Em pou­co mais de um mês, o mi­nis­tro Gil­mar Men­des, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ra (STF), de­ter­mi­nou, a ca­da dois di­as, a sol­tu­ra de um in­ves­ti­ga­do em ope­ra­ções de­cor­ren­tes da La­va Ja­to. De 15 de maio a 25 de ju­nho, Gil­mar aten­deu a 23 pe­di­dos de li­ber­da­de a sus­pei­tos pre­sos pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral por so­li­ci­ta­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e de­ter­mi­na­ção da Jus­ti­ça. Du­as pes­so­as fo­ram li­ber­ta­das du­as ve­zes. En­tre elas, o ex-​diretor da De­sen­vol­vi­men­to Ro­do­viá­rio S/​A (Der­sa) Pau­lo Vi­ei­ra de Sou­za, apon­ta­do co­mo ope­ra­dor de pro­pi­nas do PSDB pe­lo gru­po de tra­ba­lho da La­va Ja­to em São Pau­lo. Ao li­ber­tar os in­ves­ti­ga­dos, o mi­nis­tro es­ta­be­le­ceu me­di­das cau­te­la­res, co­mo a proi­bi­ção de man­ter con­ta­to com ou­tros in­ves­ti­ga­dos e de sair do país, com a apre­en­são dos pas­sa­por­tes.

Mar­cel­lo Ca­sal Jr/​Agência Bra­sil


Gilmar é crítico declarado das prisões provisórias. Segundo ele, expediente virou regra e é usado como tortura para fazer delações premiadas

En­tre 15 de maio e 4 de ju­nho, Gil­mar con­ce­deu ha­be­as cor­pus a 19 pes­so­as que ha­vi­am si­do pre­sas em des­do­bra­men­tos da La­va Ja­to. To­das as pri­sões ha­vi­am si­do au­to­ri­za­das pe­lo juiz Mar­ce­lo Bre­tas, da 7ª Va­ra Cri­mi­nal Fe­de­ral do Rio de Ja­nei­ro. À épo­ca, o juiz afir­mou, em ofí­cio en­ca­mi­nha­do ao STF, que “ca­sos de cor­rup­ção e de­li­tos re­la­ci­o­na­dos não po­dem ser tra­ta­dos co­mo cri­mes me­no­res, pois a gra­vi­da­de de ilí­ci­tos pe­nais não de­ve ser me­di­da ape­nas sob o en­fo­que da vi­o­lên­cia fí­si­ca ime­di­a­ta”.

Nes­sa segunda-​feira (25), após au­di­ên­cia com in­ves­ti­ga­dos na Ope­ra­ção Un­fair Play, de­ri­va­da da La­va Ja­to, Bre­tas dis­se que não se sen­te frus­tra­do pe­las de­ci­sões do mi­nis­tro. “Eu não me sin­to frus­tra­do. Me sin­to fe­liz, por­que o Ju­di­ciá­rio es­tá fun­ci­o­nan­do. Não te­nho o que re­cla­mar. É uma ques­tão de hi­e­rar­quia”, dis­se.

Rizoma

En­tre os li­be­ra­dos em ju­nho es­tá o em­pre­sá­rio Arthur Pi­nhei­ro Ma­cha­do. In­ves­ti­ga­do na Ope­ra­ção Ri­zo­ma, que apu­ra es­que­mas em fun­dos de pen­são, Ma­cha­do ga­nhou li­ber­da­de pe­la se­gun­da vez em 7 de ju­nho. Ele já ti­nha uma de­ci­são fa­vo­rá­vel de 23 de maio.

Além de Arthur Ma­cha­do, ou­tras cin­co pes­so­as in­ves­ti­ga­das pe­la Ope­ra­ção Ri­zo­ma fo­ram be­ne­fi­ci­a­das por ha­be­as cor­pus con­ce­di­dos por Gil­mar. O pri­mei­ro foi Mil­ton Ly­ra, em 15 de maio. Ly­ra é apon­ta­do co­mo ope­ra­dor de pro­pi­nas do nú­cleo do MDB do Se­na­do.

Três di­as de­pois, em 18 de maio, Gil­mar li­be­rou Mar­ce­lo Se­re­no, Adeil­son Ri­bei­ro Tel­les, Car­los Al­ber­to Va­la­da­res Pe­rei­ra e Ri­car­do Si­quei­ra Mar­tins.

