O Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião (TRF-​4) apon­tou nes­ta sexta-​feira (22) a ad­mis­si­bi­li­da­de de um re­cur­so apre­sen­ta­do ao Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) pe­la de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la con­tra a con­de­na­ção a mais de 12 anos de ca­deia no ca­so do trí­plex do Gua­ru­já (SP). Is­so quer di­zer que a de­man­da de Lu­la con­ti­nua sob aná­li­se no STJ, pa­ra pos­te­ri­or exa­me co­le­gi­a­do. Por ou­tro la­do, o TRF-​4 re­jei­tou pe­di­do de re­cur­so ex­tra­or­di­ná­rio do pe­tis­ta pa­ra que o ca­so fos­se jul­ga­do no Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF). Os ad­vo­ga­dos de Lu­la tam­bém po­dem re­cor­rer des­sa de­ci­são, e já avi­sa­ram que o fa­rão por meio de no­ta as­si­na­da por Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins (ín­te­gra abai­xo).

Agên­cia Bra­sil


Fachin apontou “The Mona Lisa” para suspender análise do caso Lula

Di­an­te da de­ci­são, for­ma­li­za­da pe­la de­sem­bar­ga­do­ra Ma­ria de Fá­ti­ma Frei­tas La­bar­rè­re, o re­la­tor da Ope­ra­ção La­va Ja­to no STF, Ed­son Fa­chin, sus­pen­deu a aná­li­se, que es­ta­va mar­ca­da pa­ra a pró­xi­ma terça-​feira (26), do pe­di­do de efei­to sus­pen­si­vo apre­sen­ta­do por Lu­la con­tra a an­te­ci­pa­ção de exe­cu­ção da sen­ten­ça. O ex-​presidente, que foi pre­so em 7 de abril após sen­ten­ci­a­do em se­gun­da ins­tân­cia, quer re­cor­rer em li­ber­da­de até que se­jam es­go­ta­das to­das as pos­si­bi­li­da­des em ins­tân­ci­as re­cur­sais.

Na prá­ti­ca, a re­a­ção de Fa­chin à de­ci­são da ma­gis­tra­da, que é vice-​presidente do TRF-​4, sus­pen­de uma de­ci­são que po­de­ria re­sul­tar na li­ber­ta­ção de Lu­la, uma vez que es­ta­ri­am em dis­cus­são na pró­xi­ma terça-​feira os efei­tos de sua con­de­na­ção. Pa­ra Fa­chin, trata-​se de um tí­pi­co ca­so de “al­te­ra­ção do qua­dro pro­ces­su­al”.

“Ve­ri­fi­co a inad­mis­são su­per­ve­ni­en­te do alu­di­do re­cur­so ex­cep­ci­o­nal, pro­vi­dên­cia que acar­re­ta a al­te­ra­ção do qua­dro pro­ces­su­al e, a meu ver, re­ve­la a in­dis­pen­sa­bi­li­da­de de pré­vio co­te­jo e de­ba­te da de­ci­são pro­fe­ri­da pe­la Vice-​Presidência do Tri­bu­nal Re­gi­o­nal Fe­de­ral da 4ª Re­gião me­di­an­te o res­pec­ti­vo agra­vo em re­cur­so ex­tra­or­di­ná­rio”, ar­gu­men­tou o mi­nis­tro, in­di­ca­do pa­ra o STF em abril de 2015 pe­la en­tão pre­si­den­te Dil­ma Rous­seff.

Ma­ria de Fá­ti­ma afir­mou que ne­nhum dos se­te ar­gu­men­tos da de­fe­sa, no ca­so do re­cur­so ex­tra­or­di­ná­rio ao STF, afron­ta Cons­ti­tui­ção de ma­nei­ra di­re­ta, ra­zão pe­la qual a de­sem­bar­ga­do­ra re­vol­veu re­cu­sar a con­se­cu­ção da de­man­da. Uma das ale­ga­ções dos ad­vo­ga­dos do pe­tis­ta foi o ca­rá­ter par­ci­al de­mons­tra­do pe­lo juí­zo ini­ci­al – no ca­so, o juiz Sér­gio Mo­ro, que con­de­nou Lu­la a mais de no­ve anos de pri­são. Res­pon­sá­vel pe­la La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba (PR), Mo­ro viu sua sen­ten­ça ser ele­va­da no TRF-​4, em 24 de ja­nei­ro, pa­ra 12 anos e um mês de de­ten­ção.

Ou­tro ar­gu­men­to da de­fe­sa de Lu­la diz res­pei­to a su­pos­tos ex­ces­sos da acu­sa­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), que acu­sou o ex-​presidente de che­fi­ar uma qua­dri­lha que sa­que­a­va, en­tre ou­tras ins­ti­tui­ções, a Pe­tro­bras valendo-​se de ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas. Pa­ra os ad­vo­ga­dos, tam­bém fal­tou im­par­ci­a­li­da­de, bem co­mo im­pes­so­a­li­da­de e se­ri­e­da­de, aos mem­bros do STF ao lon­go do pro­ces­so. Ma­ria de Fá­ti­ma ex­pli­cou que es­ta­ria con­fi­gu­ra­da a aco­lhi­da das te­ses da de­fe­sa ca­so o re­cur­so ex­tra­or­di­ná­rio ao STF fos­se ad­mi­ti­do, impondo-​se re­vi­são de pro­vas – e pa­ra tal re­e­xa­me, lem­brou a ma­gis­tra­da, não ca­be re­cur­so ex­tra­or­di­ná­rio.

