A Po­lí­cia Fe­de­ral cum­pre man­da­dos de bus­ca e apre­en­são no ga­bi­ne­te par­la­men­tar da de­pu­ta­da Cris­ti­a­ne Bra­sil (PTB-​RJ), fi­lha do pre­si­den­te na­ci­o­nal do par­ti­do, o ex-​deputado Ro­ber­to Jef­fer­son. O mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), tam­bém au­to­ri­zou que os po­li­ci­ais fe­de­rais vas­cu­lhem o apar­ta­men­to fun­ci­o­nal ocu­pa­do pe­la de­pu­ta­da em Bra­sí­lia e o imó­vel on­de ela mo­ra no Rio.

Divulgação/​PTB


Alvo de busca e apreensão, Cristiane Brasil também está proibida de manter contato com os demais investigados na Operação Registro Espúrio, como o seu pai, Roberto Jefferson

A ação faz par­te da Ope­ra­ção Re­gis­tro Es­pú­rio, de­fla­gra­da em 30 de maio pa­ra apu­rar a atu­a­ção de uma or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa na con­ces­são frau­du­len­ta de re­gis­tros sin­di­cais no Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho, área de in­fluên­cia de Jef­fer­son e de Cris­ti­a­ne, que che­gou a ser anun­ci­a­da no iní­cio do ano co­mo mi­nis­tra da pas­ta. A no­me­a­ção foi can­ce­la­da após a di­vul­ga­ção de que ela ti­nha con­de­na­ção por ir­re­gu­la­ri­da­de tra­ba­lhis­ta.

Se­gun­do a PF, con­ver­sas em apli­ca­ti­vo de ce­lu­lar apon­tam que ela foi ma­dri­nha da in­di­ca­ção de Re­na­to Araú­jo pa­ra o car­go de coordenador-​geral de re­gis­tro sin­di­cal no mi­nis­té­rio. Além de au­to­ri­zar as bus­cas e apre­en­sões, Fa­chin proi­biu Cris­ti­a­ne de man­ter con­ta­to com os de­mais in­ves­ti­ga­dos na Re­gis­tro Es­pú­rio e de fre­quen­tar o Mi­nis­té­rio do Tra­ba­lho.

O iní­cio da ope­ra­ção tam­bém te­ve co­mo al­vos, além de Jef­fer­son, os de­pu­ta­dos Jo­vair Aran­tes (PTB-​GO), Pau­li­nho da For­ça (Solidariedade-​SP) e Wil­son Fi­lho (PTB-​PB). Eles são sus­pei­tos de in­te­grar o nú­cleo po­lí­ti­co da or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa que atu­a­va na pas­ta.

De acor­do com a PF, ha­via cin­co nú­cle­os de atu­a­ção no es­que­ma: ad­mi­nis­tra­ti­vo, po­lí­ti­co, sin­di­cal, cap­ta­dor e fi­nan­cei­ro. Os par­la­men­ta­res, con­for­me as in­ves­ti­ga­ções, fa­zi­am par­te do se­gun­do gru­po.

“Tam­bém são men­ci­o­na­dos, co­mo exem­plo, das frau­des, pa­ga­men­tos que en­vol­vi­am va­lo­res que che­ga­ram a R$ 4 mi­lhões pe­la li­be­ra­ção de um úni­co re­gis­tro sin­di­cal. Des­de 2017, par­te dos in­te­gran­tes do gru­po cri­mi­no­so res­pon­de a uma ação por im­pro­bi­da­de ad­mi­nis­tra­ti­va em an­da­men­to na Jus­ti­ça Fe­de­ral, em Bra­sí­lia”, diz a PF.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,