Se­na­do­res fi­ze­ram du­ras crí­ti­cas em ple­ná­rio, nes­ta quarta-​feira (13), a mo­vi­men­ta­ções do ago­ra ex-​presidente da Pe­tro­bras Pe­dro Pa­ren­te no co­man­do da es­ta­tal. Além de crí­ti­cas à ges­tão de Pa­ren­te – cu­ja po­lí­ti­ca de pre­ços pa­ra com­bus­tí­veis, pa­ra mui­tos, foi a prin­ci­pal cau­sa da gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros –, de­nún­ci­as fo­ram fei­tas e pro­vi­dên­ci­as anun­ci­a­das no pal­co das de­ci­sões do Se­na­do.

Mar­cos Oliveira/​Agência Se­na­do


Otto discursa na tribuna e é aparteado por colegas em plenário

En­tre as acu­sa­ções es­tá o fa­to de que Pe­dro Pa­ren­te, um dos bra­si­lei­ros de mais des­ta­que no mer­ca­do fi­nan­cei­ro in­ter­na­ci­o­nal, fez um re­pas­se bi­li­o­ná­rio pa­ra um de seus par­cei­ros nos ne­gó­ci­os. Se­gun­do re­por­ta­gem de Fi­li­pe Cou­ti­nho, da recém-​criada re­vis­ta Cru­soé, o pre­si­den­te no Bra­sil do ban­co JP Mor­gan, Jo­sé Be­ren­guer, re­cen­te­men­te re­ce­beu da Pe­tro­bras pa­ga­men­to de R$ 2 bi­lhões. De acor­do com a ma­té­ria, o re­pas­se foi pro­vi­den­ci­al­men­te an­te­ci­pa­do, uma vez que os em­prés­ti­mos to­ma­dos pe­la es­ta­tal ven­ce­ri­am ape­nas em 2022. Be­ren­guer é, “na prá­ti­ca”, só­cio de Pe­dro Pa­ren­te, afir­ma a pu­bli­ca­ção.

Em ou­tra re­por­ta­gem, Fi­li­pe Cou­ti­nho in­for­ma que o em­pre­sá­rio Odi­lon No­guei­ra Ju­ni­or, tam­bém só­cio de Pe­dro Pa­ren­te, tem con­tra­to de R$ 11 mi­lhões fir­ma­do sem li­ci­ta­ção com a pe­tro­lí­fe­ra. A ma­té­ria diz que o em­pre­sá­rio fe­chou con­tra­to de pres­ta­ção de ser­vi­ços de pes­qui­sa e ges­tão em mar­ço de 2017, quan­do Pa­ren­te já pre­si­di­da a es­ta­tal do pe­tró­leo. E que, cin­co me­ses de­pois do acor­do, pas­sou à con­di­ção de só­cio do pre­si­den­te da Pe­tro­bras. Odi­lon é pro­pri­e­tá­rio da Da­na Tec­no­lo­gi­as, que fun­ci­o­na em sua pró­pria re­si­dên­cia. Gra­ças às re­ve­la­ções da re­vis­ta, a Co­mis­são de Éti­ca da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca abriu pro­ces­so con­tra Pa­ren­te nes­ta terça-​feira (12), com ques­ti­o­na­men­tos di­ri­gi­dos a ele e à pró­pria Pe­tro­bras.

Ot­to Alen­car (PSD-​BA), que pu­xou o as­sun­to na ses­são de­li­be­ra­ti­va de ple­ná­rio, le­vou trans­cri­ções da re­por­ta­gem e apre­sen­tou o que se­ri­am pro­vas do vín­cu­lo so­ci­e­tá­rio en­tre Pa­ren­te e Jo­sé Be­ren­guer. Dirigindo-​se ao pre­si­den­te do Se­na­do, Eu­ní­cio Oli­vei­ra (MDB-​CE), pa­ra co­brar pro­vi­dên­ci­as do Se­na­do, Ot­to vo­ci­fe­rou da tri­bu­na con­tra o ex-​presidente da Pe­tro­bras e dis­se que ele é pro­ta­go­nis­ta de um es­cân­da­lo a que cha­mou de “pa­ren­tão”.