Ponto único

A de­sem­bar­ga­do­ra ad­mi­tiu um úni­co ar­gu­men­to dos ad­vo­ga­dos de Lu­la, o que já abre es­pa­ço pa­ra avan­ço na es­tra­té­gia de de­fe­sa. Trata-​se do ques­ti­o­na­men­to acer­ca do pa­ga­men­to de mul­ta apli­ca­do ao pe­tis­ta – mais de R$ 16 mi­lhões de pe­na­li­da­de fi­xa­da no ato da con­de­na­ção. A ale­ga­ção é a de que o mon­tan­te equi­va­le, co­mo cons­ta do con­teú­do de de­la­ções pre­mi­a­das reu­ni­das no pro­ces­so, ao to­tal do que te­ria si­do re­pas­sa­do ao PT (e não a Lu­la) em for­ma de pro­pi­na.

A pro­pi­na des­ti­na­da a Lu­la e dis­far­ça­da em trí­plex, se­gun­do os ter­mos da con­de­na­ção, tem va­lor equi­va­len­te a R$ 3,3 mi­lhões, ar­gu­men­tou ain­da a de­fe­sa. As­sim, ca­so a con­de­na­ção se­ja man­ti­da, os ad­vo­ga­dos pe­dem a de­vi­da re­du­ção da mul­ta em re­la­ção ao va­lor ini­ci­al­men­te es­ti­pu­la­do. Mas tan­to a ques­tão da mul­ta quan­to to­dos os de­mais ar­gu­men­tos da de­fe­sa reu­ni­dos no re­cur­so po­dem ser re­a­na­li­sa­do no STJ, mes­mo ten­do Ma­ria de Fá­ti­ma aca­ta­do ape­nas um de­les.

A condenação

O pe­tis­ta es­tá con­de­na­do a 12 anos e 1 mês de pri­são por cor­rup­ção e la­va­gem de di­nhei­ro. Ele é acu­sa­do de ter re­ce­bi­do um apar­ta­men­to da OAS – o trí­plex do Gua­ru­já, que foi a lei­lão –, além de re­for­mas, em tro­ca de fa­vo­re­ci­men­to em con­tra­to pa­ra a em­prei­tei­ra na Pe­tro­bras. A de­fe­sa ne­ga e diz que o imó­vel ja­mais per­ten­ceu ao ex-​presidente e que ele nun­ca in­ter­veio em fa­vor da em­pre­sa.

Des­de que Lu­la foi pre­so, o PT vi­nha in­sis­tin­do na sua can­di­da­tu­ra à Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, mes­mo sob ame­a­ça de en­qua­dra­men­to na Fi­cha Li­ma e, con­se­quen­te­men­te, in­de­fe­ri­men­to de ins­cri­ção na cor­ri­da elei­to­ral. Cor­re­li­gi­o­ná­ri­os e ali­a­dos do pe­tis­ta têm re­pe­ti­do, co­mo já fa­zi­am an­tes da con­de­na­ção, que o ex-​presidente so­fria per­se­gui­ção ju­di­ci­al e mi­diá­ti­ca que vi­sou sua re­ti­ra­da das elei­ções des­te ano. Lí­der nas pes­qui­sas de in­ten­ção de vo­to, Lu­la foi ofi­ci­al­men­te apre­sen­ta­do co­mo pré-​candidato em 8 de ju­nho.

Se­gun­do es­sa ver­são, Mo­ro agiu a ser­vi­ço de de­ter­mi­na­do gru­po po­lí­ti­co, de viés ne­o­li­be­ral, e não apre­sen­tou pro­vas que de­mons­tras­sem a cul­pa do pe­tis­ta. A acu­sa­ção en­con­trou eco em ju­ris­tas bra­si­lei­ros e es­tran­gei­ros, bem co­mo em par­te da im­pren­sa in­ter­na­ci­o­nal – até um li­vro com 103 tex­tos as­si­na­do por 122 ju­ris­tas, in­ti­tu­la­do Co­men­tá­ri­os a uma Sen­ten­ça Anun­ci­a­da: o Pro­ces­so Lu­la, foi pu­bli­ca­do pa­ra ten­tar de­mons­trar a ile­ga­li­da­de da sen­ten­ça. Tan­to o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co quan­to Mo­ro, por ou­tro la­do, di­zem que o con­jun­to pro­ba­tó­rio que pe­sa con­tra Lu­la é mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra condená-​lo.

Leia a nota da defesa de Lula:

A de­fe­sa do ex-​presidente Lu­la re­cor­re­rá das de­ci­sões pro­fe­ri­das ho­je (22/​06) e es­tra­nha que o TRF4 te­nha ana­li­sa­do a ad­mis­si­bi­li­da­de do re­cur­so ex­tra­or­di­ná­rio às vés­pe­ras do jul­ga­men­to mar­ca­do pe­la pre­si­dên­cia da 2a. Tur­ma do STF pa­ra ana­li­sar o pe­di­do de li­ber­da­de do ex-​presidente. A de­ci­são do TRF4 foi pro­fe­ri­da pou­cas ho­ras após a de­fe­sa de Lu­la ha­ver apre­sen­ta­do à vice-​presidência da Cor­te, em au­di­ên­cia, me­mo­ri­al de­mons­tran­do a pre­sen­ça de to­dos os re­qui­si­tos pa­ra a ad­mis­si­bi­li­da­de dos re­cur­sos es­pe­ci­al e ex­tra­or­di­ná­rio in­ter­pos­tos em 23/​04.

Cris­ti­a­no Za­nin Mar­tins

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,