De­pois de to­do o co­lap­so ge­ra­do pe­la al­ta do di­e­sel, que le­vou ca­mi­nho­nei­ros a pa­ra­li­sar o país por 11 di­as, o mi­nis­tro da Fa­zen­da, Edu­ar­do Guar­dia, dis­se nes­ta terça-​feira (5) que go­ver­no não tem dis­cu­ti­do qual­quer pro­gra­ma de sub­sí­dio que vi­a­bi­li­ze a re­du­ção do pre­ço da ga­so­li­na. A de­cla­ra­ção de Guar­dia foi fei­to no se­mi­ná­rio “Diá­lo­go Pú­bli­co – Fi­nan­ci­a­men­to de Es­ta­dos e Mu­ni­cí­pi­os: De­sa­fi­os pa­ra um No­vo Pac­to Fe­de­ra­ti­vo”, pro­mo­vi­do pe­lo Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU).

An­to­nio Cruz/​Agência Bra­sil


Guardia: “Sabemos que existe um excesso de petróleo na região do pré-sal e que isso precisa ser explorado”

Guar­dia, que che­gou a co­gi­tar au­men­to de im­pos­tos pa­ra fa­zer fren­te à cri­se dos com­bus­tí­veis – e de­pois re­cu­ou do que dis­se após gri­ta ge­ral –, ago­ra de­mons­tra queu o go­ver­no es­tá in­fle­xí­vel quan­to à po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­te­o­bras, que le­vou à que­da de Pe­dro Pa­ren­te. “Quan­do anun­ci­a­mos a so­lu­ção pa­ra o pro­ble­ma do di­e­sel, fo­mos ab­so­lu­ta­men­te cla­ros que não há es­pa­ço fis­cal pa­ra es­se ti­po de coi­sa [sub­sí­di­os con­tra as al­tas da ga­so­li­na] nes­te mo­men­to”, dis­cur­sou o mi­nis­tro.

Em re­la­ção à po­lí­ti­ca de amor­te­ci­men­to do im­pac­to das al­tas do pe­tró­leo, o mi­nis­tro men­ci­o­nou a ne­ces­si­da­de de res­pei­to à Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal (LRF). Nes­se sen­ti­do, ele vol­tou a men­ci­o­nar a pos­si­bi­li­da­de de cri­ar im­pos­to co­mo me­ca­nis­mo de equi­lí­brio an­te às os­ci­la­ções de pre­ço, em uma es­pé­cie de mo­de­lo fle­xí­vel de tri­bu­tos a va­ri­ar se­gun­do as os­ci­la­ções do pre­ço do bar­ril de pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal.

“Is­so tem que ser dis­cu­ti­do à luz da Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal por­que exi­ge um im­pos­to re­gu­la­tó­rio. A Ci­de [Con­tri­bui­ção de In­ter­ven­ção no Do­mí­nio Econô­mi­co] não es­tá en­tre os im­pos­tos re­gu­la­tó­ri­os. En­tão, te­mos um pro­ble­ma for­mal com a lei”, pon­de­rou.

Guar­dia tam­bém des­ta­cou que a apli­ca­ção de um im­pos­to re­gu­la­tó­rio pro­vo­ca im­pac­to fis­cal com efei­tos da­no­sos. “Tu­do tem que ser dis­cu­ti­do com mui­ta cal­ma, olhan­do a Pe­tro­bras, os in­te­res­ses dos con­su­mi­do­res e as res­tri­ções im­pos­tas pe­la si­tu­a­ção fis­cal”, acres­cen­tou.

Co­mo lem­bra re­por­ta­gem da Agên­cia Bra­sil, o Mi­nis­té­rio das Mi­nas e Ener­gia anun­ci­ou a cri­a­ção de Gru­po de Tra­ba­lho em con­jun­to com a pas­ta da Fa­zen­da, com a par­ti­ci­pa­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo (ANP), com o ob­je­ti­vo jus­ta­men­te de for­mu­lar uma po­lí­ti­ca de amor­te­ci­men­to de pre­ços dos com­bus­tí­veis, com fo­co no con­su­mi­dor.

Ain­da mais en­fra­que­ci­do de­pois da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros e da saí­da de pa­ren­te, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB), no en­tan­to, re­sol­veu adi­ar a dis­cus­são so­bre o as­sun­to, e não fi­xou da­ta pa­ra sua re­to­ma­da. En­quan­to is­so, ca­mi­nho­nei­ros in­sa­tis­fei­tos man­tém a dis­po­si­ção pa­ra le­var às ru­as ou­tras ações de pro­tes­to con­tra a al­ta dos com­bus­tí­veis, co­mo es­te si­te mos­trou nes­te do­min­go (3).

Ônus

Guar­dia se de­cla­rou con­trá­rio ao uso dos re­cur­sos da cha­ma­da ces­são one­ro­sa (acer­to de con­tas en­tre Pe­tro­bras e Te­sou­ro Na­ci­o­nal) pa­ra ban­car o “col­chão” pa­ra ab­sor­ver os im­pac­tos de­cor­ren­tes da co­ta­ção do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal e da al­ta do dó­lar nos com­bus­tí­veis, nos ter­mos da po­lí­ti­ca de pre­ços do de­mis­si­o­ná­rio Pa­ren­te. A pos­si­bi­li­da­de é de­fen­di­da por se­to­res do go­ver­no, mi­nis­tro Mo­rei­ra Fran­co (Mi­nas e Ener­gia) à fren­te.

“O re­cur­so da ces­são one­ro­sa não eli­mi­na a res­tri­ção or­ça­men­tá­ria im­pos­ta pe­lo te­to do gas­to. Não é um re­cur­so que per­mi­te cri­ar coi­sas no­vas, ex­pan­dir pro­gra­mas, por­que te­mos que res­pei­tar a res­tri­ção fis­cal. [..] “Sa­be­mos que exis­te um ex­ces­so de pe­tró­leo na re­gião do pré-​sal e que is­so pre­ci­sa ser ex­plo­ra­do. En­tão a so­lu­ção des­se pro­ble­ma com a Pe­tro­bras vai per­mi­tir a atra­ção de in­ves­ti­men­tos”, de­fen­deu o mi­nis­tro, referindo-​se à Emen­da 95, que li­mi­ta os gas­tos do go­ver­no por 20 anos, le­gis­la­ção apro­va­da no pri­mei­ro ano do go­ver­no Te­mer.

Por fim, o mi­nis­tro dis­se que o acor­do do go­ver­no com ca­mi­nho­nei­ros em re­la­ção ao pre­ço do di­e­sel, que de­mo­rou mais do que pre­vi­ram mi­nis­tros pa­la­ci­a­nos e o pró­prio Te­mer, foi cos­tu­ra­do de ma­nei­ra a pre­ser­var a me­ta fis­cal e o pró­prio te­to dos gas­tos. Mas o pró­prio Guar­dia ad­mi­tiu que ain­da po­de le­var al­gum tem­po até que as de­ze­nas de mi­lha­res de pos­tos de com­bus­tí­veis Bra­sil ago­ra re­du­zam o li­tro de di­e­sel em R$ 0,46 cen­ta­vos, nos ter­mos do acer­to.

“Pre­ser­va­mos in­te­gral­men­te a po­lí­ti­ca de pre­ços da Pe­tro­bras e pre­ser­va­mos in­te­gral­men­te o re­sul­ta­do fis­cal. Foi uma so­lu­ção equi­li­bra­da que per­mi­tiu li­dar com to­das as di­men­sões des­se pro­le­ma com­ple­xo”, ar­re­ma­tou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,