Às vés­pe­ras de o Tri­bu­nal de Con­tas da União (TCU) jul­gar o De­cre­to dos Por­tos, que co­lo­cou o pre­si­den­te Mi­chel Te­mer (MDB) no cen­tro de uma in­ves­ti­ga­ção cri­mi­nal, o go­ver­no fe­de­ral pro­mo­veu o ir­mão do re­la­tor do pro­ces­so, o mi­nis­tro Bru­no Dan­tas. O ir­mão do mi­nis­tro, Hu­go Dan­tas Sil­va Nas­ci­men­to, foi no­me­a­do co­mo adi­do au­xi­li­ar da Agên­cia Bra­si­lei­ra de In­te­li­gên­cia (Abin) em Bu­e­nos Ai­res, na Ar­gen­ti­na. A no­me­a­ção foi pu­bli­ca­da no Diá­rio Ofi­ci­al da União no úl­ti­mo dia 18.

Lu­la Marques/​AGPT


Temer é suspeito de integrar esquema de corrupção que operava no Porto de Santos, área de influência do MDB há décadas

O no­me de Hu­go não apa­re­ce no de­cre­to, ape­nas o nú­me­ro de sua ma­trí­cu­la no ór­gão. O do­cu­men­to é as­si­na­do por Te­mer e pe­lo ge­ne­ral Sér­gio Et­che­goyen, ministro-​chefe do Ga­bi­ne­te da Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal (GSI), ór­gão ao qual a Abin é su­bor­di­na­da. O pró­prio Et­che­goyen li­gou pa­ra a di­re­to­ria da Abin com o ob­je­ti­vo de exi­gir a no­me­a­ção de Hu­go Dan­tas, se­gun­do apu­rou a re­por­ta­gem do Con­gres­so em Fo­co. E dis­se que a in­di­ca­ção era uma de­man­da de Te­mer.

Prêmio antecipado

A im­po­si­ção do no­me de Hu­go Dan­tas pa­ra o car­go se tor­nou al­vo de uma sé­rie de crí­ti­cas den­tro da agên­cia de in­te­li­gên­cia. A in­di­ca­ção pa­ra um pos­to no ex­te­ri­or cos­tu­ma ser um “prê­mio” pa­ra ser­vi­do­res em fim de car­rei­ra. Hu­go foi ad­mi­ti­do na Abin há dez anos, em 2008, o que é con­si­de­ra­do pou­co tem­po de ser­vi­ço.

Em no­ta, o ga­bi­ne­te do mi­nis­tro dis­se que Bru­no Dan­tas “não co­men­ta a car­rei­ra de ser­vi­do­res pú­bli­cos con­cur­sa­dos”. No ca­so, o seu ir­mão.

O mi­nis­tro afir­ma que o pro­ces­so do de­cre­to dos por­tos te­ve “con­du­ção ri­go­ro­sa”. “O ve­to des­de ja­nei­ro de 2018 a pror­ro­ga­ções de con­tra­tos por até 70 anos – o pon­to cen­tral do de­cre­to – fa­lam por si”, ci­ta o tex­to.

Indicação do MDB

Bru­no Dan­tas foi in­di­ca­do ao TCU em 2014 com apoio do MDB e do en­tão pre­si­den­te do Se­na­do Re­nan Ca­lhei­ros (AL). Na épo­ca da vo­ta­ção na Câ­ma­ra, um dos que fi­ze­ram cam­pa­nha pa­ra Dan­tas foi o de­pu­ta­do Lú­cio Vi­ei­ra Li­ma (PMDB), ir­mão do ex-​ministro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma, um dos ali­a­dos de Te­mer que es­tão pre­sos sob acu­sa­ção de cri­mes co­mo la­va­gem de di­nhei­ro.