“Pre­si­den­te, eu que­ro sa­ber se nós va­mos fi­car aqui anes­te­si­a­dos, se­da­dos, sem fa­zer ab­so­lu­ta­men­te na­da, nes­te es­cân­da­lo ver­go­nho­so. As pro­vas es­tão aqui de que ele é só­cio, de que a mu­lher é só­cia. O ca­ra pa­ga R$ 2 bi­lhões, e pa­re­ce que são R$ 2. Is­so é uma ver­go­nha. Es­te es­cân­da­lo, que eu cha­mei aqui de “pa­ren­tão”, é tão gran­de e deu tan­tos pre­juí­zos à Pe­tro­bras co­mo deu tam­bém, lá atrás, o pe­tro­lão. O si­lên­cio aqui é to­tal, si­lên­cio de pân­ta­no. Nin­guém diz na­da. Es­tão to­dos ca­la­dos, mas o es­cân­da­lo es­tá aqui, com pro­vas”, pro­tes­tou Ot­to Alen­car.

O se­na­dor Omar Aziz (PSD-​AM) pe­diu apar­te pa­ra apoi­ar o dis­cur­so do co­le­ga. “O as­sun­to que o se­na­dor Ot­to traz é um as­sun­to cla­ro de in­fluên­cia pa­ra be­ne­fi­ci­ar pes­so­as li­ga­das ao Pe­dro Pa­ren­te. Ve­ja bem, ele era pre­si­den­te de uma es­ta­tal bra­si­lei­ra, e o se­na­dor Ot­to co­lo­ca cla­ra­men­te aqui co­mo cres­ce o nú­me­ro de cli­en­tes de um es­cri­tó­rio que cui­da de gran­des for­tu­nas, in­clu­si­ve for­tu­nas que têm in­ves­ti­men­tos e ações den­tro da Pe­tro­bras”, de­cla­rou o ama­zo­nen­se, tam­bém co­bran­do pro­vi­dên­ci­as por meio da Co­mis­são de As­sun­tos Econô­mi­cos do Se­na­do.

Primeiro-​secretário da Ca­sa, Jo­sé Pi­men­tel (PT-​CE) foi o úni­co da Me­sa a se ma­ni­fes­tar so­bre a de­man­da dos co­le­gas. E tam­bém apoi­ou a in­ter­ven­ção de Ot­to Alen­car, dirigindo-​se ao in­ter­lo­cu­tor. “Eu su­ge­ri­ria a vos­sa ex­ce­lên­cia que pu­dés­se­mos fa­zer uma re­pre­sen­ta­ção à Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca, por­que eles [in­ves­ti­ga­do­res] são tão ágeis em al­gu­mas si­tu­a­ções, mas são ce­gos e mou­cos em ou­tras si­tu­a­ções, co­mo nes­se ca­so con­cre­to. Pa­ra que nós pos­sa­mos, atra­vés de um con­jun­to de se­na­do­res e se­na­do­ras, pro­to­co­lar es­sa re­pre­sen­ta­ção, pe­din­do a ins­tau­ra­ção de um inqué­ri­to”, in­ter­ce­deu o pe­tis­ta, acres­cen­tan­do que a ação de­ve ser es­ten­di­da ao Tri­bu­nal de Co­nas da União (TCU).

Acordo bilionário

Co­mo es­te si­te mos­trou em 30 de maio, a cri­se dos com­bus­tí­veis e o acú­mu­lo de crí­ti­cas e de­nún­ci­as con­tra Pe­dro Pa­ren­te tor­nou sua si­tu­a­ção in­sus­ten­tá­vel na che­fia da Pe­tro­bras. Até sin­di­ca­to de pe­tro­lei­ros se in­sur­gi­ram com ame­a­ça de gre­ve, co­mo o Con­gres­so em Fo­co tam­bém adi­an­tou, con­tra a ges­tão da ati­vi­da­de de re­fi­no – uma po­lí­ti­ca vol­ta­da aos in­te­res­ses de gru­pos in­ter­na­ci­o­nais, co­mo al­gu­mas li­de­ran­ças da ca­te­go­ria dis­se­ram à re­por­ta­gem.

