Se­má­fo­ro no ver­me­lho. Um sa­co nem tão ver­me­lho de pi­po­ca do­ce re­pou­sa no re­tro­vi­sor do la­do do mo­to­ris­ta. Um bi­lhe­te pe­de uma con­tri­bui­ção de R$ 2. Vi­dros fe­cha­dos, rá­dio e ar-​condicionado li­ga­dos. O tem­po pa­ra quem es­tá den­tro do car­ro pas­sa rá­pi­do. Pa­ra os ir­mãos Ra­fa­el *, 13, e Ga­bri­el *, 14 anos, ca­da um dos 49 se­gun­dos do se­má­fo­ro na Es­pla­na­da dos Mi­nis­té­ri­os re­ve­la uma ver­da­dei­ra cor­ri­da con­tra o tem­po. Cor­ri­da que é fei­ta com san­dá­li­as que são mai­o­res do que os pés do pe­que­no ven­de­dor.

Ga­bri­e­la Bernardes/​UniCeub


A realidade de Gabriel e Rafael acontece no centro da capital do país a apenas alguns metros de distância do Ministério do Trabalho. Se venderem todas as pipocas ou não, o caminho para casa é longo

“A gen­te pre­ci­sa le­var di­nhei­ro pra ca­sa”, diz o mais ve­lho. São 16h. Já se fo­ram três ho­ras de tra­ba­lho e fal­tam mais du­as. Os ir­mãos es­tão acom­pa­nha­dos do pai, Le­an­dro *, que usa uma blu­sa que pe­de a paz no trân­si­to. Pa­ra a fa­mí­lia, a in­di­fe­ren­ça da mai­o­ria das pes­so­as que pas­sam por ali é mais do que no­ta­da. A cor­re­ria é por um cor­re­dor de re­tro­vi­so­res cer­ca­do de ba­ru­lhos de mo­to­res. O dia é as­sim. Dei­xam as pi­po­cas sa­ben­do que na gran­de mai­o­ria das ve­zes vão ter que buscá-​las sem ne­nhum re­tor­no, nem de mo­e­da nem de olha­res. A aju­da dos fi­lhos é es­sen­ci­al pa­ra evi­tar com que dê tem­po de res­ga­tar to­das as pi­po­cas pen­du­ra­das nos car­ros. E os me­ni­nos com sor­ri­sos tí­mi­dos tes­te­mu­nham: “Quan­to mais aju­da pa­ra ele (o pai), me­lhor”. Mas Ra­fa­el dei­xa a ti­mi­dez de la­do pa­ra re­la­tar os maus tra­tos que re­ce­be to­dos os di­as dos mo­to­ris­tas “Tem gen­te que gri­ta com a gen­te. São gros­sos. Fa­lam que não é pa­ra co­lo­car no car­ro de­les. Acham que so­mos qual­quer um”, diz Ga­bri­el. “Is­so quan­do não é pi­or”, com­ple­ta o ir­mão.

A re­a­li­da­de de Ga­bri­el e Ra­fa­el acon­te­ce no cen­tro da ca­pi­tal do país a ape­nas al­guns me­tros de dis­tân­cia do Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho. Se ven­de­rem to­das as pi­po­cas ou não, o ca­mi­nho pa­ra ca­sa é lon­go. Se­rão 42 km até che­gar em ca­sa na ci­da­de de Águas Lin­das (GO). O equi­va­len­te a uma ho­ra de trans­por­te pú­bli­co. De do­min­go a do­min­go, é as­sim. A di­fe­ren­ça é que de se­gun­da a sex­ta os ir­mãos pre­ci­sam en­con­trar âni­mo pa­ra ir à es­co­la pú­bli­ca aon­de es­tu­dam. Nem sem­pre as ho­ras de tra­ba­lho re­fle­tem no fa­tu­ra­men­to es­pe­ra­do. “Qua­se sem­pre não pa­gam as con­tas”, afir­ma Le­an­dro. A com­pra das pi­po­cas é fei­ta no ata­ca­do. Ca­da sa­co fe­cha­do cus­ta em tor­no de R$ 14. Eles di­zem que o lu­cro de um dia in­tei­ro de tra­ba­lho é em tor­no de R$ 20 por dia.