Não há in­for­ma­ção so­bre o sa­lá­rio que Hu­go Dan­tas re­ce­be­rá na no­va fun­ção, por­que a Abin não pu­bli­ca in­for­ma­ções no Por­tal de Trans­pa­rên­cia do go­ver­no fe­de­ral. Por ser um ór­gão de in­te­li­gên­cia, a jus­ti­fi­ca­ti­va é que seus fun­ci­o­ná­ri­os não po­dem ter a iden­ti­da­de ex­pos­ta.

Julgamento

Na ses­são do ple­ná­rio des­ta terça-​feira (26), às 14h30, os mi­nis­tros do TCU ana­li­sam o re­la­tó­rio da área téc­ni­ca do tri­bu­nal so­bre o De­cre­to 9.048/2017, que al­te­ra re­gras do sis­te­ma por­tuá­rio. A da­ta da ses­são foi an­te­ci­pa­da por cau­sa do jo­go do Bra­sil na Co­pa do Mun­do nes­ta quarta-​feira (27).

O do­cu­men­to as­si­na­do pe­lo se­tor téc­ni­co do tri­bu­nal não apon­tou di­re­ci­o­na­men­to do de­cre­to pa­ra aten­der a uma em­pre­sa es­pe­cí­fi­ca. Os téc­ni­cos do TCU, po­rém, re­co­men­da­ram que se­ja proi­bi­da a per­mis­são pa­ra que os con­tra­tos de ar­ren­da­men­to se­jam pror­ro­ga­dos por até 70 anos. Pa­ra o TCU, is­so fe­re a iso­no­mia do pro­ces­so li­ci­ta­tó­rio.

Há in­di­ca­ção de que os mi­nis­tros irão se­guir as re­co­men­da­ções dos téc­ni­cos so­bre a pror­ro­ga­ção dos con­tra­tos, mas eles po­dem to­mar de­ci­sões di­fe­ren­tes em re­la­ção a ou­tros pon­tos, co­mo a per­mis­são pa­ra ter­mi­nais tro­ca­rem de en­de­re­ço den­tro de um mes­mo por­to.

Reduto

A in­ves­ti­ga­ção da Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) apu­ra se o pre­si­den­te re­ce­beu pro­pi­na pa­ra pu­bli­car o ins­tru­men­to le­gal. Te­mer é sus­pei­to de in­te­grar es­que­ma de cor­rup­ção que ope­ra­va no Por­to de San­tos, área de in­fluên­cia do MDB há dé­ca­das. Ele sem­pre ne­gou ir­re­gu­la­ri­da­des.

O de­cre­to foi as­si­na­do pe­lo pre­si­den­te em maio de 2017, uma se­ma­na an­tes de vi­rem à to­na os áu­di­os da de­la­ção da JBS, na qual o eme­de­bis­ta foi gra­va­do pe­lo em­pre­sá­rio da JBS Jo­es­ley Ba­tis­ta.

A PF iden­ti­fi­cou in­dí­ci­os de fa­vo­re­ci­men­to do gru­po Li­bra, que mo­ti­vou a Ope­ra­ção Ska­la, da Po­lí­cia Fe­de­ral. É nes­se ca­so que ami­gos e pes­so­as pró­xi­mas de Te­mer são in­ves­ti­ga­dos, e que ope­ra­do­res de Li­bra che­ga­ram a ser pre­sos. Re­cen­te­men­te, o TCU or­de­nou o can­ce­la­men­to da pror­ro­ga­ção do con­tra­to de Li­bra no Por­to de San­tos, que ha­via si­do re­no­va­do em 2015 e va­le­ria até 2035.

O Con­gres­so em Fo­co ten­tou en­trar em con­ta­to com Hu­go Dan­tas, a Abin e o GSI, mas não ob­te­ve res­pos­ta até a pu­bli­ca­ção des­ta re­por­ta­gem. O pre­si­den­te tam­bém foi pro­cu­ra­do na noi­te de on­tem (25), mas tam­bém não re­tor­nou.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

,