Ar­ro­la­do co­mo tes­te­mu­nha de de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la, o tam­bém ex-​presidente Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so (PSDB) pres­tou de­poi­men­to nes­ta segunda-​feira (11) ao juiz Sér­gio Mo­ro, res­pon­sá­vel pe­la Ope­ra­ção La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba (PR), e fa­lou por cer­ca de meia ho­ra ao ma­gis­tra­do (ve­ja a ín­te­gra abai­xo, em ví­deo). O tu­ca­no fa­lou so­bre re­for­mas de um sí­tio em Ati­baia, in­te­ri­or de São Pau­lo, que te­ri­am si­do fei­tas a tí­tu­lo de pro­pi­na ao pe­tis­ta pa­ra que ele be­ne­fi­ci­as­se em­prei­tei­ras na Pe­tro­bras.

Agên­cia Bra­sil


FHC prestou solidariedade a Lula por ocasião da morte de Dona Marisa Letícia, em fevereiro de 2017

Ao ser per­gun­ta­do so­bre se já te­ve imó­vel re­for­ma­do por em­pre­sas que lhe con­tra­ta­ram pa­ra pa­les­tras, FHC dis­se que is­so ja­mais ocor­reu. Mas, quan­do men­ci­o­nou as re­la­ções en­tre o po­der pre­si­den­ci­al e au­tar­qui­as e es­ta­tais, de­cla­rou que pre­si­den­tes não têm co­mo sa­ber de tu­do o que se pas­sa em sua ges­tão, prin­ci­pal li­nha de de­fe­sa de Lu­la.

“Há vá­ri­as ins­tân­ci­as de res­pon­sa­bi­li­da­de. O pre­si­den­te é res­pon­sá­vel por quem ele no­me­ou. De­pois, lá den­tro, não tem nem tem­po de sa­ber. Mas no Bra­sil as pes­so­as pen­sam que o pre­si­den­te sa­be tu­do e po­de tu­do. To­ma­ra”, de­cla­rou o tu­ca­no, acres­cen­tan­do ser na­tu­ral que pre­si­den­tes se reú­nam com em­pre­sá­ri­os pa­ra fa­lar so­bre te­mas de “in­te­res­se pú­bli­co” e que, nes­se sen­ti­do, já re­ce­beu no­mes co­mo Emí­lio Ode­bre­cht em seu ga­bi­ne­te.

>Assista a íntegra do depoimento de Fernando Henrique Cardoso

No pon­to so­bre re­for­mas pa­gas por em­prei­tei­ras, o ex-​presidente apro­vei­tou pa­ra fa­zer pi­a­da de sua pró­pria si­tu­a­ção. “Nun­ca, ja­mais, na­da dis­so. Nem por fo­ra, nem par­ti­ci­par em qual­quer mo­men­to de re­for­ma. Na ver­da­de, não tem mui­ta coi­sa que re­for­mar, só mi­nha ca­be­ça mes­mo”, brin­cou FHC.

Nes­se ins­tan­te da ar­gui­ção, hou­ve mais um bate-​boca en­tre o ad­vo­ga­do de Lu­la, Cris­ti­a­no Za­nin, e Mo­ro, que che­gou pe­dir des­cul­pas pe­la per­gun­ta ao tu­ca­no. A de­fe­sa pro­tes­tou quan­do o juiz dis­se que sua in­da­ga­ção foi mo­ti­va­da por uma co­lo­ca­ção dos pró­pri­os ad­vo­ga­dos. Za­nin pe­diu a pa­la­vra pa­ra des­men­tir o juiz. “Só pa­ra re­por a pro­pri­e­da­de, ex­ce­lên­cia, a de­fe­sa não fez qual­quer ti­po de afir­ma­ção de re­for­ma ou va­lo­res por fo­ra. Não é uma so­li­ci­ta­ção da de­fe­sa”, dis­se.

Sér­gio Mo­ro re­pli­cou e fa­lou em con­tex­to: “Não es­tou di­zen­do que a de­fe­sa afir­mou is­so. Es­tou di­zen­do que tem um con­tex­to, en­tão va­mos per­gun­tar is­so nes­se con­tex­to”. Cris­ti­a­no Za­nin in­sis­tiu em dei­xar cla­ro a po­si­ção da de­fe­sa, en­quan­to FHC pa­re­cia se di­ver­tir com o em­ba­te ver­bal. “Não, eu não co­lo­quei des­sa for­ma.”

Atibaia

O de­poi­men­to de FHC foi por meio de vi­de­o­con­fe­rên­cia re­a­li­za­da na se­de da Jus­ti­ça Fe­de­ral em São Pau­lo. Lu­la é réu em ação pe­nal que in­ves­ti­ga se ele re­ce­beu pro­pi­na da Ode­bre­cht, da OAS e do gru­po Schahin, por meio de seu ami­go e pe­cu­a­ris­ta Jo­sé Car­los Bum­lai, na for­ma de obras de me­lho­ria no sí­tio de Ati­baia. Se­gun­do a acu­sa­ção, o pe­tis­ta re­ce­beu R$ 1 mi­lhão na ne­go­ci­a­ta.

Já con­de­na­do e cum­prin­do pe­la de 12 anos de pri­são des­de 7 de abril, no ca­so re­fe­ren­te a um trí­plex no Gua­ru­já (SP), Lu­la é réu em ou­tras seis ações pe­nais. Lí­der em to­das as pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to, o pe­tis­ta te­ve pré-​candidatura lan­ça­da na úl­ti­ma sexta-​feira (8) pe­lo Par­ti­do dos Tra­ba­lha­do­res, mas po­de ser bar­ra­do pe­lo Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) por im­po­si­ção da Lei da Fi­cha Lim­pa, que tor­na ine­le­gí­vel quem for con­de­na­do em ór­gão co­le­gi­a­do, co­mo é o seu ca­so.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,