O mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF), de­ter­mi­nou nes­ta quarta-​feira (27), em ca­rá­ter pro­vi­só­rio, que o go­ver­no não pos­sa ven­der em­pre­sas es­ta­tais sem au­to­ri­za­ção do pré­via do Con­gres­so. A li­mi­nar, que se­rá sub­me­ti­da ao ple­ná­rio da Cor­te, proí­be a ven­da do con­tro­le aci­o­ná­rio de em­pre­sas pú­bli­cas de eco­no­mia mis­ta, a exem­plo da Pe­tro­bras, da Ele­tro­bras e do Ban­co do Bra­sil.

Nel­son Jr/​STF


Venda de ações de empresas públicas “exige prévia autorização legislativa”, alega ministro

Trata-​se da se­gun­da der­ro­ta do go­ver­no Mi­chel Te­mer (MDB) em um mês, des­de a re­ti­ra­da de pau­ta, por de­ter­mi­na­ção do pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-​RJ), da Me­di­da Pro­vi­só­ria 814/​2017, que fi­xa re­gras pa­ra o po­lê­mi­co pro­ces­so de pri­va­ti­za­ção da Ele­tro­bras. A ma­té­ria, uma das pri­o­ri­da­des da re­ta fi­nal do go­ver­no Te­mer, já re­ce­beu re­la­tó­rio do de­pu­ta­do Jo­sé Car­los Ale­luia (DEM-​BA), em 10 de maio, e es­tá pron­to pa­ra vo­ta­ção em ple­ná­rio. O tex­to es­bar­rou na re­sis­tên­cia de par­la­men­ta­res e de se­to­res da so­ci­e­da­de e em im­pre­vis­tos co­mo a gre­ve dos ca­mi­nho­nei­ros, que pa­ra­li­sou o país – com re­fle­xos na pau­ta do Con­gres­so – por 11 di­as a par­tir de 21 de maio.

Pu­bli­ca­da em dia de jo­go do Bra­sil na Co­pa da Rús­sia, que es­va­zi­ou o ser­vi­ço pú­bli­co em Bra­sí­lia, a li­mi­nar de Lewan­dows­ki in­clui em­pre­sas sub­si­diá­ri­as e con­tro­la­das por es­ta­tais, abran­gen­do as es­fe­ras es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Des­sa for­ma, co­mo tem efi­cá­cia em to­do o ter­ri­tó­rio bra­si­lei­ro, a de­ci­são sus­pen­de pri­va­ti­za­ções de to­das as es­ta­tais de ca­pi­tal aber­to – cu­ja ven­da de ações na bol­sa de va­lo­res es­tá au­to­ri­za­da, com mais de 50% de con­tro­le aci­o­ná­rio do Es­ta­do – em fun­ci­o­na­men­to no Bra­sil.

A de­ci­são do mi­nis­tro res­pon­de a ação di­re­ta de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de (ADI) for­ma­li­za­da con­jun­ta­men­te, em no­vem­bro de 2011, pe­la Fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal das As­so­ci­a­ções do Pes­so­al da Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral (Fe­na­ee) e pe­la Con­fe­de­ra­ção Na­ci­o­nal dos Tra­ba­lha­do­res do Ra­mo Fi­nan­cei­ro (Contraf/​Cut). As en­ti­da­des con­tes­tam dis­po­si­ti­vo da Lei das Es­ta­tais (13.303/2016) e se po­si­ci­o­nam con­tra pro­ces­sos de pri­va­ti­za­ção.

“[…] a ven­da de ações de em­pre­sas pú­bli­cas, so­ci­e­da­des de eco­no­mia mis­ta ou de su­as sub­si­diá­ri­as ou con­tro­la­das exi­ge pré­via au­to­ri­za­ção le­gis­la­ti­va, sem­pre que se cui­de de ali­e­nar o con­tro­le aci­o­ná­rio”, es­cre­ve o mi­nis­tro em sua li­mi­nar, di­zen­do ter in­ter­pre­ta­do o Ar­ti­go 29 da Lei das Es­ta­tais à luz da Cons­ti­tui­ção. Con­ce­bi­da pa­ra coi­bir apa­re­lha­men­to po­lí­ti­co e cor­rup­ção e apro­va­da no Se­na­do em 21 de ju­nho, a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de das Es­ta­tais dis­pen­sa li­ci­ta­ção na ven­da de ações e pa­trimô­nio de em­pre­sas pú­bli­cas.

Ain­da se­gun­do Lewan­dows­ki, a li­mi­nar se fez ur­gen­te di­an­te da “cres­cen­te va­ga de de­ses­ta­ti­za­ções que vem to­man­do cor­pos em to­dos os ní­veis da Fe­de­ra­ção”. Pa­ra a mi­nis­tro, a exe­cu­ção de pri­va­ti­za­ções sem que os di­ta­mes da Cons­ti­tui­ção fos­sem pre­ser­va­dos re­pre­sen­ta­ria “pre­juí­zos ir­re­pa­rá­veis ao país”.

Fon­te: Con­gres­so em Fo­co

, ,