Pão Nosso

Na in­ves­ti­ga­ção so­bre ir­re­gu­la­ri­da­des no sis­te­ma pe­ni­ten­ciá­rio do Rio de Ja­nei­ro, Gil­mar con­ce­deu seis pe­di­dos de li­ber­da­de no es­pa­ço de uma se­ma­na.

A ope­ra­ção, de­fla­gra­da em mar­ço, apu­ra ir­re­gu­la­ri­da­des em con­tra­tos da Se­cre­ta­ria de Es­ta­do de Ad­mi­nis­tra­ção Pe­ni­ten­ciá­ria do Rio (Se­ap). Os in­ves­ti­ga­dos são acu­sa­dos de cor­rup­ção, eva­são de di­vi­sas e la­va­gem de di­nhei­ro.

O pri­mei­ro a ga­nhar ha­be­as cor­pus foi o de­le­ga­do Mar­ce­lo Luiz San­tos Mar­tins, em 21 de maio. Em se­gui­da, no dia 23, o mi­nis­tro li­ber­tou o ad­vo­ga­do e ex-​secretário ad­jun­to de Tra­ta­men­to Pe­ni­ten­ciá­rio Mar­cos Vi­ní­cius da Sil­va Lips. O em­pre­sá­rio San­dro Alex Lah­mann e Car­los Ma­teus Mar­tins, pai do de­le­ga­do Mar­ce­lo Mar­tins, fo­ram sol­tos no dia 24. Por fim, o ex-​diretor da Se­ap, Ce­sar Ru­bens Mon­tei­ro de Car­va­lho, foi sol­to em 28 de maio.

Fraudes

Ou­tros três sus­pei­tos sol­tos por Gil­mar são acu­sa­dos de en­vol­vi­men­to em frau­des em con­tra­tos do go­ver­no do Rio. Hud­son Bra­ga e Car­los Mi­ran­da, res­pec­ti­va­men­te ex-​secretário de Obras e o ho­mem apon­ta­do co­mo ope­ra­dor fi­nan­cei­ro do ex-​governador Sér­gio Ca­bral, fo­ram li­be­ra­dos por de­ter­mi­na­ção do mi­nis­tro no dia 23 de maio.

Pre­so na Ope­ra­ção Ja­bu­ti, o ex-​presidente da Fe­de­ra­ção do Co­mér­cio do Rio de Ja­nei­ro (Fecomercio-​RJ) Or­lan­do Di­niz foi sol­to em 1ª de ju­nho. Di­niz es­ta­va pre­so des­de fe­ve­rei­ro e foi de­nun­ci­a­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), em mar­ço, por cor­rup­ção, la­va­gem de di­nhei­ro e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa. O MPF ale­ga que Di­niz foi res­pon­sá­vel por des­vi­ar pe­lo me­nos R$ 10 mi­lhões dos co­fres pú­bli­cos.

Câmbio, desligo

Ape­nas da ope­ra­ção “Câm­bio, des­li­go”, Gil­mar li­ber­tou seis pes­so­as en­tre os di­as 5 e 25 de ju­nho. O úl­ti­mo de­les, o cor­re­tor de va­lo­res Mar­ce­lo Rze­zins­ki, foi li­be­ra­do on­tem, em de­ci­são da úl­ti­ma sexta-​feira (22).

A “Câm­bio, des­li­go” in­ves­ti­ga uma re­de de do­lei­ros acu­sa­dos de atu­ar a man­do do ex-​governador flu­mi­nen­se Sér­gio Ca­bral. O MPF apre­sen­tou de­nún­cia con­tra 62 pes­so­as sob acu­sa­ções de la­va­gem de di­nhei­ro e en­vio de re­cur­sos ao ex­te­ri­or, mo­vi­men­ta­ção fi­nan­cei­ra fru­to do es­que­ma de cor­rup­ção en­ca­be­ça­do por Ca­bral no go­ver­no do Rio.

An­tes de Rze­zins­ki, Gil­mar con­ce­deu li­ber­da­de a Rony Ha­moui, Pau­lo Sér­gio Vaz de Ar­ru­da, Athos Ro­ber­to Al­ber­naz Cor­dei­ro e Oswal­do Pra­do San­ches em 4 de ju­nho. No dia se­guin­te, o ir­mão de Athos, Antô­nio Clau­dio Al­ber­naz Cor­dei­ro tam­bém foi sol­to.