Pa­ra a pro­cu­ra­do­ra do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Tra­ba­lho (MPT), Ana Ma­ria Vil­la Re­al, que atua con­tra o tra­ba­lho in­fan­til, é ne­ces­sá­rio não só ti­rar a cri­an­ça da rua mas dar um apoio pra ela. “A gen­te tem que tra­ba­lhar aque­la cri­an­ça, os pais, ver o que es­tá fal­tan­do na­que­la ca­sa, se é um be­ne­fi­cio de ren­da, ver se a cri­an­ça es­tá na es­co­la”.

Um dos gran­des ali­a­dos pa­ra a pre­ven­ção do tra­ba­lho in­fan­til são os pro­fes­so­res das es­co­las. “É cons­ci­en­ti­zar o pro­fes­sor por­que ele é um dos prin­ci­pais pro­ta­go­nis­tas na pre­ven­ção. Ele tá ali to­dos os di­as com o alu­no, sa­be dos pro­ble­mas. E ele tem mui­tas con­di­ções de sa­ber e aju­dar”, afir­ma Ana Ma­ria Vil­la Re­al.

A psi­có­lo­ga Da­ni­e­la Klav­di­a­nos ad­ver­te que o can­sa­ço le­va um pre­juí­zo no de­sem­pe­nho es­co­lar. “Is­so le­va, às ve­zes, até a um qua­dro de fa­di­ga ex­tre­ma (…) A cri­an­ça co­me­ça a ser um res­pon­sá­vel pe­la ren­da fa­mi­li­ar, co­me­ça a emo­ci­o­nal­men­te ter a res­pon­sa­bi­li­da­de de au­xi­li­ar na ren­da. Co­me­ça a ser co­bra­da de um de­sem­pe­nho de ven­da e is­so ge­ra an­si­e­da­de, stress e de­pen­den­do da fa­mí­lia po­de ge­rar até me­do”.

A pro­cu­ra­do­ra ex­pli­ca que uma das gran­des cau­sas pa­ra não con­se­gui­rem dar o apoio ne­ces­sá­rio pa­ra as cri­an­ças é cri­se na as­sis­tên­cia so­ci­al “O pro­ble­ma que to­do mun­do es­bar­ra é na as­sis­tên­cia so­ci­al. Não tem uma ces­ta bá­si­ca pa­ra ofe­re­cer. Eles es­tão em gre­ve tem mais de 50 di­as en­tão não tem nem ca­das­tra­men­to úni­co. Não tem na­da”. A ca­te­go­ria rei­vin­di­ca o au­men­to sa­la­ri­al que foi con­ce­di­do em 2013.

Pa­ra di­mi­nuir o di­e­sel, o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer anun­ci­ou um cor­te de ver­bas em vá­ri­os se­to­res in­cluin­do a fis­ca­li­za­ção do tra­ba­lho in­fan­til. A ca­pi­tal do país é a úni­ca das 27 uni­da­des da fe­de­ra­ção que pra­ti­ca­men­te não re­du­ziu a in­ci­dên­cia de tra­ba­lho in­fan­til en­tre 2004 e 2015. O nú­me­ro, nes­se in­ter­va­lo, pas­sou de 18.487 pa­ra 18.497, con­for­me le­van­ta­men­to da Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os (PNAD).

Fon­te: Con­gres­so em Foco/​Gabriela Ber­nar­des*

(*) Ga­bri­e­la Ber­nar­des é es­tu­dan­te de jor­na­lis­mo no Uni­Ceub. Re­por­ta­gem sob a su­per­vi­são de Luiz Clau­dio Fer­rei­ra.

,