o que re­sul­ta­ria na li­ber­ta­ção de Lu­la. Tal efei­to sus­pen­si­vo foi ne­ga­do, no iní­cio do mês pas­sa­do, pe­la vice-​presidente do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF4), mi­nis­tra Ma­ria de Fá­ti­ma Frei­tas La­ber­rè­re.

A ma­gis­tra­da é a res­pon­sá­vel por ana­li­sar a ad­mis­si­bi­li­da­de dos re­cur­sos ex­tra­or­di­ná­rio e es­pe­ci­al, des­ti­na­dos res­pec­ti­va­men­te ao STF e STJ, con­tra a con­de­na­ção. An­tes de se­rem en­ca­mi­nha­dos às ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, tais re­cur­sos pre­ci­sam pas­sar pe­lo cri­vo do se­gun­do grau.

Lu­la es­tá pre­so des­de 7 de abril na Su­pe­rin­ten­dên­cia da Po­lí­cia Fe­de­ral em Cu­ri­ti­ba, on­de cum­pre sua pe­na de 12 anos e um mês im­pos­ta pe­lo juiz Sér­gio Mo­ro, da 13ª Va­ra Fe­de­ral da ca­pi­tal pa­ra­na­en­se.

O ex-​presidente foi pre­so após ter sua con­de­na­ção con­fir­ma­da pe­la se­gun­da ins­tân­cia, de acor­do com en­ten­di­men­to atu­al do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), que per­mi­te o cum­pri­men­to de pe­na mes­mo que ain­da res­te a pos­si­bi­li­da­de de re­cur­so a ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res.

Argumentos

Pa­ra dar cor­po ao no­vo pe­di­do, a de­fe­sa de Lu­la vol­ta a ci­tar di­ver­sas su­pos­tas ir­re­gu­la­ri­da­des no pro­ces­so que le­vou à con­de­na­ção do ex-​presidente, en­tre eles o ar­gu­men­to de que Mo­ro não po­de­ria ter si­do o juiz res­pon­sá­vel pe­lo ca­so, pois o pró­prio ma­gis­tra­do te­ria ad­mi­ti­do na sen­ten­ça que os fa­tos in­ves­ti­ga­dos não te­ri­am co­ne­xão com con­tra­tos na Pe­tro­bras.

A de­fe­sa vol­ta a ale­gar fal­ta de im­par­ci­a­li­da­de do juiz e dos pro­cu­ra­do­res, ci­tan­do epi­só­di­os co­mo a con­du­ção co­er­ci­ti­va de Lu­la e a di­vul­ga­ção do áu­dio de uma con­ver­sa en­tre ele e a ex-​presidente Dil­ma Rous­seff co­mo pro­vas des­sa par­ci­a­li­da­de. “O re­que­ren­te [Lu­la] foi tra­ta­do co­mo cul­pa­do des­de a fa­se pré-​processual; ja­mais lhe foi as­se­gu­ra­da a pre­sun­ção cons­ti­tu­ci­o­nal de ino­cên­cia”, diz o tex­to.

Di­an­te os ar­gu­men­tos, os ad­vo­ga­dos de­fen­dem que Lu­la se­ja sol­to de­vi­do à “vi­sí­vel pro­ba­bi­li­da­de de êxi­to” dos re­cur­sos ex­tra­or­di­ná­rio e es­pe­ci­al nas ins­tân­ci­as su­pe­ri­o­res, o que anu­la­ria a con­de­na­ção.

“Os di­as em que re­que­ren­te é man­ti­do in­de­vi­da­men­te de­ti­do ja­mais lhe se­rão de­vol­vi­dos”, es­cre­ve­ram os ad­vo­ga­dos. “De tão gra­ve a si­tu­a­ção, se­quer exis­te mais o ‘imi­nen­te pe­ri­go’ de da­no, eis que o da­no já es­tá con­so­li­da­do, e seus per­ver­sos efei­tos au­men­tam a ca­da dia em que o re­que­ren­te se man­tém in­jus­ta­men­te no cár­ce­re”, acres­cen­ta o tex­to.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,