O pró­prio se­na­dor Ot­to Alen­car já en­ca­mi­nhou ao TCU um re­que­ri­men­to (leia a ín­te­gra), de­vi­da­men­te apro­va­do pe­los pa­res, em que so­li­ci­ta in­for­ma­ções so­bre um acor­do re­cen­te­men­te fir­ma­do en­tre a Pe­tro­brás e in­ves­ti­do­res ame­ri­ca­nos. No acer­to fe­cha­do em No­va York, que veio a pú­bli­co no iní­cio des­te ano, suspende-​se ação co­le­ti­va ini­ci­a­da por um gru­po de aci­o­nis­tas e de­ten­to­res de tí­tu­los da pe­tro­lí­fe­ra de­pois dos pre­juí­zos de­cor­ren­tes dos des­vi­os de re­cur­sos des­co­ber­tos pe­la Ope­ra­ção Lava-​Jato. Co­mo con­tra­par­ti­da, a Pe­tro­bras acei­tou pa­gar US$ 2,95 bi­lhões a tais in­ves­ti­do­res, em du­as par­ce­las de US$ 983 mi­lhões e ou­tra de US$ 984 mi­lhões.

CPI

As se­na­do­ras Va­nes­sa Graz­zi­o­tin (PCdoB-​AM) e Lí­di­ce da Ma­ta (PSB-​BA) já apre­sen­ta­ram pe­di­do de co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to (CPI) pa­ra in­ves­ti­gar a ges­tão Pe­dro Pa­ren­te. Com 29 as­si­na­tu­ras, du­as além do ne­ces­sá­rio pa­ra ins­ta­lar o co­le­gi­a­do, o re­que­ri­men­to (leia a ín­te­gra) tem que ser li­do em ple­ná­rio em ses­são de­li­be­ra­ti­va e, uma vez apro­va­do, pos­si­bi­li­tar a in­di­ca­ção de li­de­ran­ças par­ti­dá­ri­as pa­ra sua com­po­si­ção.

A co­mis­são de inqué­ri­to pre­ten­de se de­bru­çar so­bre o pe­río­do de ges­tão ini­ci­a­do em ju­nho de 2016, quan­do Pa­ren­te to­mou pos­se. Pa­ra tan­to, pe­de tem­po li­mi­ta­do em 30 di­as e in­di­ca­ção de se­te mem­bros ti­tu­la­res e se­te su­plen­tes pa­ra a for­ma­ção do co­le­gi­a­do. O re­que­ri­men­to diz ain­da que o ob­je­ti­vo é in­ves­ti­gar “a no­va po­lí­ti­ca de pre­ços ado­ta­da pe­la em­pre­sa a par­tir do mês de ou­tu­bro de 2016″, além de “in­ves­ti­gar tam­bém a po­lí­ti­ca de de­sin­ves­ti­men­to e seus re­fle­xos na com­po­si­ção dos pre­ços dos com­bus­tí­veis”.

“A po­lí­ti­ca em cur­so de de­sin­ves­ti­men­to da Pe­tro­bras não aten­de ao in­te­res­se na­ci­o­nal. A em­pre­sa es­tá sen­do de­sin­te­gra­da com o pla­no de ne­gó­ci­os, com saí­da do trans­por­te de gás, dos bi­o­com­bus­tí­veis, da pe­troquí­mi­ca, dos fer­ti­li­zan­tes, da ener­gia elé­tri­ca etc. A em­pre­sa, ao con­trá­rio da Shell, Ex­xon, Sta­toil, etc, es­tá con­cen­tran­do na pro­du­ção de pe­tró­leo, e dei­xan­do de ser uma em­pre­sa de ener­gia. […] A ado­ção de mo­de­lo de ne­gó­ci­os ba­se­a­do em pre­mis­sas fal­sas tem o ob­je­ti­vo de ma­xi­mi­zar o va­lor pa­ra o aci­o­nis­ta no cur­to pra­zo, com­pro­me­ten­do o fu­tu­ro da em­pre­sa em pre­juí­zo do Bra­sil”, diz tre­cho do pe­di­do de CPI.

Outro lado

O Con­gres­so em Fo­co ob­te­ve da Pe­tro­bras res­pos­tas so­bre as ques­tões le­van­ta­das nos úl­ti­mos di­as por se­na­do­res da opo­si­ção e até pe­la pró­pria im­pren­sa. A re­por­ta­gem ques­ti­o­nou a es­ta­tal so­bre o re­pas­se de R$ 2 bi­lhões ao pre­si­den­te da JP Mor­gan; a acu­sa­ção dos pe­tro­lei­ros so­bre o su­pos­to fa­vo­re­ci­men­to a gru­pos es­tran­gei­ros; e o pe­di­do de in­for­ma­ções do Se­na­do jun­to ao TCU.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,