O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) adi­ou mais uma vez a con­clu­são do jul­ga­men­to so­bre a va­li­da­de da de­cre­ta­ção de con­du­ções co­er­ci­ti­vas pa­ra le­var in­ves­ti­ga­dos a in­ter­ro­ga­tó­rio po­li­ci­al ou ju­di­ci­al em to­do o país. Até o mo­men­to, há 4 vo­tos a 2 pa­ra der­ru­bar li­mi­nar do mi­nis­tro Gil­mar Men­des que sus­pen­deu a de­cre­ta­ção de con­du­ções co­er­ci­ti­vas. A ses­são se­rá re­to­ma­da ho­je.

Nel­son Jr/​STF


No apagar das luzes do ano passado, Gilmar Mendes resolveu suspender a execução do instrumento de investigação

Já vo­ta­ram pe­la va­li­da­de os mi­nis­tros Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Ed­son Fa­chin, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so e Luiz Fux. Gil­mar Men­des e Ro­sa We­ber se ma­ni­fes­ta­ram con­tra as con­du­ções pa­ra de­poi­men­tos. Fal­tam os vo­tos de Ri­car­do Lewan­dows­ki, Mar­co Au­ré­lio, Cel­so de Mel­lo e da pre­si­den­te, Cár­men Lú­cia.

As con­du­ções es­tão sus­pen­sas des­de de­zem­bro do ano pas­sa­do por uma li­mi­nar de Gil­mar Men­des, que é o re­la­tor. Ago­ra, os mi­nis­tros jul­gam a ques­tão de­fi­ni­ti­va­men­te.

Men­des aten­deu a pe­di­do de sus­pen­são das con­du­ções, fei­to em du­as ações pro­to­co­la­das pe­lo PT e pe­la Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil (OAB). O PT e a OAB ale­ga­ram que a con­du­ção co­er­ci­ti­va de in­ves­ti­ga­dos, pre­vis­ta no Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal (CPP), não é com­pa­tí­vel com a li­ber­da­de de ir e vir ga­ran­ti­da pe­la Cons­ti­tui­ção. Com a de­ci­são, juí­zes de to­do o país es­tão im­pe­di­dos tem­po­ra­ri­a­men­te de au­to­ri­zar con­du­ções co­er­ci­ti­vas.

As ações fo­ram pro­to­co­la­das me­ses de­pois de o juiz fe­de­ral Sér­gio Mo­ro ter au­to­ri­za­do a con­du­ção do ex-​presidente Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va pa­ra pres­tar de­poi­men­to na Po­lí­cia Fe­de­ral, du­ran­te as in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va Ja­to. O ins­tru­men­to da con­du­ção co­er­ci­ti­va foi usa­do 227 ve­zes pe­la força-​tarefa da Ope­ra­ção La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba des­de o iní­cio das in­ves­ti­ga­ções.

Votos

Pri­mei­ro a vo­tar na ses­são des­ta tar­de, Ale­xan­dre de Mo­ra­es abriu di­ver­gên­cia em re­la­ção ao vo­to do re­la­tor, Gil­mar Men­des. No en­ten­di­men­to de Mo­ra­es, a con­du­ção pa­ra in­ter­ro­ga­tó­rio é uma pri­va­ção ile­gal do di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal de ir e vir, no en­tan­to, a con­du­ção po­de ocor­rer se o in­ves­ti­ga­do não cum­prir a in­ti­ma­ção pa­ra de­por e não apre­sen­tar jus­ti­fi­ca­ti­vas.

“O su­jei­to, se­ja in­ves­ti­ga­do ou réu na ação pe­nal, me­di­an­te o de­vi­do pro­ces­so le­gal, es­tá su­jei­to ao al­can­ce dos po­de­res com­pul­só­ri­os do Es­ta­do, ne­ces­sá­ri­os pa­ra as­se­gu­rar a con­fi­a­bi­li­da­de da evi­dên­cia”, afir­mou.

Em se­gui­da, Ed­son Fa­chin, re­la­tor da Ope­ra­ção La­va Ja­to no STF, tam­bém va­li­dou as co­er­ci­ti­vas e afir­mou dis­se que o sis­te­ma pe­nal é se­le­ti­vo. ”Há ri­gor ex­ces­si­vo con­tra uma par­ce­la me­nos abas­ta­da da po­pu­la­ção, e in­jus­ti­fi­ca­da le­ni­ên­cia quan­do po­de­ro­sos es­tão às vol­tas com prá­ti­cas cri­mi­no­sas”.

Na mes­ma li­nha, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so vo­tou a fa­vor das con­du­ções co­er­ci­ti­vas pa­ra in­ter­ro­ga­tó­rio e dis­se que a me­di­da es­tá em vi­gor há mais de 80 anos, no Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal. Sem ci­tar no­mes, o mi­nis­tro dis­se que a me­di­da co­me­çou a ser con­tes­ta­da após juí­zes pas­sa­rem a decretá-​las con­tra “pes­so­as do an­dar de ci­ma”.

“O di­rei­to pe­nal fi­nal­men­te vem che­gan­do aos pou­cos, com atra­so, mas não tar­de de­mais, ao an­dar de ci­ma, aos que sem­pre se ima­gi­na­ram imu­nes e im­pu­nes. Gen­te que pa­ga tu­do em di­nhei­ro vi­vo, gen­te que des­co­nhe­ce o sis­te­ma ban­cá­rio, gen­te que vi­ve de di­nhei­ro fá­cil, gen­te que vi­ve do di­nhei­ro dos ou­tros. E ago­ra que juí­zes co­ra­jo­sos rom­pem es­se pac­to oli­gár­qui­co de im­pu­ni­da­de e de imu­ni­da­de e co­me­çam a de­li­ne­ar um di­rei­to pe­nal me­nos se­le­ti­vo e a al­can­çar cri­mi­no­sos do co­la­ri­nho bran­co há um sur­to de ga­ran­tis­mo”, ar­gu­men­tou.

Luiz Fux ar­gu­men­tou que não se po­de im­pe­dir o juiz de ter os ele­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra de­cre­tar me­di­das co­mo a co­er­ci­ti­va pa­ra evi­tar com­bi­na­ção ver­sões en­tre os in­ves­ti­ga­dos. “Me pa­re­ce anô­ma­lo sus­ten­tar, com ba­se em tra­gé­di­as his­tó­ri­cas, di­ta­du­ra, ho­lo­caus­to, a im­pos­si­bi­li­da­de de se re­a­li­zar as con­du­ções co­er­ci­ti­vas pra­ti­ca­das con­tra or­ga­ni­za­ções cri­mi­no­sas so­fis­ti­ca­das.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,