A Procuradoria-​Geral da Re­pú­bli­ca (PGR) pe­diu ao Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) a pror­ro­ga­ção, por mais 60 di­as, de dois inqué­ri­tos en­vol­ven­do o se­na­dor Aé­cio Ne­ves (PSDB-​MG). As in­ves­ti­ga­ções são re­la­ta­das pe­los mi­nis­tros Ri­car­do Lewan­dows­ki e Gil­mar Men­des.

Pe­dro França/​Agência Se­na­do


Aécio é investigado em oito inquéritos e réu em uma ação penal

O tu­ca­no é in­ves­ti­ga­do por ter re­ce­bi­do do­a­ções via cai­xa dois em 2014. Um dos inqué­ri­tos apu­ra ci­ta­ção do no­me de Aé­cio nas de­la­ções da Ode­bre­cht. Se­gun­do ex-​executivos da em­prei­tei­ra, o se­na­dor mi­nei­ro re­ce­beu van­ta­gens in­de­vi­das du­ran­te sua cam­pa­nha de 2014 à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca.

Em abril, Aé­cio pres­tou de­poi­men­to à Po­lí­cia Fe­de­ral e dis­se que os pró­pri­os de­la­to­res afir­ma­ram nos de­poi­men­tos que as con­tri­bui­ções fi­nan­cei­ras fei­tas pe­la Ode­bre­cht às cam­pa­nhas do PSDB nun­ca es­ti­ve­ram vin­cu­la­das a qual­quer con­tra­par­ti­da.

Em 17 de abril, os mi­nis­tros da Pri­mei­ra Tur­ma do STF acei­ta­ram, por una­ni­mi­da­de, a de­nún­cia por cor­rup­ção con­tra o se­na­dor. Aé­cio é o pri­mei­ro in­te­gran­te do PSDB réu na Ope­ra­ção La­va Ja­to e o pri­mei­ro po­lí­ti­co a ter de­nún­cia acei­ta com ba­se na me­ga­de­la­ção dos em­pre­sá­ri­os Jo­es­ley e Wes­ley Ba­tis­ta, do­nos da Hol­ding J&F.

Réu

Por una­ni­mi­da­de, os mi­nis­tros da tur­ma tor­na­ram Aé­cio réu por cor­rup­ção pas­si­va. Já o cri­me de obs­tru­ção da Jus­ti­ça, fi­ca­ram ven­ci­dos in­te­gral­men­te o mi­nis­tro Ale­xan­dre de Mo­ra­es e par­ci­al­men­te o mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, re­la­tor da ação con­tra Aé­cio na Cor­te.

Se­gun­do a de­nún­cia, Aé­cio so­li­ci­tou a Jo­es­ley Ba­tis­ta, em con­ver­sa gra­va­da pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral (PF), R$ 2 mi­lhões em pro­pi­na, em tro­ca de sua atu­a­ção po­lí­ti­ca em fa­vor do gru­po em­pre­sa­ri­al. O se­na­dor foi acu­sa­do dos cri­mes de cor­rup­ção pas­si­va e ten­ta­ti­va de obs­truir a Jus­ti­ça.

Além do mi­nis­tro Mar­co Au­ré­lio, os mi­nis­tros Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Luiz Fux e Ro­sa We­ber vo­ta­ram pa­ra tor­nar réu o se­na­dor tu­ca­no. Em seu vo­to, Bar­ro­so de­fen­deu a aber­tu­ra da ação pe­nal e res­sal­tou que “no mun­do de ne­gó­ci­os lí­ci­tos em­prés­ti­mos se fa­zem por trans­fe­rên­cia ban­cá­ria ou no má­xi­mo por che­que. Nos di­as de ho­je nin­guém sai por aí trans­por­tan­do pe­la es­tra­da ma­las de di­nhei­ro”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,