Paulo Vieira de Souza

Além de Arthur Pi­nhei­ro Ma­cha­do, ou­tra pes­soa li­ber­ta­da du­as ve­zes por Gil­mar foi o ex-​diretor da Der­sa Pau­lo Vi­ei­ra de Sou­za. Apon­ta­do co­mo ope­ra­dor de pro­pi­nas do PSDB pe­lo gru­po de tra­ba­lho da La­va Ja­to em São Pau­lo, o en­ge­nhei­ro ga­nhou li­ber­da­de pe­las mãos de Gil­mar no fim do mês pas­sa­do.

Pau­lo Vi­ei­ra foi pre­so pe­la pri­mei­ra vez em 6 de abril, por or­dem da Jus­ti­ça Fe­de­ral em São Pau­lo, acu­sa­do de par­ti­ci­par de um es­que­ma de des­vio de re­cur­sos nas obras do tre­cho Sul do Ro­do­a­nel, en­tre 2009 e 2011. Ele fi­cou pre­so até 11 de maio, quan­do o mi­nis­tro de­ter­mi­nou sua sol­tu­ra.

Pou­cas ho­ras após ser pre­so pe­la se­gun­da vez, em 30 de maio, Gil­mar aco­lheu pe­di­do de ha­be­as cor­pus apre­sen­ta­do pe­la de­fe­sa do ex-​diretor da Der­sa. A sol­tu­ra foi es­ten­di­da a Ta­ti­a­ne Cre­mo­ni­ni, fi­lha do ex-​executivo. Pau­lo Vi­ei­ra ha­via si­do pre­so no­va­men­te após ser acu­sa­do pe­lo Mi­nis­té­rio Pú­bli­co de re­pre­sen­tar ris­co às in­ves­ti­ga­ções por ame­a­çar tes­te­mu­nhas.

Se­gun­do as in­ves­ti­ga­ções, o es­que­ma do qual o ex-​diretor da Der­sa fa­zia par­te mo­vi­men­tou cer­ca de R$ 113 mi­lhões em con­tas na Suí­ça.

Gil­mar Men­des é um crí­ti­co das pri­sões pre­ven­ti­vas. Se­gun­do ele, o ex­pe­di­en­te vi­rou re­gra e, mui­tas ve­zes, é usa­do co­mo “tor­tu­ra” pa­ra for­çar de­la­ções pre­mi­a­das. “Co­mo se abu­sa da pri­são cau­te­lar e da pri­são pre­ven­ti­va. Pri­são pre­ven­ti­va pre­ci­sa ser ne­ces­sá­ria, ade­qua­da e pro­por­ci­o­nal”, dis­se ao ana­li­sar ha­be­as cor­pus pe­di­do pe­lo ex-​ministro An­to­nio Pa­loc­ci em abril.

Ago­ra, ao li­be­rar Pau­lo Vi­ei­ra pe­la se­gun­da vez, Gil­mar afir­mou que a no­va pri­são do en­ge­nhei­ro era pro­du­to do “in­con­for­mis­mo” do juiz em ra­zão do ha­be­as cor­pus con­ce­di­do an­te­ri­or­men­te por ele. “No ca­so con­cre­to, es­tá pa­ten­te que o no­vo de­cre­to de pri­são re­ve­la in­con­for­mis­mo com a or­dem de ha­be­as cor­pus an­te­ri­or­men­te de­fe­ri­da por es­te tri­bu­nal. Na de­ci­são que de­fe­riu a me­di­da li­mi­nar […] de­mons­trei que os fun­da­men­tos da pri­são pre­ven­ti­va en­tão de­cre­ta­da eram cla­ra­men­te des­pro­po­si­ta­dos”, es­cre­veu o mi­nis­tro na de­ci­são.

O mi­nis­tro mi­ni­mi­zou os ar­gu­men­tos le­va­dos em con­ta pe­lo juiz pa­ra le­var Pau­lo Vi­ei­ra no­va­men­te à pri­são. “O ma­gis­tra­do de ori­gem jus­ti­fi­ca a no­va pri­são adu­zin­do que a de­fe­sa do pa­ci­en­te te­ria exer­ci­do in­fluên­cia no de­poi­men­to das tes­te­mu­nhas de acu­sa­ção. Pa­ra tan­to, apon­ta tão so­men­te a pre­sen­ça da ad­vo­ga­da da em­pre­sa Der­sa na re­fe­ri­da au­di­ên­cia. Con­tu­do, não há fa­tos con­cre­tos a jus­ti­fi­car o no­vo de­cre­to cau­te­lar. A res­tri­ção da li­ber­da­de de um in­di­ví­duo não po­de so­frer res­tri­ções am­pa­ra­da em hi­pó­te­ses ou con­jec­tu­ras”, es­cre­veu.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,